A formação afetiva e literária de José Saramago em As pequenas memórias

  • Berttoni Licarião
Palavras-chave: memória, infância, autobiografia, autoria, José Saramago

Resumo

“Tudo é autobiografia”, escreveu certo dia José Saramago. Tendo em vista o complexo edifício teórico que Saramago construiu para sua própria obra, buscamos compreender qual seria a contribuição daquele exercício memorialístico dentro de um conjunto ficcional já considerado e defendido pelo autor como expressão de si mesmo. Amparado por Gaston Bachelard, Philippe Lejeune, Georges Gusdorf e Paul de Man no que se refere à memória, à infância e à escrita autobiográfica, este artigo realiza uma leitura de As pequenas memórias como o “tempo de germinação” dos temas, enredos e personagens que se tornariam marca da ficção produzida pelo autor.

Referências

Aguilera, Fernando Gómez. José Saramago. A consistência dos sonhos — Cronobiografia. Lisboa: Caminho, 2008.

Aguilera, Fernando Gómez. As palavras de Saramago. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

Arias, Juan. José Saramago: o amor possível. Tradução de Rubia Prates Goldoni. Rio de Janeiro: Manati, 2003.

Arnaut, Ana Paula. José Saramago. Lisboa: Edições 70, 2008.

Bachelard, Gaston. A poética do devaneio. Tradução de Antonio Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

Blanchot, Maurice. O livro por vir. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

Compagnon, Antoine. O trabalho da citação. Tradução de Cleonice P. B. Mourão. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2007.

De Man, Paul. Autobiografia como des-figuração. Tradução de Joca Wolff. Sopro (Panfleto Político-Cultural), Florianópolis, n. 71, maio 2012. On-line. Disponível em: http://www.culturaebarbarie.org/sopro/outros/autobiografia.html.

Dosse, François. O desafio biográfico: escrever uma vida. Tradução de Gilson César Cardoso de Souza. São Paulo: Editora da USP, 2009.

Gusdorf, Georges. Condiciones y límites de la autobiografia. Anthropos: Boletín de información y documentación, Barcelona, n. 29, esp., p. 9-18, dez. 1991.

Lejeune, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à internet. Tradução de Jovita Maria Gerheim Noronha. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

Marqes, Carlos Vaz. José Saramago. In: Marqes, Carlos Vaz. As palavras não se afogam ao atravessar o Atlântico. Rio de Janeiro: Tinta da China, 2015.

Mendes, Miguel Gonçalves. José e Pilar: conversas inéditas. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

Reis, Carlos. Diálogos com José Saramago. Lisboa: Caminho, 1998.

Saramago, José. Cadernos de Lanzarote. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

Saramago, José. O autor como narrador. Revista Ler, n. 38, p. 36-41, 1997.

Saramago, José. Cadernos de Lanzarote II. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

Saramago, José. As pequenas memórias. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

Saramago, José. “As pequenas memórias” — Entrevista. Visão: Jornal de Letras, Lisboa, n. 937, 30 ago. 2006.

Saramago, José. O caderno: textos escritos para o blog (setembro 2008 — março de 2009). São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

Saramago, José. Deste mundo e do outro. Lisboa: Caminho, 2010.

Saramago, José. Discursos de Estocolmo. Lisboa: Fundação José Saramago, 2012.

Saramago, José. A estátua e a pedra. Lisboa: Fundação José Saramago, 2013.

Silva, João Céu e. Uma longa viagem com José Saramago. Lisboa: Porto, 2009.

Publicado
2019-01-30
Como Citar
LICARIÃO, B. A formação afetiva e literária de José Saramago em As pequenas memórias. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 28, p. 47-61, 30 jan. 2019.
Seção
Artigos