[1]
F. W. Conceição e R. Paulino, “O romance histórico de Eliane Alves Cruz: necropoder, violência, colonialidade do corpo e doenças infecciosa”s, VAIL, nº 37, p. 51-65, set. 2022.