De Suze a Suzy: as cocottes de António Patrício e Manoel de Oliveira

  • Paulo Alexandre Cardoso Pereira
Palavras-chave: conto, António Patrício, Manoel de Oliveira, cocotte, Decadentismo, teatralidade

Resumo

Integrado na coletânea Serão inquieto (1910), de António Patrício, o conto “Suze” tem sido unanimemente considerado como uma obra-prima do género. Neste artigo, são, num primeiro momento, examinadas as estratégias de composição do retrato da cocotte, protagonista do conto, correlacionando-as com a mitologia contrapolar do feminino que a literatura finissecular ajudou a difundir. De seguida, propõe-se o confronto da narrativa de Patrício com a sua adaptação cinematográfica por Manoel de Oliveira que, no filme Inquietude (1998), o converte numa das histórias de um tríptico narrativo. Apesar do que manifestamente as afasta, nas cocottes de Patrício e de Oliveira torna-se ostensiva uma idêntica pulsão de autoencenação que se traduz numa contaminação dramática tanto do conto, como do filme.

Referências

Araújo, Nélson Agostinho Marques. A arquitectura do plano oliveiriano. 2010. Tese (Mestrado em Estudos Artísticos) — Universidade do Porto, Faculdade de Belas Artes. 2010.

Correia, Antonio Augusto Esteves Mendes. O genio e o talento na pathologia. Porto: Imprensa Portugueza, 1911.

Costa, João Bénard da. Pedra de toque: o dito eterno feminino na obra de Manoel de Oliveira. Revista Camões, Lisboa, n. 12-13, p. 6-37, 2001.

Ferreira, Carolin Overhoff. Entre a transgressão e a afirmação da Lei do Pai: algumas protagonistas do cinema português nos anos noventa. In: Toscano, Ana

Maria da Costa; Godsland, Shelly (Org.). Mulheres más: percepção e representações da mulher transgressora no mundo luso-hispánico. Porto: Universidade Fernando Pessoa, 2004, p. 103-120.

Inqietude. Realização: Manoel de Oliveira. Intérpretes: Isabel Ruth, José Pinto, Leonor Silveira, Luís Miguel Cintra et al. Portugal/França/Espanha/Suíça: Madragoa Filmes, 1998. DVD.

Kermabon, Jacques. Le petit théâtre d’Oliveira. Cinéma et Engagement, Paris, v. 2, n. 93-94, p. 38-39, outono 1998.

Litvak, Lily. Erotismo fin de siglo. Barcelona: Antoni Bosch, 1979.

Lopes, Teresa Rita. Pessoa inédito. Lisboa: Horizonte, 1993.

Marzel, Shoshana-Rose. Le langage de la prostituée dans le roman du dixneuvième siècle. In: Actes du Congrès Le XIXe siècle et ses langues. Société des Etudes Romantiques et Dix-neuvièmistes (SERD). Paris, p. 1-10, 2012. Disponível em: http://etudes-romantiques.ish-lyon.cnrs.fr/wa_files/Langues-Marzel.pdf. Acesso em: 9 jan. 2018.

Morão, Paula. Salomé e outros mitos. O feminino perverso em poetas portugueses entre o fim-de-século e Orpheu. Lisboa: Cosmos, 2001.

Mourão-Ferreira, David. António Patrício: da época à obra. In: Mourão-Ferreira, David. Sob o mesmo tecto. Estudos sobre autores de língua portuguesa. Lisboa: Presença, 1989. p. 59-78.

Parsi, Jacques. Inquiétude. L’art du cinéma (Manoel de Oliveira), Paris, n. 21-22-23, p. 162-168, outono 1998.

Patrício, António. Serão inquieto. Lisboa: Assírio & Alvim, 2012.

Pereira, José Carlos Seabra. António Patrício — Entre a emoção e a ironia. Máthesis, Viseu, v. 4, p. 117-148, 1995.

Preto, António. Manoel de Oliveira: o cinema inventado à letra. Porto: Fundação de Serralves, 2008.

Reis, Carlos. Pessoas de livro. Estudos sobre a personagem. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2015.

Rosa, Armando Nascimento. As máscaras nigromantes. Uma leitura do teatro escrito de António Patrício. Lisboa: Assírio & Alvim, 2003.

Publicado
2019-05-09
Como Citar
PEREIRA, P. A. C. De Suze a Suzy: as cocottes de António Patrício e Manoel de Oliveira. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 29, p. 113-123, 9 maio 2019.
Seção
Artigos