Leitura literária como performance e o circuito dos afetos na biblioteca
Colagem analógica de Gisele Gemmi Chiari
pdf

Palavras-chave

leitura literária
performance
circuito dos afetos

Como Citar

CHIARI, G. G. Leitura literária como performance e o circuito dos afetos na biblioteca. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, [S. l.], n. 39, p. 82–95, 2023. DOI: 10.24261/2183-816x0639. Disponível em: https://revistaveredas.org/index.php/ver/article/view/894. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

O artigo a seguir apresenta algumas reflexões sobre quais seriam os objetivos e perspectivas das práticas de leitura literária hoje a partir da realização do projeto “Itinerários de Leitura Literária e o circuito dos afetos na biblioteca”, e considerando a obra de Paul Zumthor acerca da relação entre performance, recepção e leitura e as proposições do filósofo Vladimir Safatle a respeito de como os afetos criam vínculos e organizam o tecido social. Dito de outra maneira, a partir de uma noção amplificada do termo performance, no sentido da percepção e recepção da literatura no momento em que ela é presentificada no ato de leitura ou de escuta, propõe-se pensar como a prática da leitura literária pode ensejar dinâmicas sociais de transformação, do circuito dos afetos, ocasionadas pela fruição poética tendo como base o que foi experienciado nos encontros com as bibliotecárias e bibliotecários, dentre outros colaboradores, das bibliotecas públicas do município de Londrina durante o desenvolvimento do projeto.

https://doi.org/10.24261/2183-816x0639
pdf

Referências

ARAÚJO, Leda Maria; MORAES, Marcos Antônio; GASPARINI, Zoraide Aparecida. Perfil das Bibliotecas Públicas Municipais de Londrina. In: SEMINÁRIO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO – SECIN, 8., 2019, Londrina. Anais [...]. Londrina: UEL, 2019. p. 311-324.

AZEVEDO, Ricardo. O príncipe encantado no reino da escuridão. In: AZEVEDO, Ricardo. No meio da noite escura tem um pé de maravilha: contos folclóricos de amor e de aventura. São Paulo: Ática, 2002. p. 29-39.

BASHÔ, Matsuo. 39 haikais de Bashô. Tradução e seleção de Gonçalo Bolliger. [s.l.: s.n.], 2020. E-book.

BATAILLE, Georges. O erotismo. Tradução de Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética relacional. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

CABRAL, Ana Maria Rezende. Ação cultural: possibilidades de atuação do bibliotecário. In: VIANNA, Márcia Milton; CAMPELLO, Bernadete; MOURA, Victor Hugo Vieira. Biblioteca escolar: espaço de ação pedagógica. Belo Horizonte: EB/UFMG, 1999. p. 39-45.

CALVINO, Italo. Um general na biblioteca. In: CALVINO, Italo. Um general na biblioteca. Tradução de Rosa Freire Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2001. p. 74-79.

CAMPELLO, Filipe. Crítica dos afetos. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2022.

CHAIB, Lidia; RODRIGUES, Elizabeth. Quem tem razão? In: Ogum o rei de muitas faces e outras histórias dos orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2000. p. 14-15.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador: conversações com Jean Lebrun/Roger Chartier. Tradução de Reginaldo de Carmello Corrêa de Moraes. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 1998.

CHENG’EM, Wu. A sentença. Trad. Flávio Moreira da Costa. In: COSTA, Flávio Moreira da. Os melhores contos fantásticos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016. p.41.

CLOUGH, Patricia Ticineto. Introduction. In: CLOUGH, Patricia Ticineto; HALLEY, Jean (editors). The affective turn: theorizing the social. Halley. Durham, N.C.: Duke University Press, 2007. p. 1-33.

CLOUGH, Patricia Ticineto; HALLEY, Jean. (ed.). The affective turn: theorizing the social. Durham: Duke University Press, 2007.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Que emoção! Que emoção? Tradução de Cecília Ciscato. São Paulo: Editora 34, 2016.

ERLBRUCH, Wolf. O pato, a morte e a tulipa. Tradução de José Marcos Macedo. São Paulo: Cosac & Naify, 2012.

ESTÉS, Clarissa Pinkola. Vasalisa, a sabida In: ESTÉS, Clarissa Pinkola. Mulheres que correm com os lobos. Tradução de Waldéa Barcellos. Rio de Janeiro: Rocco, 2018. p. 92-97.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. In: EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas, 2014. p. 11-14.

FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL. Biblioteca Pública: princípios e diretrizes. 2. ed. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2010.

GAIMAN, Neil. Coraline. Tradução de Bruna Beber. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2020.

GALEANO, Eduardo. A função da arte 1. In: GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Tradução de Eric Nepomuceno. 9. ed. Porto Alegre: L&PM, 2002. p. 12.

GRIMM, Jacob; GRIMM, Wilhelm. Jorinda e Joringel. In: GRIMM, Jacob; GRIMM, Wilhelm. Contos infantis: os melhores contos dos irmãos Grimm. Trad. Thiago Sagardoy. São Paulo: Hunter Books, 2016. p. 45-51.

HARDT, Michel. Para o que servem os afetos? Tradução de Luiz Roberto Leite Faria Intersemiose: Revista Digital, Recife, ano 4, n. 7, p. 9-14, jan./jun. 2015.

INSTITUTO PRÓ-LIVRO; ITAÚ CULTURAL. Retratos da leitura no Brasil. 5. ed. São Paulo: Itaú Cultural, 11 set. 2020. Disponível em: https://www.prolivro.org.br/wp-content/uploads/2020/12/5a_edicao_Retratos_da_Leitura-_IPL_dez2020-compactado.pdf . Acesso em: 17 jun. 2023.

LEMINSKI, Paulo. Distraídos venceremos. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

LERAY, Marjolaine. Uma chapeuzinho vermelho. Tradução de Júlia Moritz Schwarcz. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2012.

LÓPEZ, Anabella. Barbazul. Tradução de Susana Ventura. São Paulo: Aletria, 2017.

MACHADO, Elisa Campos. Análise de políticas públicas para bibliotecas no Brasil. InCID: Revista Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, v. 1, n. 1, p. 94-111, 2010.

MÁRQUEZ, Gabriel García. Assombrações de agosto. In: MÁRQUEZ, Gabriel García. Doze contos peregrinos. Tradução de Eric Nepomuceno. Rio de Janeiro: Record, 1992. p. 127-133.

MORIN, André. Pesquisa-ação integral e sistêmica: uma antropopedagogia renovada. Trad. Michel Thiollent. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

MÜLLER, Bruno Raphael. Retratos da leitura no Brasil. Curitiba: Biblioteca Pública do Paraná, 2020. Disponível em: https://www.bpp.pr.gov.br/Candido/Noticia/Reportagem-Retratos-da-Leitura-no-Brasil. Acesso em: 17 jun. 2023.

PRANDI, Reginaldo. Contos e lendas afro-brasileiros: a criação do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

RANCIÈRE, Jacques. Questões de limites: arte, política e ética. Tradução de Jorge Leandro Rosa. Lisboa: KKYM, 2019.

REZENDE, Maria Valéria. Hai-Quintal: haicais descobertos no quintal. Belo Horizonte: Autêntica,2011.

RUIZ S., Alice. Conversa de passarinhos: haikais para crianças de todas as idades. São Paulo: Iluminuras, 2010.

SAFATLE, Vladimir O circuito dos afetos: corpos políticos, desamparo e o fim do indivíduo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

SAFATLE, Vladimir. Uma gramática só não basta (Prefácio). In: CAMPELLO, Filipe. Crítica dos afetos. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2022. p. 9-12.

SENDAK, Maurice. Onde vivem os monstros. Tradução de Heloisa Jahn. São Paulo: Cosac & Naify, 2009.

SPINOZA. Ética. Tradução de Tomaz Tadeu. Rio de Janeiro: Autêntica, 2007.

STEVENSON, R. L. A ilha do tesouro. Tradução de Samir Machado de Machado. Rio de Janeiro: Antofágica, 2022.

TELLES, Lygia Fagundes. Natal na barca. In: TELLES, Lygia Fagundes. Venha ver o pôr-do-sol e outros contos. São Paulo: Ática, 2007. p. 21-27

THIOLLENT, Michel. Prefácio. In: MORIN, André. Pesquisa-ação integral e sistêmica: uma antropopedagogia renovada. Tradução de Michel Thiollent. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. Tradução de Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich, São Paulo: Ubu Editora, 2018.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Gisele Gemmi Chiari