Literatura e arte indígena no Brasil

  • Carola Saavedra
Palavras-chave: literatura indígena, arte indígena, cânone, reantropofagia

Resumo

O texto apresenta um breve panorama da arte e literatura indígena no Brasil, desde a chegada de Cabral até os dias atuais. Considerando que, por muitos séculos, os povos indígenas foram invisibilizados das mais diversas formas, inclusive pela cultura hegemônica “branca”, que sempre ditou o cânone no Brasil, o artigo aborda a construção do “índio” na cultura brasileira, passando pelo Indigenismo e pelo Modernismo, e se concentra nas vozes indígenas que começam a (in)surgir com mais força a partir dos anos 2000: Ailton Krenak, Daniel Munduruku, Eliane Potiguara, Denilson Baniwa, Jaider Esbell, entre outros. Vozes que reivindicam o lugar que lhes foi negado na sociedade brasileira, um lugar de direito à vida, à arte e à cidadania, um lugar que aponta para novas narrativas, cada vez mais necessárias.

Referências

Alencar; José. O guarani. s.l.: Fundação Biblioteca Nacional, 1857. [on-line]. Disponível em: http://objdigital.bn.br/Acervo_Digital/Livros_eletronicos/o_guarani.pdf. Acesso em: 14 maio 2020.

Andrade, Mário. Macunaíma, o herói sem nenhum caráter. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013.

Andrade, Oswald. Manifesto antropófago. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

ARaújo, Ana Carvalho Ziller; CaRvalho, Ernesto Ignacio de; CaRelli, Vincent (orgs.). Vídeo nas aldeias 25 anos: 1986 – 2011. Olinda: Vídeo nas Aldeias, 2011.

Assumpção, Ombela. ReAntropofagia: Denilson Baniwa. Desvio. 29 abr. 2019. [on-line]. Disponível em: https://revistadesvio.com/2019/04/29/reantropofagia/. Acesso em: 23 mar. 2020.

Baniwa, Denilson. Hackeando a 33 Bienal de Artes de SP. 1o. abr. 2019. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=MGFU7aG8kgI. Acesso em: 23 mar. 2020.

Baniwa, Denilson. Pajé-Onça: Hackeando a 33a Bienal de Artes de São Paulo.

Behance. 24 mar. 2019a. Disponível em: https://www.behance.net/gallery/77978367/Paj-Onca-Hackeando-a-33-Bienal-de-Artes-de-Sao-Paulo. Acesso em: 23 mar. 2020.

Caminha, Pero Vaz. Carta. s.l.: Fundação Biblioteca Nacional, 1500. [on-line]. Disponível em: http://objdigital.bn.br/Acervo_Digital/livros_eletronicos/carta.pdf. Acesso em: 2 jun. 2020.

Castro, Eduardo Viveiros de. Brasil, país do futuro do pretérito. In: Pandemia. São Paulo: N-1 edições, 2019.

Charny, Israel W. (ed.). Encyclopedia of genocide. Santa Bárbara, California: ABC-CLIO, 2000.

Esbell, Jaider. Makunaima, o meu avô em mim!. Revista Iluminuras, Porto Alegre, v. 19, n. 46, p. 11-39, jan./jul. 2018. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/iluminuras/article/view/85241. Acesso em: 20 mar. 2020.

Escobar, Ticio. Arte indígena: el desafío de lo universal. Revista Casa de las Américas, La Habana, Cuba, n. 271, p. 3-18, abr./jun. 2013. Disponível em: http://casadelasamericas.org/publicaciones/revistacasa/271/hechosideas.pdf. Acesso em: 21 mar. 2020.

Freyre, Gilberto. Casa grande e senzala. São Paulo: Global Editora, 2006.

Kêhíri, Tõrãmũ; Pãrõkumu, Umusĩ. Antes o mundo não existia: a mitologia dos antigos Desana-Kêhíripõrã. São João Batista do Rio Tiquié: UNIRT; São Gabriel da Cachoeira: FOIRN, 1995. Disponível em: https://horizon.documentation.ird.fr/exl-doc/pleins_textes/divers14-12/010005097.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020.

Krenak, Ailton. Índio cidadão? Grito 3 Ailton Krenak. 1o. jan. 2017a. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=kWMHiwdbM_Q. Acesso em: 10 abr. 2020.

Krenak, Ailton. Ailton Krenak – culturas indígenas (2016). Itaú Cultural. 21 set. 2017b. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=LEw7n-v6gZA. Acesso em: 20 abr. 2020.

Krenak, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019a.

Krenak, Ailton. Entrevista. In: Cohn, Sérgio; Kadiwèu, Idjahure (orgs.). Tembetá: conversas com pensadores indígenas. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2019b. p. 11-51.

Munduruku, Daniel. Daniel Munduruku – culturas indígenas (2018). Itaú Cultural. 6 mar. 2019. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=8D4RF2CqR68. Acesso em: 20 abr. 2020.

Potiguara, Eliane. Entrevista. In: Cohn, Sérgio; Kadiwèu, Idjahure (orgs.). Tembetá: conversas com pensadores indígenas. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2019. p. 104-144.

Rennó, Iara et al. Makunaimã: o mito através do tempo. São Paulo: Elefante, 2019.

Schulze, Peter W. Strategien‚ ‘kultureller kannibalisierung’: postkoloniale repräsentationen vom brasilianischen Modernismo zum Cinema Novo. Bielefeld: Transcript Verlag, 2015.

Staden, Hans. Viagem ao Brasil. Brasília: Fundação Darcy Ribeiro, Editora UnB, 2014. Disponível em: http://www.fundar.org.br/site/public/storage/Livros/9.pdf. Acesso em: 11 maio 2020.

Tukano, Álvaro. Entrevista. In: Cohn, Sérgio; Kadiwèu, Idjahure (orgs.). Tembetá: conversas com pensadores indígenas. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2019. p. 52-79.

Publicado
2021-05-05
Como Citar
SAAVEDRA, C. Literatura e arte indígena no Brasil. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 33, p. 102-120, 5 maio 2021.
Seção
Artigos