A ressignificação da corporeidade da mulher negra em Becos da memória, de Conceição Evaristo

  • Angela Rodriguez Mooney Texas Woman's University
Palavras-chave: identidade, Conceição Evaristo, Becos da memória, branqueamento, diáspora, corporeidade negra

Resumo

Este artigo investiga a reescritura da corporeidade da mulher negra no romance Becos da memória, de Conceição Evaristo, publicado em 2006. Intenciona-se analisar a forma como o corpo e seus símbolos são representados no romance e como essas construções desestabilizam juízos morais e estereótipos que ancoram o corpo da mulher negra a um passado escravizado, criando novas territorialidades onde a subjetividade da mulher negra é visibilizada e valorizada.

 

 

Referências

Agência Ibge Notícias. Pretos ou pardos são 63,7% dos desocupados. 17 nov. 2017. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/18013-pretos-ou-pardos-sao-63-7-dos-desocupados. Acesso em: 19 out. 2019.

Araújo, Flávia Sanntos de. Beyond the flesh: contemporary representations of the black female body in afro-brazilian literature. Meridians: feminism, race, transnationalism, Durham, v. 14, n. 1, p. 148-176, 2016.

Azevedo, Aluísio. O cortiço. 8 ed. São Paulo: Martin Claret, 2012.

Bíblia. V.T. Levítico. In: Bíblia. Salt Lake City, Utah: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, 2020. [on-line]. Disponível em: https://www.churchofjesuschrist.org/study/scriptures/ot/lev/15?lang=por. Acesso em: 19 out. 2019.

Bonnici, Thomas. O pós-colonialismo e a literatura: estratégias de leitura. Maringá: Editora da Universidade Estadual de Maringá-EDUEM, 2012.

Dalcastagnè, Regina. A personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990-2004. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 26, p. 13-71, 2005. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/9077. Acesso em: 19 out. 2019.

Dias, Rafaela Kelsen. Maternidade e segregação em Conceição Evaristo. Fórum Identidades, Itabaiana, SE, v. 20, n. 20, abr. 2016. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/forumidentidades/article/view/5915. Acesso em: 19 out. 2019.

Dill, Bonnie Thorton. The means to put my children through: child-rearing goals and strategies among black female domestic servants. In: Rodgers-Rose, La France (ed.). The black woman. Beverly Hills, CA: Sage, 1980. p. 107-123.

Duarte, Eduardo de Assis. O bildungsroman afro-brasileiro de Conceição Evaristo. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 14, n. 1, p. 305-308, jan./abr. 2006. https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-026X2006000100017&script=sci_arttext. Acesso em: 19 out. 2019.

Eagleton, Terry. A teoria da literatura: uma introdução. 6 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

Evaristo, Conceição. Ponciá Vicêncio. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2003.

Evaristo, Conceição. Da representação à auto-apresentação da mulher negra na literatura brasileira. Revista Palmares, Brasília, a. 1, n. 1, p. 52-57, ago. 2005a. Disponível em: http://www.palmares.gov.br/sites/000/2/download/52%20a%2057.pdf. Acesso em: 19 out. 2019.

Evaristo, Conceição. Gênero e etnia: uma escre(vivência) de dupla face. In: Moreira, Nadilza Martins de Barros; Schneider, Liane (eds.). Mulheres no mundo: etnia, marginalidade e diáspora. João Pessoa: Ideia Editora, 2005b. p. 201-212.

Evaristo, Conceição. Becos da Memória. Rio de Janeiro: Pallas, 2006/2017.

Foucault, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1975/1987.

Foucault, Michel. O corpo utópico: heterotopias. São Paulo: n-1 Edições, 1966/2013.

Franco, Marielle. O novo sempre vem. Le Monde Diplomatique Brasil, n. 126, 8 jan. 2018. Disponível em: http://diplomatique.org.br/o-novo-sempre-vem/. Acesso em: 19 out. 2019.

Gilman, Sander L. The hottentot and the prostitute: toward an iconography of female sexuality. Ithaca and London: Cornell University Press, 1985.

Hale, Janice. The black woman and child rearing. In: Rodgers-Rose, La France (ed.). The black woman. Beverly Hills, CA: Sage, 1980. p. 79-87.

Hall, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. 2 ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

International Labour Organization. Domestic workers across the world: global and regional statistics and the extent of legal protection. Disponível em: https://www.ilo.org/global/topics/domestic-workers/lang--en/index.htm. Acesso em: 10 nov. 2019.

Jesus, Carolina Maria de. Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Ática, 2012.

Koifman, Fabio. Imigrante ideal: o Ministério da Justiça e a entrada de estrangeiros no Brasil (1941-1945). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

Lindfors, Bernth. Hottentot, Bushman, Kaffir: Taxonomic Tendencies in Nineteenth-Century Racial Iconography. Nordic Journal of African Studies, v. 5, n. 2, p. 1-30, 1996. Disponível em: http://www.njas.helsinki.fi/. Acesso em: 19 out. 2019.

Manica, Daniela Tonelli. T. Supressão da menstruação: ginecologistas e laboratórios farmacêuticos re-apresentando natureza e cultura. 2003. Dissertação. (Mestrado em Antropologia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/281973/1/Manica_DanielaTonelli_M.pdf. Acesso em: 19 out. 2019.

Munanga, Kabengele; Gomes, Nilma Lino. O negro no Brasil de hoje. São Paulo: Global Editora, 2006.

Oliveira, Ana Ximenes Gomes de. Fêmea-matriz: a maternidade em Ponciá Vicêncio, de Conceição Evaristo. 2015. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2015.

Parker, Morgan. Magical negro carries the weight of history. [Entrevista concedida a] Mary Louise Kelly. American University Radio, Washington, 12 fev. 2019. [on-line]. Disponível em: https://wamu.org/story/19/02/12/magical-negro-carries-the-weight-of-history/. Acesso em: 19 out. 2019.

Pinto, Felipe Menezes. O vermelho e o negro: intolerância, construção da identidade nacional e práticas educativas durante o estado novo (1937 1945). 2011. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/BUOS-8MJFDE. Acesso em: 19 out. 2019.

Ribeiro, Djamila. Quem tem medo do feminismo negro? São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

Ribeiro, Djamila. “O Corpo Da Mulher Negra Como Pedaço de Carne Barata”. Blog Do Sakamoto. Disponível em: https://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2015/04/o-corpo-da-mulher-negra-como-pedaco-de-carne-barata/. Acesso em: 6 ago. 2020.

Santos, Jaqueline Lima. Mulheres Negras: Nós Carregamos a Marca. [blog]. Disponível em: http://dianacostaeduhistoria.blogspot.com/2011/01/mulheres-negras-nos-carregamos-marca.html. Acesso em: 19 out. 2019.

Schmidt, Simone Pereira. Nos Becos da Memória, a força da narrativa. In: Duarte, Constância Lima; Cortês, Cristiane; Pereira, Maria do Rosário A. (eds.). Escrevievências: identidade, gênero, violência na obra de Conceição Evaristo. Belo Horizonte: Idea, 2016. p. 101-107.

Silva, Kelly Cardoso da. A representação da mulher em contos de Conceição Evaristo e Paulina Chiziane: perspectivas de gênero e maternidade. 2014. (Monografia). Universidade de Brasília, Brasília, 2014. Disponível em: https://bdm.unb.br/bitstream/10483/8703/1/2014_KellyCardosodaSilva.pdf. Acesso em: 19 out. 2019.

Spivak, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Young, Iris. Marion. Five faces of oppression. In: HendeRson, George; Waterstone, Marvin (eds.). Geographic thought: a praxis perspective. London; New York: Routledge, 2009. p. 55-71. Disponível em: https://www.muthar-alomar.com/wp-content/uploads/2013/01/Geographic-Thought.pdf. Acesso em: 19 out. 2019.

Publicado
2021-05-05
Como Citar
MOONEY, A. A ressignificação da corporeidade da mulher negra em Becos da memória, de Conceição Evaristo. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 33, p. 31-47, 5 maio 2021.
Seção
Artigos