Autonomia, pós-autonomia e responsabilidade civil na prosa contemporânea: o caso Ricardo Lísias

  • Igor Ximenes Graciano
Palavras-chave: autonomia, pós-autonomia, arte, política, responsabilidade

Resumo

Na modernidade, a arte se constituiu como um campo discursivo autônomo que interfere de maneira indireta na realidade social, da qual se nutre sem nunca se confundir com ela. Por isso a expressão literária normalmente é legitimada como o outro do panfleto, pois quem fala na obra nunca é o autor, assim como o universo da ficção jamais reproduz a realidade social. Contudo, certa prosa contemporânea limítrofe que desafia a noção de autonomia, juntamente com o debate teórico acerca de uma propalada “pós-autonomia” (Ludmer, 2007) ou de um “pacto ambíguo” (Alberca, 2007), têm colocado em questão esse lugar da arte como campo de experimentação à parte da vida dita real, de maneira a se implicar mais diretamente autor e narrador, realidade e ficção, o que parece colocar em outros termos a noção de livre criação e responsabilidade civil sobre a obra. Para a discussão, tomaremos por referência o romance Divórcio (2013) e a narrativa Delegado Tobias (2014), ambos de Ricardo Lísias. Nosso propósito é especular se nesse investimento na ambiguidade há uma nova estratégia discursiva capaz de substituir o paradigma moderno da autonomia ou apenas reiterá-lo.


Referências

Achugar, Hugo. O outro: vínculos e desvínculos. In: Planetas sem boca: escritos efêmeros sobre arte, cultura e literatura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

Alberca, Manuel. El pacto ambiguo: de la novela biografica a la autoficción. Madrid: Editorial Biblioteca Nueva, 2007.

Bourdieu, Pierre. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

Canclini, Néstor García. A Sociedade sem relato: antropologia e estética da iminência. Tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: Ed. USP, 2012.

Lima, Luiz Costa. Mímesis: desafio ao pensamento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

Faedrich, Anna Martins. Autoficção: do conceito teórico à prática na literatura brasileira contemporânea. 2014. Tese (Doutorado em Teoria da Literatura) – Faculdade de Letras, PUCRS, Porto Alegre, 2014. Disponível em: http://repositorio.pucrs.br/dspace/handle/10923/5746. Acesso em: 28 dez. 2019.

Flaubert, Gustave. “O fanatismo da arte” In: Uma ideia moderna de literatura: textos seminais para os estudos literários (1688-1922). Roberto Acízelo de Souza (Org.). Chapecó, SC: Argos, 2011.

Graciano, Igor. Da representação ficcional à textualidade coextensiva: o caso de Machado, de Silviano Santiago. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n. 62, p. 65-75, jan./jun. 2019. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/estudos/article/view/28339/19093. Acesso em: 28 dez. 2019.

Groys, Boris. Volverse público: las transformaciones del arte en el ágora contemporánea. Tradução de Paola Cortés Rocca. Buenos Aires: Caja Negra, 2014.

Laddaga, Reinaldo. Espetáculos de realidad. Buenos Aires: Beatriz Viterbo Editora, 2007.

Lejeune, Philipe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à internet. Tradução de Jovita Maria Gerhein e Maria Inês Coimbra. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

Lísias, Ricardo. Divórcio. São Paulo: Alfaguara, 2013.

Lísias, Ricardo. Delegado Tobias (e-book), v 1, 2, 3, 4, 5. São Paulo: E-Galáxia, 2014.

Lísias, Ricardo. Inquérito Policial: Família Tobias. Disponível em: http://lote42.com.br/inqueritopolicial/. Acesso em: 23 jun. 2019.

Ludmer, Josefina. Literaturas postautónomas. Linkillo (cosas mias). [blog]. 18 dez. 2006. Disponível em: http://linkillo.blogspot.com/2006/12/dicen-que_18.html. Acesso em: 23 jun. 2019.

Ludmer, Josefina. Literaturas postautónomas. Ciberletras, n. 17, p. 236-244, jul. 2007. Disponível em: http://www.lehman.cuny.edu/ciberletras/documents/ISSUE17.pdf. Acesso em: 23 jun. 2019.

Muller, Andréa Correa Paraiso. O romance no tribunal: o caso Madame Bovary. Non plus. São Paulo, v. 6, n. 12, p. 54-70, 31 dez. 2017. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/nonplus/article/view/132389. Acesso em: 23 jun. 2019.

Ortega y Gasset, José. A desumanização da arte. Tradução de Ricardo Araújo. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2005.

Rancière, Jacques. Será que a arte resiste a alguma coisa? In: Lins, Daniel (org.). Nietzsche e Deleuze: arte e resistência. Rio de Janeiro: Forense, 2007. p. 126-140.

Todorov, Tzvedan. A literatura em perigo. Tradução de Caio Meira. 3 ed. Rio de Janeiro: Difel, 2010.

Publicado
2021-03-01
Como Citar
GRACIANO, I. Autonomia, pós-autonomia e responsabilidade civil na prosa contemporânea: o caso Ricardo Lísias. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 32, p. 112-126, 1 mar. 2021.