Tatuagens complicadas do meu peito: Camilo Pessanha, um artífice do ideograma
Colagem analógica de Gisele Gemmi Chiari
pdf

Palavras-chave

Camilo Pessanha
poesia chinesa
Imagismo.
ideograma

Como Citar

MARCHIORO, C. Tatuagens complicadas do meu peito: Camilo Pessanha, um artífice do ideograma. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, [S. l.], n. 39, p. 153–168, 2023. DOI: 10.24261/2183-816x1039. Disponível em: https://revistaveredas.org/index.php/ver/article/view/791. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar algumas composições de Clepsydra, 1920, de Camilo Pessanha, e estabelecer uma comparação entre sua obra e a escrita chinesa. Portanto, atenta-se para a qualidade visual da poesia de Pessanha e para o modo como leu, traduziu e trouxe aspectos da poesia chinesa para os seus versos. Promove-se, ainda, um diálogo entre o poeta coimbrão e a tradição poética chinesa, recuperando alguns importantes nomes em diversas épocas. Mostra-se, ainda, como Camilo Pessanha foi pioneiro no uso de temas provenientes da poesia oriental em sua escrita, antecipando elementos do imagismo. Desse modo, o artigo revela Pessanha, ao lado de Ezra Pound, como um precursor da incorporação da estética do ideograma na literatura do Ocidente. Ainda, comenta-se sobre a atividade tradutora do poeta, que age pela hospitalidade da língua, conforme Derrida, e de forma vampiresca ao usar a diferença a seu favor e trazê-la como parte da sua prática artística. Por fim, objetiva-se mostrar como a aprendizagem e a tradução de ideogramas alimentaram a poética de Camilo Pessanha e constituem questão central tanto de sua ética quanto de sua estética.

 

https://doi.org/10.24261/2183-816x1039
pdf

Referências

CABRINI JÚNIOR, Paulo de Tarso. Camilo Pessanha e o Tao Te Ching: um capítulo. 2009. Tese (Doutorado em Letras) - Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2009.

CAMPOS, Haroldo de. A operação do texto. São Paulo: Perspectiva, 1976.

CAMPOS, Haroldo de. Transluciferação mefistofáutica. In: CAMPOS, Haroldo de. Deus e o diabo no Fausto de Goethe. São Paulo: Perspectiva, 1981. p. 179-209.

CHENG, François. A escrita poética chinesa. Revista de Cultura, Macau, n. 25, A escrita poética chinesa, out./dez. 1995.

CHENG, François. L’écriture poétique chinoise. Paris: Seuil, 1982.

DERRIDA, Jacques; DUFOURMANTELLE, Anne. Da hospitalidade. São Paulo: Escuta, 2003.

EAGAN, Charles (org). Clouds thick, whereabouts unknown: poems by Zen monks of China. New York: Columbia University Press, 2010.

CABRINI JÚNIOR, Paulo de Tarso. Camilo Pessanha e o Tao Te Ching: um capítulo. 2009. Tese (Doutorado em Letras) - Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2009.

CAMPOS, Haroldo de. A operação do texto. São Paulo: Perspectiva, 1976.

CAMPOS, Haroldo de. Transluciferação mefistofáutica. In: CAMPOS, Haroldo de. Deus e o diabo no Fausto de Goethe. São Paulo: Perspectiva, 1981. p. 179-209.

CHENG, François. A escrita poética chinesa. Revista de Cultura, Macau, n. 25, A escrita poética chinesa, out./dez. 1995.

CHENG, François. L’écriture poétique chinoise. Paris: Seuil, 1982.

DERRIDA, Jacques; DUFOURMANTELLE, Anne. Da hospitalidade. São Paulo: Escuta, 2003.

EAGAN, Charles (org). Clouds thick, whereabouts unknown: poems by Zen monks of China. New York: Columbia University Press, 2010.

FRANCHETTI, Paulo. Nostalgia, exílio e melancolia: leituras de Camilo Pessanha. São Paulo: Edusp, 2001.

FUSHENG, Wu. The poetics of decadence: chinese poetry of the southern dynasties and late tang periods. New York: State University of New York Press, 1998.

HOUGH, Graham. Image and experience: studies in a literary revolution. London: Duckworth, 1960.

LOWELL, Amy; LAWRENCE, D. H. Some Imagist Poets. New York: Kessingger Publishing, 1915.

LOWELL, Amy; LAWRENCE, D. H. Some Imagist Poets. New York: Houghton Mifflin Company, 1916.

POETRY Magazine. Chicago: Poetry Foundation, 1913, v. 1, n. 6, Mar, 1913.

PESSANHA, Camilo. A poesia de Camilo Pessanha. Macau: Instituto Internacional de Macau, 2004.

PESSANHA, Camilo. Cartas a Alberto Osório de Castro, João Baptista de Castro e Ana de Castro Osório. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1984.

PESSANHA, Camilo. Clepsidra. Edição crítica, fixação do texto, introdução e notas de Barbara Spaggiari. Porto: Lello e Irmão, 1997.

PESSANHA, Camilo. Macau e a gruta de Camões. In: PIRES, Daniel (org). Camilo Pessanha: prosador e tradutor. Macau: Instituto Cultural de Macau; Instituto português do Oriente, 1992. p. 301-305.

PESSANHA, Camilo. O Progresso (Macau), 21 de março de 1915. In. PIRES, Daniel. Prefácio a Camilo Pessanha: prosador e tradutor. Macau: Instituto Cultural de Macau, 1992a. p. 165.

PESSANHA. Camilo. Correspondência, dedicatórias e outros textos. São Paulo: Unicamp, 2012.

PESSOA, Fernando. Cartas a João Gaspar Simões. 2. ed. Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 1982.

PIRES, Daniel. Cronologia da vida e da obra de Camilo Pessanha. In: PESSANHA, Camilo. Correspondência, dedicatórias e outros textos. São Paulo: Unicamp, 2012. p. 9-34.

POUND, Ezra. Make it new: essays by Ezra Pound. London: Yale University Press, 1934.

POUND, Ezra. Personae: the shorter poems. New York: New Directions Publ, 1990.

RUBIM, Gustavo. Experiência da alucinação: Camilo Pessanha e a questão da poesia. Lisboa: Caminho, 1993.

SEATON, Jerome P.; MALONEY. Dennis (ed.). A drifting boat: an anthology of Chinese Zen Poetry. New York: White Pine Press, 1994.

SIMAS, Monica. Margens do destino: Macau e a literatura portuguesa. São Caetano do Sul: Yendis Editora, 2007.

SPAGGIARI, Barbara. O simbolismo na obra de Camilo Pessanha. Tradução de Carlos Moura. Lisboa: Instituto da Cultura e da Língua Portuguesa Publicações, 1982.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Camila Marchioro