Memória oral e identidade cultural na literatura infantil e juvenil moçambicana

  • Avani Souza Silva USP
Palavras-chave: identidade, mãos dos pretos, Honwana, literatura infantil e juvenil, intelectual

Resumo

Com base nas noções de identidade postuladas por Stuart Hall (1996, 2003, 2006), Kathryn Woodward (2012) e Boaventura Sousa Santos (1999) e no papel do intelectual definido por Edward Said (2005), analisamos o conto “As mãos dos pretos”, do livro Nós matamos o cão tinhoso, do moçambicano Luis Bernardo Honwana, publicado em 1964, em plena guerra de libertação nacional moçambicana do governo colonial português. A obra é uma constante denúncia do racismo contra a população negra e uma busca pela identidade e é considerado por nós como o marco da literatura infantil e juvenil moçambicana, embora não tenha sido especialmente escrito para crianças e jovens.

Referências

Barthes, Roland. O prazer do texto. Tradução de Jaime Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 4 ed. Coleção Elos, 2004.

Bauman, Zygmunt. Identidade – Entrevista a Benedetto Vecchi. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

Benjamin, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. v. 1, São Paulo: Brasiliense, 2012, p. 179-212.

Candido, Antonio. A literatura e a formação do homem. In: ______. Textos de Intervenção. São Paulo: Livraria Duas Cidades, Editora 34, 2002, p. 77-120.

Candido, Antonio. Direito à literatura. In: Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995, p. 235- 263.

Cascudo, Luís da Camara. Contos tradicionais do Brasil. Rio de Janeiro/ São Paulo: Itatiaia, Edusp, 1986, p. 257-9.

Cascudo, Luís da Camara. Literatura oral no Brasil. Rio de Janeiro/São Paulo: Itatiaia, Edusp, 1984.

Durand, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. Tradução de Hélder Godinho. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

Fanon, Franz. Os condenados da Terra. Tradução de Enilce Albergaria |Rocha e Lucy Magalhães. Juiz de Fora, Minas Gerais: UFJF, 2010.

Honwana, Luís Bernardo. Nós matamos o cão tinhoso. Lisboa: Cotovia, 2008.

Hall, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 5. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

Hall, Stuart. Identidade cultural e diáspora. In: Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Rio de Janeiro, IPHAN, 1996, p. 68-75.

Jolles, André. Formas simples. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Cultrix, 1976.

Maffesoli, Michel. O imaginário é uma realidade. Entrevista realizada por Juremir Machado da Silva, Paris, 20. 03.2001. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 15, agosto de 2001, p. 74-82. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/viewFile/3123/2395. Acesso em: 1 dez 2019.

Memmi, Albert. O retrato do colonizado precedido pelo retrato do colonizador. Tradução de Roland Corbisier e Mariza Pinto Coelho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977, p. 77-84.

Novaes Coelho, Nelly. A literatura infantil. São Paulo: Moderna, 2000.

Ong, Walter. Oralidade e cultura escrita. Tradução de Enid Abreu Dobránszky. Campinas: Papirus, 1998.

Propp, Vladimir I. Morfologia do conto maravilhoso. Tradução de Jasna Paravich Sarhan. Rio de Janeiro: Forense,1984.

Said, Edward W. Representação do intelectual: as Conferências Reith de 1993. Tradução de Milton Hatoum. São Paulo: Cia. Das Letras, 2005.

Santos, Boaventura Sousatextbf{. Pela mão de Alice. 7. ed. Porto: Afrontamento, 1999.

Woodward, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: Silva, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012, p. 7-72.

Publicado
2021-07-21
Como Citar
SILVA, A. Memória oral e identidade cultural na literatura infantil e juvenil moçambicana. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 34, p. 100-113, 21 jul. 2021.
Seção
Artigos