[1]
M. Paim, “Magra de ruim: gênero, sexualidade e a ficcionalização de s”i, VAIL, nº 31, p. 86-98, maio 2020.