Magra de ruim: gênero, sexualidade e a ficcionalização de si

  • Mariana Souza Paim Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: narrativas gráficas, autobiografia, gênero, sexualidade, feminismo

Resumo

O objetivo do presente trabalho é analisar as representações de gênero e sexualidade presentes na publicação Magra de ruim de autoria de Sirlanney Nogueira, editada em formato impresso em 2014. O volume reúne boa parte de sua obra enquanto roteirista/ilustradora que fora publicada inicialmente em meio virtual e em diferentes zines entre os anos de 2012 e 2014. Magra de ruim foge a classificações mais sistemáticas a partir das quais se convencionou agrupar as narrativas gráficas, e lança mão através de diferentes técnicas e procedimentos, de uma narrativa que perpassa em múltiplas questões, como aquelas em torno do corpo, desejo, prazer, solidão, família, autonomia feminina e dos relacionamentos afetivos/sexuais. Nessas narrativas podemos ainda destacar o empreendimento de um discurso que pode ser localizado no bojo do feminismo e que, além de fissurar muitos dos constructos sociais pelos quais se tenta apreender as vivências femininas, aponta para as constantes reelaborações de si, a partir de uma in-scrita de traços e relatos biográficos.

Referências

Balda, Maria Antonia Díez. La imagen de la mujer en el cómic: Cómic feminista, cómic futurista y de cienciaficción. s/d. Disponível em: http://www.amit-es.org/sites/default/files/pdf/publicaciones/antonia_diez_balda_2004.pdf. Acesso em: 10 dez. 2016.

Butler, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. São Paulo: Civilização Brasileira, 2015.

Canal Curta!, Entrevista Sirlanney. Disponível em: https://youtu.be/v6QkgekFfU8. Acesso em: 14 mai. 2015.

D’Angelo, Helô. As mulheres e os quadrinhos. Revista Fórum Virtual, janeiro, 2016. Disponível em: http://www.revistaforum.com.br/semanal/mulheres-e-os-quadrinhos/. Acesso em: 15 mar. 2017.

The punk singer. (2013). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=DdTHg4SQNGE. Acesso em: 16 jan. 2017.

Eisner, Will. Quadrinhos e arte sequencial. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

Foucault, Michel. História da sexualidade 1: a vontade de saber. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

Lejeune, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à internet. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008

Melo, Erica Isabel de. Riot Grrrl: feminismo na cultura juvenil punk. In: Fazendo Gênero, 7., 2006, Florianópolis, Anais. Disponível em: http://www.fazendogenero.ufsc.br/7/artigos/E/Erica_Melo_Riot_01.pdf. Acesso em: 13 nov. 2016.

Nochlin, Linda. Por que não houve grandes mulheres artistas? São Paulo: Edições Aurora, 2016.

Nogueira, Natânia. Rian: caricatura e pioneirismo feminino no Brasil. In: Simpósio Nacional de História — ANPUH, 16., 2011, São Paulo, Anais. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1312664266_ARQUIVO_RIANEOPIONEIRISMOFEMININONACARICATURA.pdf. Acesso em: 20 dez. 2016.

Nogueira, Sirlanney. Magra de ruim. Rio de Janeiro: Edição da autora, 2014.

Pollock, Griselda. A modernidade e os espaços de feminilidade. In: Macedo, A.G.; Rayner, F. (Org.). Gênero, cultura visual e performance: antologia crítica. Vila Nova de Famalicão: Húmus, 2011.

Satrapi, Marjane. Persepólis. São Paulo: Quadrinhos da Cia, 2007.

Souza, Jucelino Neco de. O discurso autobiográfico nos quadrinhos: uma arqueologia do eu na obra de Robert Crumb e Angeli, Tese de Doutorado em Ciências da Comunicação — Universidade de São Paulo, 2014.

Xavier, Elódia. A representação do corpo no imaginário feminino: subalternidade e exclusão. In: Pires, Maria Isabel Edom (Org.). Formas e dilemas da representação da mulher na literatura contemporânea. Brasília: UnB, 2008.

Publicado
2020-05-05
Como Citar
PAIM, M. Magra de ruim: gênero, sexualidade e a ficcionalização de si. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 31, p. 86-98, 5 maio 2020.