A autópsia do feminicídio na ficção de Marina Colasanti e Patrícia Melo

Palavras-chave: valores morais, violência contra a mulher, literatura contemporânea

Resumo

Este artigo traz um estudo sobre as diferentes formas como o feminicídio conjugal está representado nas narrativas de Marina Colasanti e Patrícia Melo. Para essas autoras, o repertório do feminicídio está relacionado a valores misóginos, que entrecruzam o culto da honra masculina e o ódio à mulher advindo da tradição patriarcal conservadora. Nesse tipo de crime, há um conjunto de códigos, compartilhados coletivamente, que fazem parte de uma língua espectral, conforme Giorgio Agamben (2010). Entre tais códigos, destacamos ``permissão de matar'', conforme Lia Zanotta Machado (2019); ``confraria machista'', articulada por Rita Segato (2005); e ``aniquilamento simbólico'', segundo estudos de Lourdes Bandeira e Maria José Magalhães (2019). Nesta discussão identificamos como Colasanti e Melo questionam a permanência desses códigos por meio uma autópsia moral do feminicídio

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Da utilidade e dos inconvenientes do viver entre espectros”. In: AGAMBEN, Giorgio. Nudez. Tradução Miguel Serras Pereira. Lisboa: Relógio D’água, 2010, p. 51-56.

BANDEIRA, Lourdes Maria; MAGALHÃES, Maria José. A transversalidade dos crimes de feminicídio/femicídio no Brasil e em Portugal. Revista da Defensoria Pública do Distrito Federal, Brasília, v. 1, n. 1, p. 29-56, 2019. Disponível em: <http://revista.defensoria.df.gov.br/revista/index.php/revista/article/view/32>. Acesso em 10 fev. de 2022.

COLASANTI, Marina. Contos de amor rasgados. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 2010.

COLASANTI, Marina. Um espinho de marfim e outras histórias. Porto Alegre: L&PM, 2012.

DERRIDA, Jacques. Anne Dufourmantelle convida Jacques Derrida a falar da hospitalidade. Tradução de Antonio Ramane. São Paulo: Escuta, 2003.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 1994.

FIGUEIREDO, Eurídice. Violência e sexualidade em romances de autoria feminina. Interdisciplinar - Revista de Estudos de Língua e Literatura, São Cristóvão, UFS, v. 32, jul.-dez., p. 137-149, 2019.

GOMES, Carlos. Magno. Os espectros do feminicídio em Lygia Fagundes Telles. Revista Araticum, Montes Claros, Unimontes, v. 19 n. 1, p. 23-38, 2019. Disponível em: <https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/araticum/article/view/106/111>. Acesso em: 15 fev. 2021.

GOMES, Carlos. Magno. A hostilidade do feminicídio em Nélida Piñon. Acta Scientiarum Language and Culture, Maringá, Universidade de Marigá, n. 42, v. 1, p. 01-09, 2020. Disponível em: <https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciLangCult/article/view/52167>. Acesso em: 15 mar. 2021.

GOMES, Carlos Magno. O corpo feminino como intertexto moral do feminicídio. FronteiraZ, PUC SP, São Paulo, v. 26, p. 150-164, 2021. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/index.php/fronteiraz/article/view/53384/pdf>. Acesso em 10 de mar 2022.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da paródia: ensinamentos das formas de arte do século XX. Trad. Teresa Pérez. Lisboa: Edições 70, 1989.

LUDMER, Josefina. Literaturas postautónomas. Propuesta Educativa, n. 32, v. 12, año.18, nov. 2009, p. 41-45. Disponível em: <http://propuestaeducativa.flacso.org.ar/wp-content/uploads/2019/12/32-dossier-Ludmer.pdf>. Acesso em: 12 mai. 2021.

MACHADO, Lia Zanotta. Violência contra as mulheres: diálogos entre feminismo e ciência social. In: DIAS, Alfrancio et al. (Orgs.) A transversalidade de gênero na produção do conhecimento e nas políticas públicas. Aracaju: Editora IFS, 2017. p. 37-54.

MACHADO, Lia Zanotta. Féminicide: nommer pour exister. Brésil(s), Institut des Sciences Humaines et Sociales du CNRS, Paris, v. 16, 2019, p. 01-21. Disponível em: <http://journals.openedition.org/bresils/5576>. Acesso em 17 jan. 2020.

MELO, Patrícia. Mulheres empilhadas. São Paulo: leYa, 2019.

PASINATO, Wânia. Feminicídios e as mortes de mulheres no Brasil. Cadernos Pagu. Campinas, Núcleo de Estudos de Gênero, UNICAMP, v. 37, 2011, p. 219-246.

PIÑON, Nélida. Sangue esclarecido. In: PIÑON, Nélida. Sala de armas. Rio de Janeiro: Record, 1997.

SEGATO. Rita Laura. Território, soberania e crimes de segundo Estado: a escritura nos corpos das mulheres de Ciudad Juarez. Estudos Feministas. Florianópolis, UFSC, v. 13, n. 2, 2005, p. 265-285. Disponível em <https://www.scielo.br/j/re /a/cVyTVdFx8FVgcppK7QNQr4B/?lang=pt>. Acesso em 30 abr. 2022.

TELLES, Lygia Fagundes. Venha ver o pôr do sol. In: TELLES, Lygia Fagundes. Antes do baile verde. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

XAVIER, E. Que corpo é esse? O corpo no imaginário feminino. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2021.

ZOLIN, Lúcia Osana. Elas escrevem sobre o quê?: temáticas do romance brasileiro contemporâneo de autoria feminina. Interdisciplinar - Revista de Estudos de Língua e Literatura, São Cristóvão, UFS, vol. 35, n. 1, p. 13-40, jan./jun. 2021. Disponível em <https://seer.ufs.br/index.php/interdisciplinar/article/view/15685>. Acesso em 20 de abr. 2022.

Publicado
2022-09-04
Como Citar
GOMES, C. A autópsia do feminicídio na ficção de Marina Colasanti e Patrícia Melo. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 37, p. 9-23, 4 set. 2022.
Seção
Dossiê