As “Cartas Chilenas” do jornal Minerva Brasiliense e a murmuração da Corte no Segundo Reinado

  • Socorro de Fátima Pacífico Barbosa UFPB/CNPq
Palavras-chave: Cartas Chilenas, Minerva Brasiliense, Santiago Nunes Ribeiro, Sátira

Resumo

 Este trabalho é resultado de uma pesquisa – e seus desdobramentos – que teve início em 2007. A pesquisa tem como objeto e fonte primária os jornais e periódicos luso-brasileiros dos séculos XVIII e XIX e se fundamenta teórico-metodologicamente na História Cultural. Esta pesquisa considera que os periódicos não são apenas “arquivos” onde se publicaram os “clássicos” da literatura, mas condição determinante para a criação e a consolidação de alguns gêneros literários, o que implica em tomar este suporte como responsável tanto pela economia interna da linguagem, como pela divulgação e circulação da cultura escrita do 19 (Mckenzie, 2004).   Ademais, observa-se, nestes anos de pesquisa desenvolvida diretamente nos periódicos, que aos jornais e aos autores dos séculos XVIII até meados do XIX eram alheias algumas noções que embasaram e fomentaram as compilações e estudos sobre as Cartas Chilenas desde 1863, quando da sua primeira publicação em livro. Nasce aí a pergunta que sempre acompanhou esta sátira: “Quem é o autor”? Trata-se de uma abordagem da literatura e dos escritos literários baseados na individualização da escrita, na originalidade das obras e na canonização do autor, que não suportava a angústia de uma obra não ter um autor que lhe corresponda. Assim, tal qual fez-se e comprovou-se que a Epístola a Critilo não é obra de Tomás Antonio Gonzaga, mas uma publicação satírica publicada no Jornal Científico, Econômico, e Literário, ou Coleção de Várias Peças, Memórias, Relações, Viagens, Poesias, e Anedota (1826), cujo alvo são os desmandos de D. Pedro I (XXXX, 2013), este trabalho demonstrará como a sátira As Cartas Chilenas deve ser compreendido como um escrito de 1845, publicado no periódico Minerva Brasiliense, cuja temática corresponde à murmuração do corpo imperial, sobretudo aquele que se desenvolvia como atos discursivos nos jornais e periódicos de 1845 contra algumas decisões de D. Pedro II desde sua ascensão ao trono, através do Golpe da Maioridade ao perdão aos participantes da Revolução Farroupilha

Referências

A mulher do Simplício ou a fluminense exaltada. Rio de Janeiro, 23 dez. 1843. n. 76.

Antunes, Cristina. As edições de “Marilia de Dirceo”, de Tomás Antônio Gonzaga. 2017. Disponível em: https://www.bbm.usp.br/node/72#nota1. Acesso em: 26 fev. 2018.

Araújo, Carlos Eduardo Moreira de. Corrigindo os desviantes: a construção do sistema prisional no Brasil — Uma perspectiva comparativa. Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, século XIX. Atas do 3o Encontro Escravidão e liberdade no Brasil meridional, 2007. p. 6-13. Disponível em: http://www.escravidaoeliberdade.com.br/site/images/Textos3/corrigindo%20os%20desviantes.pdf. Acesso em: 26 fev.2018.

Autos de Devassa da Inconfidência Mineira. 2. ed. Brasília: Câmara dos Deputados; Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1976.

Barbosa, Socorro de Fátima P. A introdução às Cartas chilenas ou Epístola a Critilo e a murmuração da corte no primeiro reinado. Veredas, Santiago de Compostela, n. 19, p. 201-236, 2013.

Barbosa, Socorro de Fátima P. Romance e dissimulação na escrita dos periódicos luso-brasileiros do século XIX: Adelaide de Sargans, Asarce e Ismênia e Cartas de uma peruviana. Miscelânea, Assis, v. 18, p. 59-79, jul./dez. 2015.

Blake, Augusto Vitorino Sacramento. Dicionário biobibliográfico brasileiro. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1902. v. 7.

Cairo, Luis Roberto Velloso. Santiago Nunes Ribeiro e o Minerva Brasiliense. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 31, n. 4, p. 41-51, 1996.

Caldeira, Claudia Adriana Alves. Francisco de Paula Brito: política e imprensa. Revista Maracanã, Rio de Janeiro, v. 8, n. 8, p. 113-127, 2012.

Câmara, P. Perestrelo da. Coleção de provérbios, adágios, rifões anexins, sentenças morais e idiotismos da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Eduardo & Henrique Laemmert, 1848.

Carvalho, José Murilo de. A construção da ordem: a elite política imperial. O teatro das sombras. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

Correio Mercantil. Instrutivo, político, universal. Rio de Janeiro. 1852

Chartier, Roger. Cardenio entre Cervantes e Shakespeare. A história de uma peça perdida. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

Diário do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 1843.

Furtado, João Pinto. O manto de Penélope: história, mito e memória da Inconfidência Mineira de 1788-9. Companhia das Letras: São Paulo, 2002.

Furtado, Joaci Perreira. Uma república de leitores. História e memória na recepção das Cartas Chilenas (1845-1989). São Paulo: Hucitec, 1997.

Gama, Miguel do Sacramento Lopes. Lições de eloquência nacional. Rio de Janeiro: Tipografia de Francisco de Paula Brito, 1846. v. 1.

Hansen, João Adolfo. Prefácio. In. Furtado, Joaci Perreira. Uma república de leitores. História e memória na recepção das Cartas Chilenas (1845-1989). São Paulo: Hucitec, 1997.

Hansen, João Adolfo. A sátira e o engenho: Gregório de Matos e a Bahia do século XVII. 2. ed. São Paulo: Ateliê; Campinas: Editora da Unicamp, 2004.

Hodgart, Matthew. Satire. Origins and principles. New Jersey: Transaction Publishers, 2009.

Lapa, Manoel Rodrigues. Cartas chilenas. Tomás Antônio Gonzaga. Edição crítica de M. Rodrigues Lapa. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1957.

Lausberg, Heinrich. Elementos de retórica literária. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1972.

Lima, José Inácio Abreu e. Sinopse ou dedução cronológica dos factos mais notáveis da história do Brasil. Recife: Tipografia de M. M. Faria, 1845.

Luvizotto, Caroline Kraus. Cultura gaúcha e separatismo no Rio Grande do Sul. On-line. São Paulo: Editora UNESP; Cultura Acadêmica, 2009. Disponível em: https://goo.gl/i1vZ7X

Maxwell, Kenneth. A devassa da devassa. A Inconfidência Mineira: Brasil e Portugal (1750-1808). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2009.

Mckenzie, Donald Francia. Bibliography and the sociology of texts. In: Mckenzie, Donald Francia. Bibliography and the sociology of texts. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

Minerva Brasiliense Biblioteca Brasílica. Rio de Janeiro, 1845a. n. 8.

Minerva Brasiliense Biblioteca Brasílica. Rio de Janeiro, 1845b. n. 12.

Moraes, Alexandre Jose de Mello. Corografia histórica, cronográfica, genealógica, nobiliária e política do Império do Brasil (1858-1860). Rio de janeiro: Tipografia Brasileira, 1858. Tomo III.

Pesavento, Sandra Jatahy. A revolução farroupilha. São Paulo: Brasiliense, 2003.

Proença Filho, Domício (Org.). A poesia dos Inconfidentes: poesia completa de Cláudio Manuel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga e Alvarenga Peixoto. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1996.

Reis, Sérgio Ricardo Magalhães. Casa de Correção da Corte: verso e anverso de um projeto de ordem e civilização. Dissertação (Mestrado em História Política) — Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

Schwartz, Lilia Moritz. As barbas do Imperador. D. Pedro II, um monarca nos trópicos. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

Silva, Joaquim Norberto de Sousa e. Dirceu de Marília. Liras atribuídas à Senhora DMJD de S (Natural de Vila Rica). Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, s/d. Disponível em: http://objdigital.bn.br/Acervo_Digital/Livros_eletronicos/dirceu_de_marilia.pdf

Teixeira, Ivan. Mecenato pombalino e poesia neoclássica. Basílio da Gama e a poética do encômio. São Paulo: Edusp, 1999.

Villalta, Luiz Carlos. Reformismo ilustrado, censura e práticas de leitura: Usos do livro na América Portuguesa. São Paulo: FFLCH, 1999.

Publicado
2019-05-08
Como Citar
BARBOSA, S. DE F. P. As “Cartas Chilenas” do jornal Minerva Brasiliense e a murmuração da Corte no Segundo Reinado. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 29, p. 53-78, 8 maio 2019.
Seção
Artigos