deus-dará: O Rio de Janeiro como espaço de (des)encontro durante séculos

  • Helena Gonçalo Ferreira Universidade de Aveiro
Palavras-chave: deus-dará, Alexandra Lucas Coelho, Rio de Janeiro, colonização, colonialidade

Resumo

deus-dará é um romance de Alexandra Lucas Coelho, descrito ao longo de sete dias, em diferentes anos, revelando uma clara inspiração no Génesis, que nos apresenta sete personagens como o seu subtítulo destaca: “sete dias na vida de São Sebastião do Rio de Janeiro ou o Apocalipse segundo Lucas, Judite, Zaca, Tristão, Inês, Gabriel & Noé”. Através destas personagens e com o Rio de Janeiro presente, o narrador híbrido que tanto escreve em português de Portugal como em português do Brasil, conduz os leitores ao longo de cinco séculos de história, às conjunturas sociais, religiosas e culturais de Portugal e do Brasil durante o período de colonização e pós-colonização. Partindo, então, dos trabalhos académicos que refletem sobre os estudos pós-coloniais, pretende-se, através desta obra, explorar as construções e reconstruções de significados dos vários pontos de vista sobre a história da (des)colonização portuguesa e suas consequências, uma vez que para além da herança colonial portuguesa que se vê na violência que os brasileiros vivem, particularmente, no Rio de Janeiro, este livro transporta os portugueses para a questão da relação com o seu passado, no momento presente.

Referências

Adichie, Chimamanda. O perigo de uma história única, por Chimamanda Adichie. Por dentro de África, 2013. Disponível em url{http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/o-perigo-de-uma-historia-unica-por-chimamanda-adichie. Acesso em: 27 Outubro 2019.

Amin, Samir. El Eurocentrismo: crítica de una ideología. Tradução de Rosa Cusminsky de Cendrero. México: Siglo XXI Editores, S.A., 1989.

Andrade, Carlos Drummond de. Sentimento do Mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

Anzaldúa, Gloria. Borderlands/La Frontera: The New Mestiza. United States: Aunt Lute Books, 1987.

Barthes, Roland. Crítica e verdade. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Perspectiva, 1999.

Blaut, James Morris. The Colonizer’s Model of the World: Geographical Diffusionism and Eurocentric History. New York: Guilford Press, 1993.

Bojić, Majda. Crítica da dimensão política da representação no romance pós-moderno e sua cumplicidade: considerações sobre Foe, de Coetzee. In XI Congresso Internacional Da Abralic: Tessituras, Interações, Convergências. São Paulo: USP, 2008. Disponível em url{http://www.abralic.org.br/eventos/cong2008/AnaisOnline/simposios/pdf/056/MAJDA_BOJIC.pdf. Acesso em: 1 outubro 2019.

Bourcier, Sam. Seminário Queer destaca necessidade de unificar pautas dos “abjetos” e superar institucionalização”. Agência Patrícia Galvão, 2015. Disponível em url{http://agenciapatriciagalvao.org.br/mulheres-de-olho-2/seminario-queer-aponta-necessidade-de-unificar-pautas-dos-abjetos-e-superar-institucionalizacao/. Acesso em: 27 Setembro 2019.

Boxer, Charles R.. “Race Relations in the Portuguese Colonial Empire (1415-1825). London: Oxford University Press, 1963.

Butler, Judith. Judith Butler, o ‘queer’ para unir as minorias através da diferença. El País, 2017. Disponível em url{https://brasil.elpais.com/brasil/2015/11/20/cultura/1447995720_144799.html. Acesso em: 28 setembro 2019.

Coelho, Alexandra Lucas. deus-dará, Sete dias na vida de São Sebastião do Rio de Janeiro, ou o Apocalipse segundo Lucas, Judite, Zaca, Tristão, Inês, Gabriel & Noé. Lisboa: Tinta da China, 2016.

Coelho, Alexandra Lucas. Alexandra Lucas Coelho em dois actos: Apocalipse é transformação. Shifter, 2016. Disponível em url{https://shifter.pt/2016/11/alexandra-lucas-coelho-dois-actos-apocalipse-transformacao/. Acesso em: 3 Outubro 2019.

Coelho, Alexandra Lucas (s/d). Entrevista a Alexandra Lucas Coelho. wookacontece. Disponível em url{https://www.wook.pt/wookacontece/novidades/noticia/ver/entrevista-a-alexandra-lucas-coelho/?id=125462&langid=1. Acesso em: 1 Outubro 2019.

Hutcheon, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria, ficção. Tradução de Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1991.

Iglésias, Francisco. História e Ideologia. São Paulo: Editora Perspectiva, 1971.

Kilomba, Grada. Plantation Memories: Episodes of Everyday Racism. Münster: UNRAST-Verlag, 2010.

Krishna, Sankaran. Postcolonial Insecurities: India, Sri Lanka, and the Question of Nationhood. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1999.

Lugarinho, Mário César (2013). Masculinidade E Colonialismo: em direção ao “homem novo” (subsídios para os estudos de gênero e para os estudos pós-coloniais no contexto de língua portuguesa). Revista do Núcleo de Estudos de Literatura Portuguesa e Africana da UFF, Vol. 5, n° 10, pp. 15-38, 2013. Disponível em url{https://www.researchgate.net/publication/280576581_MASCULINIDADE_E_COLONIALISMO_EM_DIRECAO_AO_HOMEM_NOVO_SUBSIDIOS_PARA_OS_ESTUDOS_DE_GENERO_E_PARA_OS_ESTUDOS_POS-COLONIAIS_NO_CONTEXTO_DE_LINGUA_PORTUGUESA. Acesso em: 3 outubro 2019.

Magritte, René. A Traição das Imagens. Museu de Arte do Condado de Los Angeles, 1929.

Mbembe, Achille. Necropolítica. São Paulo: n-1 edições, 2018.

Mckeon, Michael. Introduction. In: Theory of the novel: a historical approach. Baltimore/Londres: The Johns Hopkins University Press, 2000.

Obinwanne, Ashley; BLAIR, Bit (2017). Why I’m a Lesbian (Not Queer). Lesbians Over Everything. Disponível em url{http://lesbiansovereverything.com/why-im-a-lesbian-not-queer/. Acesso em: 4 outubro 2019.

Pavlenko, Aneta. The Bilingual Mind And What it Tells Us about Language and Thought. Philadelphia: Temple University, 2014.

Pellegrini, Tânia. “No fio da navalha: literatura e violência no Brasil de hoje”. In: Dalcastagnè, Regina (org.). Ver e imaginar o outro: alteridade, desigualdade, violência na literatura brasileira contemporânea. São Paulo: Horizonte, pp. 41-56, 2008.

Pesavento, Sandra Jatahy. Cidades Visíveis, Cidades Sensíveis, Cidades Imaginárias. Revista Brasileira de História, vol. 27, nº 53, pp. 11-23, 2007.

Preciado, Beatriz. Multidões Queer – Notas para uma política dos “anormais. Estudos Feministas, Florianópolis, 19(1): 312, pp.11-20, 2011. Disponível em url{http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2011000100002. Acesso em: 3 Outubro 2019.

Quijano, Aníbal. La colonialidad del poder: eurocentrismo y América Latina. In Edgardo Lander (ed.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas latinoamericanas, Buenos Aires: Clacso, 2000.

Said, Edward. Orientalismo, Barcelona: Debolsillo, 2008.

Sartre, Jean Paul. Reflexões sobre o racismo. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1968.

Sedgwick, Eve Kosofsky. Epistemología del Armario. Barcelona: Ediciones de la Tempestad, 1998.

Schwarz, Roberto. Ao Vencedor As Batatas. São Paulo: Duas Cidades, 1992.

Torres, Diana. Coño Potens, Manual sobre su poder, su próstata y sus fluidos. Navarra: Editorial Txalaparta, S.I.I, 2015.

Waugh, Patricia. Metafiction, The Theory and Practice of Self-Conscious Fiction. London and New York: Routledge, 1984.

Publicado
2021-07-21
Como Citar
FERREIRA, H. deus-dará: O Rio de Janeiro como espaço de (des)encontro durante séculos. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 34, p. 83-99, 21 jul. 2021.
Seção
Artigos