Poder e submissão em "Com açúcar, com afeto" e "Mulheres de Atenas"
PDF

Palavras-chave

literatura
análise crítica
identidade
sociedade
mulher

Como Citar

KASPARI, T.; SARAIVA, J. A. Poder e submissão em "Com açúcar, com afeto" e "Mulheres de Atenas". Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, [S. l.], n. 29, p. 167–182, 2019. DOI: 10.24261/2183-816x1029. Disponível em: https://revistaveredas.org/index.php/ver/article/view/410. Acesso em: 25 abr. 2024.

Resumo

As condutas sociais da atualidade estão permeadas por relações de poder, cujas raízes se estendem no tempo. Frente a essa realidade, a ficção surge como "ato transgressor" (Iser, 1999), que pode estimular reconfigurações de papéis sociais. Sob essa perspectiva, o presente artigo analisa o processo estético de estruturação das canções "Mulheres de Atenas" e "Com açúcar, com afeto", de Chico Buarque, congregando-o à compreensão do momento da recepção do texto e do horizonte histórico de sua produção. O estudo — que considera, em especial, os pressupostos da Estética da Recepção (Jauss, 1983) — aponta que, em sua urdidura, as composições de Chico preveem um leitor ativo, atento aos não ditos (Eco, 1986) e às referências contextuais (Cortina, 2000) e, portanto, capaz de apreender a crítica sociocultural que emerge dos interstícios da enunciação lírica. Assim, transposta a camada superficial, os textos configuram-se como uma provocação séria e profunda à análise das condutas femininas e masculinas, tanto da sociedade brasileira da época de sua produção, quanto do período contemporâneo.

https://doi.org/10.24261/2183-816x1029
PDF
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2019 Tatiane Kaspari, Juracy Assmann Saraiva