Luto e escrita no diário de Walmir Ayala

  • Daniele Ribeiro Fortuna Universidade do Grande Rio
Palavras-chave: Walmir Ayala, diário, morte

Resumo

Este artigo analisa os três volumes do diário do escritor Walmir Ayala — escritos no final dos anos 1950 e publicados nas décadas de 1960 e 1970 —, principalmente no que diz respeito à sua relação com a morte. Com uma vasta obra, atualmente pouco conhecida do grande público, Ayala lançou diversos livros, entre romances, contos, coletâneas de poesia e peças de teatro. Sua escrita é marcada por um intenso interesse pela morte. Tal interesse parece ter relação com a perda de sua mãe, que morreu quando ele tinha apenas quatro anos. Em seus escritos, o próprio escritor revela que a perda de sua mãe teve uma importância crucial na sua trajetória. Esta perda é evidente em vários trechos de seu diário. Organizado em trechos fragmentados — como é comum nesse tipo de obra —, o diário apresenta inúmeros trechos nos quais o autor trata de solidão e luto. Antes de analisar o diário, porém, apresentamos um breve resumo da vida do escritor. Em seguida, abordamos a questão da morte, explicitando como a sociedade lida com ela atualmente. Posteriormente, refletimos sobre o caráter abjeto da morte. Por fim, tratamos do diário de Walmir Ayala. Dividido em três volumes, que somam quase quatrocentas páginas, a obra revela o estreito vínculo do escritor com a morte. Como referencial teórico, são utilizadas, principalmente, as obras de Ariès (2013), Kristeva (1982) e Rodrigues (1983).

Referências

Ariès, Philippe. O homem diante da morte. Tradução de Luiza Ribeiro. São Paulo: Editora da Unesp, 2013.

Ayala, Walmir. Balada. Casa do Bruxo, [S.l.], [s.d.]. On-line. Disponível em: http://www.casadobruxo.com.br/poesia/w/balada.htm. Acesso em: 13 dez. 2017.

Ayala, Walmir. Diário I — Difícil é o reino. Rio de Janeiro: GRD, 1962.

Ayala, Walmir. Diário II — O visível amor. Rio de Janeiro: José Alvaro, 1963.

Ayala, Walmir. Diário III — A fuga do arcanjo. Rio de Janeiro: Brasília, 1976.

Ayala, Walmir. Viola. Disponível em: https://www.poetris.com/sonetos/walmir-ayala. Acesso em: 20 set. 2018.

Barthes, Roland. Diário de luto. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

Chiara, Ana Cristina. Barthes com Lacan: o fantasma do desejo no Diário de luto. Revista Trama Interdisciplinar, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 52-57, 2014.

Chiara, Ana Cristina. Pedro Nava, um homem no limiar. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001.

Foucault, Michel. O que é um autor. Tradução de Antônio Fernando Cascais, Eduardo Cordeiro. Lisboa: Vega, 1992.

Freud, Sigmund. Luto e melancolia. Tradução de Marilene Carone. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

Kristeva, Julia. Powers of horror. Tradução de Leon S. Roudiez. Nova York: Columbia University Press, 1982.

Lejeune, Phillipe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Tradução de Jovida Maria Gerheim Noronha e Maria Ines Coimbra Guedes. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2014.

Mcafee, Noëlle. Julia Kristeva. Nova York; Londres: Routledge, 2004.

Paixão, Roseane Cristina da. Quando a arte imita a vida: ficção e memória nos diários de Lucio Cardoso e Walmir Ayala. Dissertação (Mestrado em Letras) — Universidade Federal de São João Del Rey, São João Del Rey, 2011.

Rodrigues, José Carlos. Tabu da morte. Rio de Janeiro: Achiamé, 1983.

Santos, Daniele Ribeiro dos. Do realismo sujo ao realismo vazio: um estudo comparativo entre a ficção de Rubem Fonseca e Pedro Juan Gutiérrez. (Doutorado em Letras) —Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

Publicado
2019-05-08
Como Citar
FORTUNA, D. R. Luto e escrita no diário de Walmir Ayala. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 29, p. 79-94, 8 maio 2019.
Seção
Artigos