As cantigas em tétum terik: um género a descobrir
Colagem analógica de Gisele Gemmi Chiari
pdf

Palavras-chave

Cantigas
Textos orais
Tétum terik
Tétum vernáculo
Tétum clássico

Como Citar

SARMENTO XIMENES , F. de F.; TREVISAN, A. L. As cantigas em tétum terik: um género a descobrir. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, [S. l.], v. 40, p. 145–155, 2023. DOI: 10.24261/2183-816x1040. Disponível em: https://revistaveredas.org/index.php/ver/article/view/891. Acesso em: 25 abr. 2024.

Resumo

Neste artigo são estudados textos orais produzidos em tétum terik, ou seja, o tétum vernáculo que conserva a pureza original; genuíno, sem estrangeirismos; o tétum clássico ou tradicional, considerado um modelo literário utilizado pelos anciãos nos seus contatos cotidianos, principalmente nas suas cerimônias culturais tradicionais que gradativamente tendem cair em desuso. As expressões recolhidas nesses textos orais referem-se a diferentes contextos e situações familiares ou sociais e são matérias basilares à compreensão da literatura em seu tríplice aspecto: o social, o histórico e o estético. O estudo desses textos orais permite um aprofundamento da compreensão da comunhão de língua e cultura, apontando como a leitura e a interpretação críticas dos textos literários significam uma capacidade de desvendamento das identidades plurais dos sujeitos em espaços plurilinguísticos. O exame dos textos pertencentes à tradição oral resgata, primeiramente, a figura dos anciãos, enquanto detentores das cantigas, hamulac/k, do ato de rezar, orar, fazer oração, dadolin/dadôulic, malakar e da poesia de quatro a cinco versos constituídos essencialmente por dísticos. Nas análises aqui apresentadas revelam-se diálogos, nos planos de conteúdo e de expressão, com sátiras e cantigas de escárnio e maldizer, presentes na lírica trovadoresca portuguesa, revelando, ao mesmo tempo, aspectos sociais e culturais que asseguram a singularidade das tradições timorenses.

https://doi.org/10.24261/2183-816x1040
pdf

Referências

CHEVALIER, Jean; CHERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. Lisboa: Editorial Teorema, 1982.

CINATTI, Ruy. Um Cancioneiro para Timor. Lisboa: Editorial Presença, 1980.

COSTA, Luís. Dicionário de Tétum Português. Lisboa: Colibri, 2012.

DUARTE, Jorge Barros. Em Terras de Timor. Lisboa, 1987.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário de Língua Portuguesa. São Paulo: Fronteira, 2010.

MENDES, Manuel Patrício. Dicionário Tétum-Português. Macau, 1935.

NASCIMENTO, Zacarias Santos; LOPES, Maria do Céu Vieira. Domínios gramática da língua portuguesa. Lisboa: Plátano Editora, 2012.

PAULINO, Vicente; CUNHA, Maria; GOMES, Nuno. Timor-Leste literatura, tradição oral e ensino. Díli Timor-Leste, 2022.

SARMENTO, Eugénio do Sagrado Coração de Jesus. Entrevista concedida a Fernanda Sarmento. Díli, 2014.

SILVA, Rosa da. Entrevista concedida a Eleonora Celestina Augusto Sarmento Magno Ximenes. Soibada, 2022

SOARES, Agostinha. Entrevista concedida a Fernanda Sarmento. Laclúbar, 2014.

TREVISAN, Ana Lúcia. Violência e horror: uma comunhão de imagens no romance Enterre seus mortos (2018), de Ana Paula Maia. Eixo Roda, Belo Horizonte, v. 31, n. 3, p. 205-219, 2022

VELOSO, João. Portugal nãoé o dono da língua portuguesa In: SOUZA, Sweder; OLMO, Francisco Calvo del. Línguas em Português: a lusofonia numa visão crítica. Porto: U.Porto Press, 2020. p. 157-173.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 Ana Lucia Trevisan, Fernanda de Fátima Sarmento Ximenes