A estética da insurgência do coletivo Anarkofunk: a favela como espaço de luta e de desobediência

  • Luana Loria Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: favelas do Rio de Janeiro, estética anárquica, funk carioca

Resumo

O coletivo Anarkofunk é um grupo funk do Rio de Janeiro que se apropria da arte como meio de luta e de transformação. Isso se torna visível por meio das práticas artísticas engajadas e politizadas realizadas por esse coletivo que escolheu a periferia como lugar a partir do qual pretende transformar a sociedade por meio da insurgência e da desobediência civil. Através de uma estética anárquica, a periferia urbana vem apresentada, segundo o coletivo Anarkofunk, como o lugar que se coloca e luta contra o Estado e contra suas instituições, contra os modelos hegemônicos (classistas, hierárquicos e opressivos) que a depreciam; como lugar independente e autônomo, em que a rebelião e a revolução podem potencialmente ter ação, rompendo assim com qualquer tipo de diálogo institucional, e em que a violência funciona como instrumento de luta, destruição e regeneração. A análise relativa ao coletivo Anarkofunk será introduzida por uma breve contextualização do estilo musical do funk no contexto carioca.

Referências

Araujo, Marianna. Funk como manifestação cultural. Observatório de Favelas, Rio de Janeiro, 10 out. 2008. Disponível em: <https://goo.gl/k1m4X4>. Acesso em: 18 abr. 2017.

Carvalho, Adriana. A favela tem nome próprio: a (re)significação do local na linguagem do funk carioca. RBLA, Belo Horizonte, v. 9, n. 2, p. 369-390, 2009.

Carvalho, Paulo César. Arte engajada ou arte independente: that’s the question! Libertárias: arte e anarquia, São Paulo, n. 2, dez./jan. 1998.

Coletivo 28 de Maio. O que é uma ação estético-política? (um contramanifesto). Vazantes, Fortaleza, v. 1, n. 1, p. 192-200, 2017. Disponível em <http://periodicos.ufc.br/vazantes/article/view/20463/30900>. Acesso em: 15 fev. 2017.

Feltran, Gabriel. Periferias, direito e diferença: notas de uma etnografia urbana. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 53, n. 2, p. 565-610, 2010.

Feltran, Gabriel; Cunha, Neiva Vieira da (Org.). Sobre as periferias: novos conflitos no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Lamparina, 2013.

Fischer-Lichte, Erika. Estética de lo performativo. Madrid: Abadas, 2011.

Flor do Asfalto. Blog Okupa y Resiste, [S.l.], 29 set. 2011. Disponível em: <https://goo.gl/eh7Waz>. Acesso em: 22 mar. 2017.

Freire Filho, João; Herschmann, Micael. Mídia, pânico moral e o funk carioca. In: Freire Filho, João; Herschmann, Micael (Org.). Comunicação, Cultura & Consumo: a (des)construção do espetáculo contemporâneo. Rio de Janeiro: E-Papers, 2005. p. 241-254.

Gangsta Rap. Urban Dictionary. San Francisco, 2017. Disponível em: <https://goo.gl/28vxmz>. Acesso em: 18 abr. 2017.

Góes, Laércio Torres de. Contra-hegemonia e internet: Gramsci e a mídia alternativa dos movimentos sociais na web. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação da Região Nordeste, 9., Salvador, 7-9 jun. 2007. Anais... São Paulo: Intercom, 2007.

Gramsci, Antonio. Cadernos do cárcere. Organização de Carlos Nelson Coutinho, Luiz Sérgio Henriques e Marco Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. v. 3.

Hall, Stuart. Sin garantias: trayectorias y problemáticas en estudios culturales. Edición de Eduardo Restrepo, Catherine Walsh y Víctor Vich. Popayán: Envión, 2010.

Herschmann, Micael. O funk e o hip-hop invadem a cena. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2000.

Hikiji, Rose Satiko Gitirana; Caffé, Carolina. Artes da periferia: conflito em imagens, música e dança. In: Feltran, Gabriel; Cunha, Neiva Vieira da (Org.). Sobre as periferias: novos conflitos no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Lamparina, 2013.

Kropotkin, Piotr. Palavras de um revoltado. São Paulo: Ícone, 2005.

Lopes, Adriana Carvalho. Funk-se quem quiser: no batidão negro da cidade carioca. Rio de Janeiro: Bom Texto, 2011.

Lopes, Adriana Carvalho. A favela tem nome próprio: a (re)significação do local na linguagem do funk carioca. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 9, n. 2, p. 369-390, 2009.

Martins, Angela Maria Roberti. A rebeldia e a arte dos “malditos” anarquistas. Concinnitas, Rio de Janeiro, v. 1, n. 24, set. 2014.

Mizrahi, Mylene. A institucionalização do funk carioca e a invenção criativa da cultura. Antítese, Londrina, v. 6, n. 12, p. 855-864, jul./dez. 2013.

Rancière, Jacques. O que significa estética. Ymago Project, Lisboa, 2011. Disponível em: <http://www.proymago.pt/Ranciere-Txt-2>. Acesso em: 18 jan. 2017.

Russano, Rodrigo. Bota o fuzil pra cantar! O funk proibido no Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Música) — Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

Saudino, Leandro; Mageste, Rodolfo. Funkeiros de Irajá promovem “baile de corridor” sem violência. O Globo, Rio de Janeiro, 11 set. 2016. Disponível em <https://goo.gl/LosXuL>. Acesso em: 22 fev. 2017.

Thoreau, Henry David. Desobediência civil. [S.l.]: EbooksBrasil, [1849]1999. Disponível em: <https://goo.gl/WTiAPG>. Acesso em: 22 fev. 2017.

Vergara, Camile. Corpo transgressão: a violência traduzida nas performances do Coletivo Coiote, Bloco Livre Reciclato e Black Blocs. Cadernos de Arte e Antropologia, Salvador, v. 4, n. 2, p. 105-123, 2015.

Vianna, Hermano. O mundo do funk carioca. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988.

Publicado
2018-08-30
Como Citar
LORIA, L. A estética da insurgência do coletivo Anarkofunk: a favela como espaço de luta e de desobediência. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 27, p. 47-67, 30 ago. 2018.