Poder e submissão em “Com açúcar, com afeto” e “Mulheres de Atenas”

  • Tatiane Kaspari Feevale
  • Juracy Assmann Saraiva Universidade Feevale
Palavras-chave: literatura, análise crítica, identidade, sociedade, mulher

Resumo

As condutas sociais da atualidade estão permeadas por relações de poder, cujas raízes se estendem no tempo. Frente a essa realidade, a ficção surge como “ato transgressor” (Iser, 1999), que pode estimular reconfigurações de papéis sociais. Sob essa perspectiva, o presente artigo analisa o processo estético de estruturação das canções “Mulheres de Atenas” e “Com açúcar, com afeto”, de Chico Buarque, congregando-o à compreensão do momento da recepção do texto e do horizonte histórico de sua produção. O estudo — que considera, em especial, os pressupostos da Estética da Recepção (Jauss, 1983) — aponta que, em sua urdidura, as composições de Chico preveem um leitor ativo, atento aos não ditos (Eco, 1986) e às referências contextuais (Cortina, 2000) e, portanto, capaz de apreender a crítica sociocultural que emerge dos interstícios da enunciação lírica. Assim, transposta a camada superficial, os textos configuram-se como uma provocação séria e profunda à análise das condutas femininas e masculinas, tanto da sociedade brasileira da época de sua produção, quanto do período contemporâneo.

Biografia do Autor

Tatiane Kaspari, Feevale

Mestra e doutoranda em Processos e Manifestações Culturais, na Universidade Feevale, com bolsa PROSUC – Capes. Graduada em Letras (Licenciatura em Português), pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

Juracy Assmann Saraiva, Universidade Feevale

Doutora em Teoria Literária pela PUC/RS e Pós-Doutora em Teoria Literária pela UNICAMP. Professora e pesquisadora da Universidade Feevale e bolsista em produtividade do CNPq.

Referências

Barthes, Roland et al. Análise estrutural da narrativa. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1984.

Cortina, Arnaldo. O príncipe de Maquiavel e seus leitores: uma investigação sobre o processo de leitura. São Paulo: Editora da Unesp, 2000.

Eco, Umberto. Lector in fabula. São Paulo: Perspectiva, 1986.

Funari, Pedro Paulo. Grécia e Roma. Vida política e vida privada: cultura, pensamento e mitologia. Amor e sexualidade. São Paulo: Contexto, 2001.

Homem, Wagner. Histórias de canções: Chico Buarque. São Paulo: Leya, 2009.

Iser, Wolfgang. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. São Paulo: Ed. 34, 1999. v. 2.

Jauss, Hans Robert. A história da literatura como provocação à teoria literária. São Paulo: Ática, 1994.

Meneses, Adélia Bezerra de. Figuras do feminino na canção de Chico Buarque. São Paulo: Ateliê, 2001.

Salles, Catherine. Nos submundos da Antiguidade. São Paulo: Brasiliense, 1987.

Saraiva, Juracy Assmann et al. Literatura na escola: propostas para o Ensino Fundamental. Porto Alegre: Artmed, 2006.

Silva, Anazildo Vasconcelos da Silva. O protesto na canção de Chico Buarque. In: Fernandes, Rinaldo (Org.). Chico Buarque do Brasil: textos sobre as canções, o teatro e a ficção de um artista brasileiro. Rio de Janeiro: Garamond; Fundação Biblioteca Nacional, 2004.

Publicado
2019-05-10
Como Citar
KASPARI, T.; SARAIVA, J. A. Poder e submissão em “Com açúcar, com afeto” e “Mulheres de Atenas”. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 29, p. 167–182, 10 maio 2019.
Seção
Artigos