Ficção como crítica: notas sobre o exercício crítico-teórico no romance brasileiro recente

  • Igor Ximenes Graciano
Palavras-chave: ficção, crítica, romance contemporâneo

Resumo

Pretendemos, neste artigo, fazer alguns apontamentos a respeito do exercício da crítica em romances brasileiros recentes com o fim de investigar como se dá o trabalho crítico em um âmbito que, a princípio, não lhe é propício, dado o distanciamento normalmente desejado entre narrador ficcional e autor empírico. Trata-se, portanto, de investigar o duplo caráter dessas narrativas, que são objetos acabados, no sentido estático (e estético) de “obra”, e afirmação de uma assinatura, no sentido dinâmico (e crítico) de peças retóricas imbuídas de marcar ou defender um lugar no atual campo literário brasileiro.

Referências

Alberca, Manuel. El pacto ambiguo. De la novela biográfica a la autoficción. Madrid: Biblioteca Nueva, 2007.

Bakhtin, Mikhail. Epos e romance (sobre a metodologia do estudo do romance) In: Bakhtin, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. 6. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

Bornhein, Gerd. As dimensões da crítica. In: Martins, Maria Helena (Org.). Rumos da crítica. 2. ed. São Paulo: Senac; Itaú Cultural, 2007.

Bourdieu, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. Tradução de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

Dalcastagnè, Regina. A personagem no romance brasileiro contemporâneo. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 26, p. 13-71, 2005.

Fux, Jacques. Antiterapias. Belo Horizonte: Scriptum, 2014.

Graciano, Igor Ximenes. O sujeito-escritor e as transformações no campo literário: o caso Cristovão Tezza. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 43, p. 277-291, 2014. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/10774

Lejeune. Philipe. O pacto autobiográfico. Organização de Jovita Maria Gerheim Noronha; Tradução de Jovita Maria Gerhein, Maria Inês Coimbra. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2008.

Lima, Luiz. Sociedade e discurso ficcional. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

Lísias, Ricardo. Divórcio. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013.

Ludmer, Josefina. Literaturas postautónomas. Ciberletras, New York, n. 17, 2007. On-line. Disponível em: http://www.lehman.cuny.edu/ciberletras/v17.html

Maingueneau, Dominique. Pragmática para o discurso literário. São Paulo: Contexto, 1996.

Mello, Maria Elizabeth Chaves de. Lições de crítica: conceitos europeus, crítica literária e literatura crítica no Brasil do século XIX. Niterói: Eduff, 1997.

Piglia, Ricardo. La lectura da la ficción. In: Piglia, Ricardo. Crítica e ficción. Barcelona: Anagrama, 2006.

Sant’anna, Sérgio. Um crime delicado. Companhia das Letras: São Paulo, 1997.

Stevenson, Robert Louis. O médico e o monstro: o estranho caso de dr. Jekill e sr. Hyde. Tradução de Jorio Dauster. Prefácio de Luiz Alfredo Garcia-Roza; introdução e notas de Robert Mighall. São Paulo: Penguin Classics; Companhia das Letras, 2015.

Tezza, Cristovão. O filho eterno. 6. ed. Rio de Janeiro: Record, 2008.

Updike, John. Prefácio In: Updike, John. Bem perto da costa. Tradução de Carlos Afonso Malferrari. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 29, p. 5–19, jan./jun. 2018

Wellek, René. Termo e conceito de crítica literária. In: Wellek, René. Conceitos de crítica. Tradução de Oscar Mendes. São Paulo: Cultrix, 1970. p. 29-41.

Publicado
2019-05-09
Como Citar
GRACIANO, I. X. Ficção como crítica: notas sobre o exercício crítico-teórico no romance brasileiro recente. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 29, p. 5-19, 9 maio 2019.
Seção
Artigos