O Mecanismo Educacional nos romances A Cidade e os cachorros de Mario Vargas Llosa, Manhã submersa de Vergílio Ferreira e O Ateneu de Raul Pompéia

  • Ana Carolina Rhormens de Santana Universidade de São Paulo (USP)
  • Caio Gagliardi
Palavras-chave: Raul Pompéia, Vergílio Ferreira, Vargas Llosa, educação, internato, instituição total, disciplina, panoptismo, repressão

Resumo

Este artigo pretende analisar o mecanismo educacional implementado pelos internatos escolares de três romances – A Cidade e os cachorros (1963) de Mario Vargas Llosa, Manhã submersa (1954) de Vergílio Ferreira e O Ateneu (1888) de Raul Pompéia. O objetivo é examinar como as particularidades dos coercitivos métodos adotados pelos dirigentes dessas instituições podem ser tomadas como variações de um mesmo sistema de controle disciplinar, o qual, utilizando a medida da vigilância panóptica, uma rotina de exercícios repetitivos e exaustivos e leis próprias de premiação e punição, visa moldar o comportamento do interno, induzindo-o a um tal estado de alienação que aplaque a sua capacidade de diferenciação e de contestação. Prevê-se ainda explorar, mais especificamente, as implicações da postura autoritária e arbitrária dos educadores desses romances para a formação integral dos alunos protagonistas, uma vez que a prioridade parece ser a de assegurar a imagem do colégio e seus próprios interesses.

Biografia do Autor

Ana Carolina Rhormens de Santana, Universidade de São Paulo (USP)

Mestra na área de Literatura Portuguesa pelo Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Caio Gagliardi

Professor Doutor na área de Literatura Portuguesa do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Realizou Pós-Doutorado no Dipartimento di Studi Europei, Americani e Interculturali da Università degli Studi di Roma "La Sapienza" (UNIROMA), Roma, RM, Itália, e no Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Referências

Almeida, Bruna Gisi Martins de. A experiência da internação entre adolescentes: práticas punitivas e rotinas institucionais. 2010. Dissertação (Mestrado em Sociologia) –Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

Benelli, Silvio José. A instituição total como agência de produção de subjetividade na sociedade disciplinar. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 21, n. 3, p. 237-252, set./dez. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v21n3/v21n3a08.pdf. Acesso em: 05 maio 2019.

Borges, Abílio César. A nova lei do ensino infantil pelo Barão de Macahubas. Bruxelas: Typographia e litographia E. Guyot, 1884.

Bosi, Alfredo. O Ateneu, opacidade e destruição. Céu, Inferno: ensaios de crítica literária e ideológica. São Paulo: Ática, 1988. p. 33-57.

Cruz, Ana Carolina de Picoli de Souza. O Ateneu, uma claustrotopia: espaço de discursos modeladores. 2010. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários) – Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2010.

Ferreira, Vergílio. Manhã submersa. Lisboa: Quetzal, 1954/2008.

Foucault, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

Gagliardi, Caio. Singularidades em Raul Pompéia: o homem, a escola, o romance. In: Pompéia, Raul. O Ateneu: crônica de saudades. São Paulo: Hedra, 1888/2008. p. 9-38.

Goffman, Erving. Manicômios, prisões e conventos. Tradução de Dante Moreira Leite. São Paulo: Perspectiva, 2010.

Júlio, Maria Joaquina Nobre. O discurso de Vergílio Ferreira como questionação de Deus: ensaio interdisciplinar. Lisboa: Edições Colibri, 1996.

Laso, José Luís Gavilanes. Vergílio Ferreira: espaço simbólico e metafísico. Tradução de António José Massano. Lisboa: Dom Quixote, 1989.

Llosa, Mario Vargas. A Cidade e os cachorros. Tradução de Samuel Titan Jr. Rio de Janeiro: Objetiva, 1963/2007.

Muricy, Katia. Os olhos do poder. In: Novaes, Adauto (org.). O Olhar. São Paulo: Companhia das Letras, 1988. p. 479-486.

Papoula, Talita. Manhã submersa ou as vozes do silêncio: a propósito de um romance de Vergílio Ferreira. Revista Eutomia, Recife, v. 1, n. 3, p. 517-530, 2009. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/EUTOMIA/article/view/1904. Acesso em: 12 jul. 2019.

Pompéia, Raul. O Ateneu: Crônica de Saudades. São Paulo: Hedra, 1888/2008.

Quintale Neto, Flavio. Ideias estéticas e filosóficas nos romances O Ateneu, de Raul Pompéia, e Die Verwirrungen des Zöglings Törless, de Robert Musil. 2007. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

Santos, Graça dos. O seminário, escola dos pobres, em Manhã submersa (1953), de Vergílio Ferreira. Comunicação & Educação, a. 14, n. 3, p. 63-72, set./dez. 2009. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/43632/47254. Acesso em: 05 maio 2019.

Santos, Manoel Isaú Souza Ponciano dos. Luz e Sombras: Internatos no Brasil. São Paulo: Salesianas, 2000.

Shaw, Donald Leslie. El Boom. In: SHAW, Donald Leslie. Nueva narrativa hispano americana: boom. posboom. posmodernismo. Madrid: Cátedra, 1999. p. 99-158.

Spíndola, Pablo. A arte e o ofício de historiar: Foucault e a invenção do panoptismo. 2010. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

Univesp. No Império chega o ensino secundário. 13 jul. 2010. (9m56s). Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=mNMvgOHkDPA. Acesso em: 05 maio 2019.

Valdez, Diane. Mens sana in corpore sano: os colégios de Dr. Abílio César Borges, o Barão das Macahubas. História, Sociedade e Educação no Brasil. [on-line] Campinas, 2012. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/navegando/artigos_frames/artigo_037.html. Acesso em: 05 maio 2019.

Publicado
2021-03-01
Como Citar
SANTANA, A.; GAGLIARDI, C. O Mecanismo Educacional nos romances A Cidade e os cachorros de Mario Vargas Llosa, Manhã submersa de Vergílio Ferreira e O Ateneu de Raul Pompéia. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 32, p. 147-164, 1 mar. 2021.