Escritas das asperezas: uma leitura de "Memórias do cárcere", de Graciliano Ramos

  • Ivete Lara Camargos Walty Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas)
Palavras-chave: escritas da prisão, jogo textual, lei da sintaxe, sintaxe da lei

Resumo

Partindo de três verbos utilizados no último parágrafo do primeiro capítulo de Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos — esgueirar-se, fugir, esconder-se —, reveladores de um jogo montado pelo eu textual, interessa-me investigar, na construção do texto, a posição do narrador. Considerando o discurso como lugar de interação entre o social e o individual, onde eus diversos circulam entre a lei da sintaxe e a sintaxe da lei, importa examinar o trânsito desse eu, ora possuidor, ora possuído no jogo do gato e rato, nesse teatro/prisão tatuado no texto, um jogo a (des) velar suas regras. Tomando a cadeia e seu espaço como metonímia de espaços outros, investigo como o corpo mutilado e o edifício social carunchado fazem-se escritas das asperezas. Não apenas das asperezas da sociedade, mas também das asperezas do eu, metaforizadas pela boca seca, pela palavra áspera, pela escrita morosa, difícil, metaforizado pelo abscesso que se desenvolvia debaixo da unha do indicador, concretização do abscesso social e existencial.

Referências

Agamben, Giorgio. A comunidade que vem. Tradução de Cláudio Oliveira. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.
Bakhtin, Mikhail (Volochinov). Marxismo e filosofia da linguagem. 2. ed. Tradução de Michel Lahud e Yara F. Viana. São Paulo: Hucitec, 1981.
Benjamin, Walter. O narrador. In: Benjamin, Walter. Magia e técnica, arte e política. 3. ed. Tradução de Paulo Sérgio Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1987, p. 197–222. (Obras escolhidas, v. 1)
Clastres, Pierre. A sociedade contra o Estado. Tradução de Theo Santiago. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1978.
Douglas, Mary. Pureza e perigo. Tradução de Mônica Siqueira de Barros e Zilda Pinot. São Paulo: Perspectiva, 1976.
Frye, Northrop. Anatomia da crítica. Tradução de Péricles Eugênio da Silva Ramos. São Paulo: Cultrix, 1973.
Foucault, Michel. Vigiar e punir. História da violência nas prisões. Tradução de Lígia Pondé Vassalo. Petrópolis: Vozes, 1977.
Girard, René. La violence et le sacré. Paris: Grasset, 1972.
Goffman, Erving. Manicômios, prisões e conventos. Tradução de Dante Moreira Leite. São Paulo: Perspectiva, 1987.
Kristeva, Julia. Introdução à semanálise. Tradução de Lúcia Helena França. São Paulo: Perspectiva, 1974.
Miranda, Wander Melo. Contra a corrente: a questão autobiográfica em Graciliano Ramos e Silviano Santiago. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira) — Universidade de São Paulo, 1987.
Miranda, Wander Melo. Corpos escritos: Graciliano Ramos e Silviano Santiago. São Paulo: Edusp, 1992.
Pollak, Michael; Heinich, Nathalie. Le temoignage. Actes de la Recherche en Sciences sociales, Paris, v. 62, n. 1, 1986.
Ramos, Graciliano. Memórias do cárcere. 23. ed. Rio de Janeiro: Record, 1987, v. 1–2.
Ramos, Graciliano. Insônia. 24. ed. Rio de Janeiro: Record, 1994.
Rancière, Jacques. Políticas da escrita. Tradução de Raquel Ramalhete. Rio de Janeiro: 34, 1995.
Rancière, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. Tradução de Mônica Costa Netto. São Paulo: 34, 2009.
Sodré, Nelson Werneck. In: Ramos, Graciliano. Memórias do cárcere. Rio de Janeiro: Record, 1987, v. 1.
Publicado
2017-07-23
Como Citar
WALTY, I. Escritas das asperezas: uma leitura de "Memórias do cárcere", de Graciliano Ramos. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 25, p. 54-67, 23 jul. 2017.
Seção
Artigos