Marcelino Freire: ação política pela palavra

  • Maria Zilda Ferreira Cury Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
  • Gleidston Alis Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Palavras-chave: Marcelino Freire, espaço público, ironia, direitos, desigualdade social, papel do intelectual

Resumo

Marcelino Freire, contista notável da geração contemporânea da literatura brasileira, constrói um universo ficcional muito particular, no qual seus personagens — oriundos predominantemente das camadas marginalizadas da sociedade brasileira — colocam suas vozes em cena para escancarar nossas mazelas sociais. Isso se manifesta de forma muito especial no tocante à hipocrisia dos discursos acerca da universalidade dos direitos prescritos em lei, numa sociedade tão marcadamente desigual como a nossa. A ironia é estratégia discursiva importante para o autor nessa empreitada, e a violência parece ser um dos poucos recursos acessíveis para que as vozes evocadas por Marcelino invadam o espaço público, para o qual jamais seriam convidadas. Essas são as questões fundamentais debatidas neste artigo, nesses tempos em que o espaço público se retrai, o interesse comum é suplantado pelo interesse privado e até mesmo os direitos ainda sequer efetivamente garantidos são revogados em favor de privilégios.

Referências

Agamben, Giorgio. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua — I. Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2002.
Agamben, Giorgio. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009.
Almeida, Geruza Zelnys de. Oralidade e improviso em Marcelino Freire: ritmo, voz e subjetividade na leitura de “Totonha”. Signum, Londrina, v. 13, n. 2, p. 43–58, dez. 2010.
Alves, Castro. Obras completas de Castro Alves. São Paulo: José Olympio, 1938.
Arendt, Hannah. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2007.
Barbosa, João Alexandre. Prefácio. In: Freire, Marcelino. Angu de sangue. São Paulo: Ateliê, 2000.
Bauman, Zygmunt. Modernidade líquida. Tradução de Plínio Augusto de Souza. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.
Bauman, Zygmunt. Vidas desperdiçadas. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.
Bobbio, Norberto. A era dos direitos. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Campus, 1992.
Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988. Disponível em: . Acesso em: 11 mar. 2017.
Brasil. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 11 mar. 2017.
Chauí, Marilena. Direitos humanos e medo. In: Fester, A. C. Ribeiro. Direitos humanos e… São Paulo: Brasiliense, 1989.
Cury, Maria Zilda Ferreira; Walty, Ivete Lara Camargos. O intelectual e o espaço público. Revista da ANPOLL, Belo Horizonte, n. 26, p. 221–232, jul./dez. 2009.
Cury, Maria Zilda Ferreira. Intelectuais em cena. In: Cury, Maria Zilda Ferreira; Walty, Ivete Lara Camargos (Org.). Intelectuais e vida pública: migrações e mediações. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2008.
Foucault, Michel. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979.
Freire, Marcelino. Angu de sangue. São Paulo: Ateliê, 2000.
Freire, Marcelino. Balé ralé: 18 improvisos. 2. ed. São Paulo: Ateliê, 2003.
Freire, Marcelino. Contos negreiros. Rio de Janeiro: Record, 2005.
Freire, Marcelino. Rasif: mar que arrebenta. Rio de Janeiro: Record, 2008.
Freire, Marcelino. Amar é crime. São Paulo: Edith, 2010
Habermas, Jurgen. L’espace public. Tradução de Marc R. de Launay. Paris: Payot, 1993.
Hall, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Tradução de Adelaine La Guardia Resende et al. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.
Lipovetsky, Gilles. A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo. Barueri: Manole, 2005.
Noll, João Gilberto. Espumas e arrepios. In: Freire, Marcelino. Balé ralé: 18 improvisos. 2. ed. São Paulo: Ateliê, 2003.
Sudbrack, Umberto Guaspari. O extermínio de meninos de rua no Brasil. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 18, n. 1, jan./mar. 2004.
Wolton, Dominique. Pensar a comunicação. Tradução de Zélia Leal Adghirni. Brasília: Editora da UnB, 2004.
Publicado
2017-07-23
Como Citar
CURY, M. Z.; ALIS, G. Marcelino Freire: ação política pela palavra. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 25, p. 120-148, 23 jul. 2017.
Seção
Artigos