O direito à literatura afro-brasileira

Palavras-chave: Direitos humanos e literatura no Brasil, o direito à literatura afro-brasileira, aspectos da cultura brasileira contemporânea

Resumo

Os primeiros registros da literatura de autoria negra no Brasil datam do início da segunda metade do século XIX, sendo os seus precursores Luiz Gama (1830-1882), com a publicação de suas Primeiras trovas burlescas de Getulino, em 1859, na cidade de São Paulo, e Maria Firmina dos Reis (1822-1917), com a publicação do romance Úrsula, também em 1859, na cidade de São Luís do Maranhão. Contudo, até hoje, mesmo tendo se passado cerca de 160 anos da publicação primeira dessas obras inaugurais, tantos os autores quanto seus escritos continuam sendo desconhecidos pela maioria da nossa população. Se o acesso à literatura deve ser entendido como um direito básico de todos os seres humanos, como sugeriu Antonio Candido em seu clássico ensaio O direito à literatura, por que determinadas vertentes da nossa criação literária, como a literatura afro-brasileira, por exemplo, continuam sendo renegadas por uma parcela considerável da nossa Academia, ignoradas pelos grandes conglomerados do mercado editorial brasileiro ou mesmo desprestigiadas em meio à crítica e ao público leitor? Se a literatura é, de fato, um direito fundamental de todos os indivíduos, afinal, de qual literatura estamos tratando? Tomando esses questionamentos como ponto de partida, o presente artigo tem como objetivo refletir sobre a relação existente entre a formação do cânone literário brasileiro, o racismo e o sexismo que assolam o conjunto da nossa sociedade, buscando, num primeiro momento, dialogar com as ideias do sociólogo e crítico literário contidas em seu ensaio, para, logo em seguida, reavaliar o alcance e os sentidos possíveis desse direito fundamental.

Biografia do Autor

Rafael Balseiro Zin, Doutorando em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Rafael Balseiro Zin é sociólogo (MTB 2204/SP), com especialização em Estudos Brasileiros: sociedade, educação e cultura. Possui graduação em Sociologia e Política (2012), pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo; mestrado em Ciências Sociais (2016), pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; e, atualmente, é doutorando em Ciências Sociais, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, onde participa, como pesquisador, do Núcleo de Estudos em Arte, Mídia e Política (Neamp). Tem experiência nas áreas de Pensamento Social Brasileiro, Estudos Culturais e Estudos Literários, atuando, principalmente, com os seguintes temas: trajetória intelectual dos escritores negros no Brasil; literatura abolicionista escrita por mulheres no Brasil dos oitocentos; literatura afro-brasileira e resistência; formação do cânone literário brasileiro, racismo e sexismo; e sociologia das relações raciais no Brasil.

Referências

Candido, Antonio. Direitos humanos e literatura. In: Fester, Antonio Carlos Ribeiro (org.). Direitos humanos e... São Paulo: Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo/Editora Brasiliense, 1988, s/p.

Candido, Antonio. O direito à literatura. In: Candido, Antonio. Vários escritos. 5 ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 1988/2011, p. 171-193.

Cuti [Luiz Silva]. Literatura negro-brasileira. São Paulo: Selo Negro, 2010.

Dalcastagnè, Regina. A personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990-2004. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 26, p. 13-71, jul./dez. 2005.

Dalcastagnè, Regina. A personagem negra na literatura brasileira contemporânea. In: Duarte, Eduardo de Assis; Fonseca, Maria Nazareth Soares (orgs.). Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. Vol. 4: História, teoria, polêmica. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2011. p. 309-337.

Dalcastagnè, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Editora Horizonte; Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 2012.

Duarte, Eduardo de Assis. Literatura afro-brasileira. In: Silva, Cidinha da (org.). Africanidades e relações raciais: insumos para políticas públicas na área do livro, leitura, literatura e bibliotecas no Brasil. Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2014.

Fonseca, Maria Nazareth Soares. Literatura negra, literatura afro-brasileira: como responder à polêmica? In. Souza, Forentina; Lima, Maria Nazaré (orgs.). Literatura afro-brasileira. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais/Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2006. p. 9-38.

Lobo, Luiza. Crítica sem juízo. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1993.

Lopez, Telê Ancona. A literatura como direito. Literatura e Sociedade, São Paulo, v. 16, p. 216-219, 2009.

Sovik, Liv. Aqui ninguém é branco. Rio de Janeiro: Aeroplano Editora, 2009.

Vida, Samuel Santana; Freitas, Ivana Silva. Direito à literatura negra: memória, história e identidade para garantia de direitos humanos. In: Seminário Internacional de Direitos Humanos da UFPB, 9. 2016, João Pessoa, Anais João Pessoa: UFPB, 2016, p. 1-23.

Publicado
2021-02-26
Como Citar
ZIN, R. O direito à literatura afro-brasileira. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 32, p. 23-37, 26 fev. 2021.