Luto e escrita no diário de Walmir Ayala
PDF

Palavras-chave

Walmir Ayala
diário
morte

Como Citar

FORTUNA, D. R. Luto e escrita no diário de Walmir Ayala. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, [S. l.], n. 29, p. 79–94, 2019. DOI: 10.24261/2183-816x0529. Disponível em: https://revistaveredas.org/index.php/ver/article/view/483. Acesso em: 25 abr. 2024.

Resumo

Este artigo analisa os três volumes do diário do escritor Walmir Ayala — escritos no final dos anos 1950 e publicados nas décadas de 1960 e 1970 —, principalmente no que diz respeito à sua relação com a morte. Com uma vasta obra, atualmente pouco conhecida do grande público, Ayala lançou diversos livros, entre romances, contos, coletâneas de poesia e peças de teatro. Sua escrita é marcada por um intenso interesse pela morte. Tal interesse parece ter relação com a perda de sua mãe, que morreu quando ele tinha apenas quatro anos. Em seus escritos, o próprio escritor revela que a perda de sua mãe teve uma importância crucial na sua trajetória. Esta perda é evidente em vários trechos de seu diário. Organizado em trechos fragmentados — como é comum nesse tipo de obra —, o diário apresenta inúmeros trechos nos quais o autor trata de solidão e luto. Antes de analisar o diário, porém, apresentamos um breve resumo da vida do escritor. Em seguida, abordamos a questão da morte, explicitando como a sociedade lida com ela atualmente. Posteriormente, refletimos sobre o caráter abjeto da morte. Por fim, tratamos do diário de Walmir Ayala. Dividido em três volumes, que somam quase quatrocentas páginas, a obra revela o estreito vínculo do escritor com a morte. Como referencial teórico, são utilizadas, principalmente, as obras de Ariès (2013), Kristeva (1982) e Rodrigues (1983).

https://doi.org/10.24261/2183-816x0529
PDF

Referências

Ariès, Philippe. O homem diante da morte. Tradução de Luiza Ribeiro. São Paulo: Editora da Unesp, 2013.

Ayala, Walmir. Balada. Casa do Bruxo, [S.l.], [s.d.]. On-line. Disponível em: http://www.casadobruxo.com.br/poesia/w/balada.htm. Acesso em: 13 dez. 2017.

Ayala, Walmir. Diário I — Difícil é o reino. Rio de Janeiro: GRD, 1962.

Ayala, Walmir. Diário II — O visível amor. Rio de Janeiro: José Alvaro, 1963.

Ayala, Walmir. Diário III — A fuga do arcanjo. Rio de Janeiro: Brasília, 1976.

Ayala, Walmir. Viola. Disponível em: https://www.poetris.com/sonetos/walmir-ayala. Acesso em: 20 set. 2018.

Barthes, Roland. Diário de luto. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

Chiara, Ana Cristina. Barthes com Lacan: o fantasma do desejo no Diário de luto. Revista Trama Interdisciplinar, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 52-57, 2014.

Chiara, Ana Cristina. Pedro Nava, um homem no limiar. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001.

Foucault, Michel. O que é um autor. Tradução de Antônio Fernando Cascais, Eduardo Cordeiro. Lisboa: Vega, 1992.

Freud, Sigmund. Luto e melancolia. Tradução de Marilene Carone. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

Kristeva, Julia. Powers of horror. Tradução de Leon S. Roudiez. Nova York: Columbia University Press, 1982.

Lejeune, Phillipe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Tradução de Jovida Maria Gerheim Noronha e Maria Ines Coimbra Guedes. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2014.

Mcafee, Noëlle. Julia Kristeva. Nova York; Londres: Routledge, 2004.

Paixão, Roseane Cristina da. Quando a arte imita a vida: ficção e memória nos diários de Lucio Cardoso e Walmir Ayala. Dissertação (Mestrado em Letras) — Universidade Federal de São João Del Rey, São João Del Rey, 2011.

Rodrigues, José Carlos. Tabu da morte. Rio de Janeiro: Achiamé, 1983.

Santos, Daniele Ribeiro dos. Do realismo sujo ao realismo vazio: um estudo comparativo entre a ficção de Rubem Fonseca e Pedro Juan Gutiérrez. (Doutorado em Letras) —Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2019 Daniele Ribeiro Fortuna