A(s) Florbela(s) de Agustina Bessa-Luís: biografismo, desmistificação e remitificação em Florbela Espanca, a vida e a obra

Palavras-chave: literatura portuguesa, Florbela Espanca, biografismo, mitificação, remitificação

Resumo

Agustina Bessa-Luís exerce papel de relevo na literatura portuguesa: com mais de cinquenta anos ininterruptos, transitou pelo romance, teatro, biografia, crônicas, memórias, textos infantis e trabalhos ensaísticos. Da sua faceta biográfica, destaca-se a publicação de Florbela Espanca, a vida e a obra (1979), livro que alia um biografismo bastante peculiar aos moldes de um romance, criando não uma Florbela Espanca biografada, mas diversas Florbelas, rompendo, assim, a lógica do biografismo tradicional. No presente trabalho objetiva-se compreender o percurso criativo de Bessa-Luís ao traçar um perfil biográfico para Florbela Espanca, tendo em conta que, neste trajeto, a desmistificação da poetisa portuguesa é uma característica patente nesta obra, mas também que a remitificação é o resultado da conjunção de elementos biográficos e ficcionais colecionados por Bessa-Luís para a realização do livro em relevo.

Referências

Alexandrina, Maria. Florbela Espanca e a sua personalidade. Conferência lida na Câmara Municipal de Vila Viçosa, em 9 de dezembro de 1964.

Alonso, Cláudia Pazos. Imagens do eu na poesia de Florbela Espanca. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1997.

Arnaut, Ana Paula. Post-Modernismo no romance português contemporâneo: fios de Ariadne; máscaras de Proteu. Coimbra: Almedina, 2002.

Bessa-Luís, Agustina. Florbela Espanca. Lisboa: Guimarães Editores, {[1979{] 1984.

Correia, Natália. Prefácio. In: Espanca, Florbela. Diário do último ano. Edição fac-similada com um prefácio de Natália Correia. Lisboa: Bertrand, 1981.

Couto, Teresa Sá. A voz na dobra do tempo. In: Gago, Dora Nunes. As duas faces do dia. Lisboa: Chiado Editora, 2013. p. 05-06.

Dal Farra, Maria Lúcia. O narrador ensimesmado: o foco narrativo em Vergílio Ferreira. São Paulo: Ática, 1978.

Dal Farra, Maria Lúcia. A Florbela de Agustina. Labirintos: Revista eletrônica do núcleo de estudos portugueses, Feira de Santana, n.1, p. 1-13, 2017.

Dal Farra, Maria Lúcia. Florbela, a inconstitucional. In: Espanca, Florbela. Afinado desconcerto: contos, cartas, diário. Estudo introdutório, apresentações, organização e notas de Maria Lúcia Dal Farra. São Paulo: Iluminuras, 2012. p. 11-77.

Dosse, François. O desafio biográfico: escrever uma vida. São Paulo: EdUSP, 2009.

Dumas, Catherine. Florbela visitada por Agustina: a mulher poeta e os mitos. In: A planície e o abismo (Actas do Congresso sobre Florbela Espanca realizado na Universidade de Évora, de 7 a 9 de dezembro de 1994). Évora: Vega, 1997. p. 195-204.

Espanca, Florbela. Poemas. Estudos introdutórios, organização e notas de Maria Lúcia Dal Farra. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

Filizola, Anamaria. Notas de leitura: Florbela Espanca, de Agustina Bessa-Luís ou para amar Florbela. Boletim do Centro de Estudos Portugueses Jorge de Sena, n. 7, Araraquara, p. 61-79, jan-mar, 1995.

Filizola, Anamaria. Agustina Bessa-Luís e Inês de Castro: nem história nem ficção. In: Iannone, Carlos Alberto; GOBI, Márcia V. Zamboni; Junqueira, Renata Soares (Orgs.). Sobre as naus da iniciação: estudos portugueses de literatura e história. São Paulo: Editora UNESP, 1998. p. 119-134.

Filizola, Anamaria.O cisco e a ostra: Agustina Bessa-Luís biógrafa. 2000. 320f. Tese (Doutorado em Teoria Literária) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

Gago, Dora Nunes. As duas faces do dia. Lisboa: Chiado Editora, 2013.

Gomes, Álvaro Cardoso. A voz itinerante. São Paulo: Edusp, 1993.

Guedes, Rui. Fotobiografia. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1985.

Guedes, Rui. Acerca de Florbela. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1986.

Lejeune. Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à Internet. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

Lisboa, Eugénio. Recensão crítica a 'Florbela Espanca : a Vida e a Obra, de Agustina Bessa-Luís. In: Revista Colóquio/Letras. Recensões Críticas, n.º 60, Mar. 1981, p. 92-94.

Neves, Margarida Braga. Florbela Espanca ou a revelação da personagem. In: A planície e o abismo (Actas do Congresso sobre Florbela Espanca realizado na Universidade de Évora, de 7 a 9 de dezembro de 1994). Évora: Vega, 1997. p. 205-214.

Oliveira, Paulo Motta. Entre gêneros, sem certezas: Florbela e Pascoaes sob o olhar prismático de Agustina. In: Fernandes, Annie Gisele; Silveira, Francisco Maciel (Orgs.). A literatura portuguesa: visões e revisões. Cotia: Ateliê Editorial, 2009.

Pignatari, Décio. Para uma semiótica da biografia. In: Hisgail, Fani (Org.). Biografia: sintoma da cultura. São Paulo: Hacker Editores, 1997. p. 13-19.

Régio, José. Estudo crítico. In: Espanca, Florbela. Sonetos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

Reguengo, Alfredo. Florbela Espanca. Separata do n. 96 de “A Aurora do Lima” de 9 de dezembro de 1932.

Vilas-Boas, Sergio. Biografismo: reflexões sobre a escrita da vida. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

Vilar, Amélia. O drama de Florbela Espanca. Porto: Costa Carregal, 1947.

Publicado
2021-07-21
Como Citar
LEITE, J. A(s) Florbela(s) de Agustina Bessa-Luís: biografismo, desmistificação e remitificação em Florbela Espanca, a vida e a obra. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 34, p. 20-39, 21 jul. 2021.
Seção
Artigos