[1]
A. P. Santos, “A licenciosidade possível em Enervadas (1922), de Mme. Chrysanthèm”e, VAIL, nº 31, p. 200-213, maio 2020.