Representações de violência contra a mulher nos contos “Os negros olhos de Vivalma”, de Mia Couto, e “A cabeleireira”, de Inês Pedrosa

  • Aline Teixeira da Silva Lima Universidade de Brasília
Palavras-chave: representação, violência contra a mulher, Mia Couto, Inês Pedrosa

Resumo

O objetivo deste artigo é problematizar a representação da violência contra a mulher na literatura contemporânea, por meio da análise dos contos “Os negros olhos de Vivalma”, do escritor moçambicano Mia Couto, e “A cabeleireira”, da escritora portuguesa Inês Pedrosa. Pretende-se comparar, sob o viés dos estudos de gênero, tanto na autoria feminina quanto masculina, a representação da “mulher agredida” e o posicionamento das mesmas diante das situações de violência doméstica nas narrativas em questão.

Referências

Bernardes, Betina. Crime contra a mulher é cometido por parceiro. Folha de S. Paulo, São Paulo, p. 3, 3 mar. 1998.

Biroli, Flávia; Miguel, Luis Felipe. Feminismo e política. São Paulo: Boitempo, 2014.

Biroli, Flávia; Miguel, Luis Felipe. Teoria política feminista, hoje. In: Biroli, Flávia; Miguel, Luis Felipe (Org.). Teoria política feminista: textos centrais. Vinhedo: Horizonte, 2013.

Bourdieu, Pierre. A dominação masculina. São Paulo: BestBolso, 2014.

Brasil. Lei no 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da Constituição Federal... Diário Oficial da União, Brasília, 8 ago. 2006.

Cavacas, Fernanda. Brincriação vocabular. Lisboa: Mar Além; Instituto Camões, 1999.

Costa, Márcia Regina da; Lippi, Luzia Fátima B.; Oliveira, Isaura I. de M. C. e. Mortes violentas, vítimas e homicídios. Revista São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 9, n. 3, 1995. Disponível em: http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v09n03/v09n03_11.pdf.

Couto, Mia. Os negros olhos de Vivalma. In: Couto, Mia. Contos do nascer da Terra. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

Dantas-Berger, Sônia Maria; Giffin, Karen. A violência nas relações de conjugalidade: invisibilidade e banalização da violência sexual? Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 417-425, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v21n2/08.pdf. Acesso em: 18 ago. 2017.

Delbo, Charlotte. Days and memory. Vermont: Marlboro Press, 1990.

Gay, Roxane. Mala feminista. Madrid: Capitán Swing, 2016.

Jodelet, Denise. As representações sociais: um domínio em expansão. In: Jodelet, Denise (Org.). As representações sociais. Rio de janeiro: Eduerj, 2001. p. 14-44.

Langley, Roger; Levy, Richard C. Mulheres espancadas: fenômeno invisível. São Paulo: Hucitec, 1980.

Lauretis, Teresa de. A tecnologia do gênero. In: Hollanda, Heloísa Buarque de (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

Monteiro, Claudete Ferreira de Souza; Souza, Ivis Emilia de Oliveira. O. Vivência da violência conjugal: fatos do cotidiano. Psicologia e Sociedade. Florianópolis, v. 16, n. 1, p. 26-31, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072007000100003. Acesso em: 18 ago. 2017.

OPAS — Organización Panamericana de la Salud. Violencia contra la mujer: una prioridade de salud. Washington: División de Salud y Reproductiva; División de Salud y Desarrollo Humano, 1998.

Pedrosa, Inês. A cabeleireira. In: Pedrosa, Inês. Fica comigo esta noite. São Paulo: Planeta, 2007.

Ribeiro, Cristiane Galvão; Coutinho, Maria da Penha de Lima. Representações de mulheres vítimas de violência doméstica na cidade de João Pessoa-PB. Psicologia e Saúde, Paraíba, v. 3, n. 1, p. 52-59, 2011. Disponível em: http://www.gpec.ucdb.br/pssa/index.php/pssa/article/view/81/142. Acesso em: 18 ago. 2017.

Saffioti, Heleieth. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cadernos Pagu, Campinas, n. 16, p. 155-136, 2001.

Saffioti, Heleieth. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. 2. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1979.

Saffioti, Heleieth. Prefácio da edição brasileira. In: Langley, Roger; Levy, Richard C. Mulheres espancadas: fenômeno invisível. São Paulo: Hucitec, 1980.

Schmidt, Rita Terezinha. Refutações ao feminismo: (des)compassos da cultura letrada brasileira. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 14, n. 3, p. 765-799, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v14n3/a11v14n3.pdf. Acesso em: 18 ago. 2017.

Schraiber, Lilia Bilma et al. Violência dói e não é direito: a violência contra a mulher, a saúde e os direitos humanos. São Paulo: Editora da Unesp, 2005.

Schwab, Beatriz; Meireles, Wilza. Um soco na alma: relatos e análises sobre violência psicológica. Brasília: Logos 3, 2014.

Showalter, Elaine. Speaking of gender. New York; London: Routledge, 1989.

Walker, Lenore E. The battered woman syndrome. New York: Springer, 1999.

WHO — World Health Organization Global and regional estimates of violence against women: prevalence and health effects of intimate partner violence and non-partner sexual violence. Edited by Penny Howes. Geneve: WHO, 2013. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/85239/1/9789241564625_eng.pdf.

Publicado
2019-05-09
Como Citar
LIMA, A. T. DA S. Representações de violência contra a mulher nos contos “Os negros olhos de Vivalma”, de Mia Couto, e “A cabeleireira”, de Inês Pedrosa. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 29, p. 150–166, 9 maio 2019.
Seção
Artigos