Os quartos de Erika e a madrugada, de David Mourão-Ferreira
Veredas 38
PDF

Palavras-chave

quatro estações, Erika e a madrugada, David Mourão-Ferreira, feminilidade.

Como Citar

JOÃO PIRES, M. D. Os quartos de Erika e a madrugada, de David Mourão-Ferreira. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, [S. l.], n. 38, p. 142–152, 2023. DOI: 10.24261/2183-816x1038. Disponível em: https://revistaveredas.org/index.php/ver/article/view/741. Acesso em: 14 jun. 2024.

Resumo

O presente artigo tem como propósito decifrar os dissolutos caminhos de Erika e a madrugada, o quarto e derradeiro conto do livro As quatro estações, de David Mourão-Ferreira. Nesta obra quaternária em que cada um dos contos sugere representar uma fase do ano, da vida e do amor, a personagem Erika incorpora o inverno, o ocaso, um ponto final a recompor-se enquanto se prepara para o começo de uma nova fase. Navegando entre a multiplicidade de leituras que as obras literárias despertam nos leitores comuns (e incomuns), este artigo ousa descortinar os murmúrios de um conto encontrado dentro das quatro paredes do quarto de Erika, alumiado pela luz da noite e a fitar a janela aberta para a cidade e para as madrugadas davidianas da feminilidade, da finitude dos amantes e do tempo que se adianta irrecorrível.

https://doi.org/10.24261/2183-816x1038
PDF
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Manuel Duarte João Pires