Refúgio, exílio e hospitalidade em Agora vai ser assim, de Leonardo Tonus e Teoria da fronteira, de José Tolentino Mendonça
Capa Veredas 36
PDF

Palavras-chave

Literatura comparada
poesia contemporânea
refúgio

Como Citar

PACHECO, K. C. Refúgio, exílio e hospitalidade em Agora vai ser assim, de Leonardo Tonus e Teoria da fronteira, de José Tolentino Mendonça. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, [S. l.], n. 36, p. 113–125, 2022. DOI: 10.24261/2183-816x0836. Disponível em: https://revistaveredas.org/index.php/ver/article/view/816. Acesso em: 23 fev. 2024.

Resumo

A recusa da aceitação resignada da atual condição (des)humana parece gerar o ato poético de parte da produção de Leonardo Tonus e José Tolentino Mendonça. A questão do refúgio e o gesto ético humano de hospitalidade são temáticas que atravessam as obras Agora vai ser assim (2018) e Teoria da fronteira (2017), publicadas respectivamente no Brasil e em Portugal. Ambas são tocadas pela crise dos migrantes na Europa de 2015 que, como afirma Michel Agier, é muito mais que uma crise dos Estados europeus face aos imigrantes, trata-se de uma crise da representação do outro. Nesse passo, Tonus e Mendonça propõem uma saída para a inquietude do tempo em que a xenofobia assustadoramente ocupa um status de racionalidade nas práticas e políticas contemporâneas, e onde o exílio não tem provocado reparação alguma, mas prolongado o trauma em um sofrimento político de uma condição que é imposta como incerta, precária. Com base nos estudos de Alexis Nouss, Michel Agier e outros, pretendemos percorrer algumas imagens poéticas a fim de estabelecer reflexões em torno da vivência do refúgio na contemporaneidade.

https://doi.org/10.24261/2183-816x0836
PDF
Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Keli Cristina Pacheco