Memória, hibridismo e subalternidade em "O plantador de abóboras" de Luís Cardoso
Colagem analógica de Gisele Gemmi Chiari
pdf

Palavras-chave

Literatura timorense
Luís Cardoso
Memória
Hibridismo
Subalternidade

Como Citar

ALBINO, S. Memória, hibridismo e subalternidade em "O plantador de abóboras" de Luís Cardoso. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, [S. l.], v. 40, p. 92–103, 2023. DOI: 10.24261/2183-816x0640. Disponível em: https://revistaveredas.org/index.php/ver/article/view/924. Acesso em: 25 abr. 2024.

Resumo

O romance O plantador de abóboras, de Luís Cardoso, apresenta-se como um extenso monólogo em prosa poética em que a narradora e protagonista entrelaça as suas vivências com as dos seus antepassados. A partir do testemunho ficcional, assiste-se à revisitação de um século de história de Timor-Leste e a uma textualização da mulher timorense, ambas marcadas pela violência dos ocupantes, dos resistentes e daqueles que exercem o poder. Ao eleger uma voz feminina, o escritor eleva a mulher do seu estatuto subalterno, tornando audível uma voz habitualmente silenciada por uma sociedade que tem perpetuado a sua invisibilidade. Com o presente artigo, propomo-nos abrir um espaço de reflexão em torno do lugar da memória na (re)escrita da história, dos conceitos de fronteira e de hibridez e das relações de género, à luz do pensamento pós-colonial, dos estudos culturais e dos estudos subalternos. O desenvolvimento da nossa análise tem como suporte os trabalhos de autores como Edward Said, Homi Bhabha e Gayatri Spivak.

https://doi.org/10.24261/2183-816x0640
pdf

Referências

ALBINO, Susete. Time and space configurations in Luís Cardoso’s O Plantador de Abóbora. In: KING, Mário S. Ming; MONTEIRO, Maria Rosário; NETO, Maria João Pereira (Ed.). Proportion; Harmonies; Identities: Time and Space. PHI 2022. Leiden: CRC Press/Routledge-Taylor & Francis, 2023.

ARAÚJO, Irta Sequeira Baris. O sagrado na cultura das parteiras do Timor-Leste. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

ASHCROFT, Bill; GRIFFITHS, Gareth; TIFFIN, Helen. Post-colonial studies: the key concepts. 2. ed. New York: Routledge, 2007.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. 3.ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2005.

CARDOSO, Luís. Ainda é cedo para se escrever a História. Timor Agora, 02 dez. 2015. Disponível em: https://timoragora.blogspot.com/2015_12_02_archive.html. Acesso em: 2023.

CARDOSO, Luís. O plantador de abóboras. Lisboa: Abysmo, 2020.

ESCRITOR Luís Cardoso diz que prémio Oceanos abre caminho para literatura timorense. Renascença, Lisboa, 8 dez. 2021. Disponível em: https://rr.sapo.pt/noticia/vida/2021/12/08/escritor-luis-cardoso-diz-que-premio-oceanos-abre-caminho-para-literatura-timorense/263835/. Acesso em: 2023.

ITAÚ CULTURAL. Anúncio dos vencedores – Prêmio Oceanos 2021 (Libras). YouTube, 8 dez. 2021. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=_-Ew7Vx8wE4. Acesso em: 28 jul. 2023

LUSA. Ainda é cedo para se escrever a História de Timor - Escritor Luís Cardoso. RTP Notícias, Portugal, 25 nov. 2015. Disponível em: https://www.rtp.pt/noticias/cultura/ainda-e-cedo-para-se-escrever-a-historia-de-timor-escritor-luis-cardoso_n876590. Acesso em: 2023.

LUSA. Romance “O Plantador de Abóboras” do timorense Luís Cardoso vence prémio Oceanos 2021. Observatório da Lingua Portuguesa, lisboa, 8 dez. 2021. Disponível em: https://observalinguaportuguesa.org/82359-2/. Acesso em: 2023.

REIS, Carlos. Apresentação. In: REIS, Carlos. Discursos: estudos de língua e cultura portuguesa. Lisboa: Universidade Aberta, maio 1994. n. 7, p.9-10.

SAID, Edward W. Culture et impérialisme. France: Librairie Arthème Fayard, Le Monde diplomatique, 2000.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode a subalterna tomar a palavra? Lisboa: Orfeu Negro, 2021.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 Susete da Conceição Costa Albino