O sexo dos tubarões, de Naná DeLuca, ou uma escrita que faz delirar
Capa Veredas n. 30
PDF

Palavras-chave

literatura menor
literatura saúde
devir-outro
trânsito identitário
Naná DeLuca

Como Citar

CHAVES, L. A. O sexo dos tubarões, de Naná DeLuca, ou uma escrita que faz delirar. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, [S. l.], n. 30, p. 178–190, 2019. DOI: 10.24261/2183-816x1230. Disponível em: https://revistaveredas.org/index.php/ver/article/view/476. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

Analisaremos o romance O sexo dos tubarões, de Naná DeLuca (2017), a partir dos conceitos de literatura menor, desenvolvido pelos teóricos Gilles Deleuze e Félix Guattari (1977), e de literatura como vida/saúde, discutido por Gilles Deleuze (1997). Chaves de leitura que nos parecem apropriadas para analisar uma arquitetura que desterritorializa a língua maior — o português brasileiro, territorializada no padrão cisgênero heteronormativo — para narrar o conto de um trânsito identitário: o de criança para tubarão, animal estigmatizado e monstrificado pelo olhar humano. Trata-se de uma arquitetura narrativa cujo caso individual, aumentado microscopicamente, revela um povo que se agita por meio de um potente alegoria, que aos moldes deleuzianos, se constitui numa potente "máquina de expressão" numa sociedade LGBTfóbica.

https://doi.org/10.24261/2183-816x1230
PDF
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2019 Leocádia Aparecida Chaves