A máquina do mundo de Paulo José Miranda: a vertigem tanatológica de seus mecanismos

  • Paulo César Thomaz
Palavras-chave: Paulo José Miranda, violência, errância, tanatologia

Resumo

A errância, o exílio e a precariedade das maneiras coletivas de viver na contemporaneidade são os elementos que a narrativa A máquina do mundo, do escritor Paulo José Miranda, encontra para tratar de temas como a violência e o autoritarismo. A atmosfera irreal e a vertigem das tramas dos jogos eletrônicos de ação presentes na obra constituem, desde o paradoxo e a paródia, um exercício tanatológico e um uso possível dos códigos das narrativas fílmicas de massa para criar uma versão cultural que disputa os significados do presente. O intenso apagamento das fronteiras do gênero que observamos no romance, da reflexão filosófica ao melodrama, do enredo detetivesco ao grotesco, coloca em suspense as normas discursivas literárias e possibilitam a apreensão desconcertante e singular das formas de destruição da vida e da memória nos tempos recentes.

Referências

Agamben, Giorgio. Profanaciones. Buenos Aires: Adriana Hidalgo, 2005.
Anders, Gunther. La obsolescencia del hombre. Sobre la destrucción de la vida en la época de la tercera revolución industrial. Valencia: Pré-textos, 2011.
Barghout, Mourid. Vivemos em tempos de linguagem poluída. Disponível em: http://www.alfarrabio.org/arquivos/2270. Acesso em: 15 out. 2016.
Carmelo, Luís. Uma infinita voz. Sobre Exercícios de humano de Paulo José Miranda. Lisboa: Abysmo, 2016.
Carvalho, Bernardo. O sol se põe em São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
Carvalho, Bernardo. Reprodução. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.
Castro-Gómez, Santiago. Historia de la gubernamentalidad I : razón de Estado, liberalismo y neoliberalismo en Michel Foucault. Bogotá: Siglo del Hombre, 2010.
Dadoun, Roger. A violência. Ensaio sobre o Homo violens. Mem Martins: Publicações Europa–América, 1998
Gefaell, Clara Valverde. De la necropolítica liberal a la empatía radical. Violencia discreta, cuerpos excluidos y repolitización. Barcelona: Icaria-Más Madera, 2015.
Grzinic, Marina. From biopolitics to Necropolitics in relation to the Lacanian four discourses. In: Simposium Art and Research: Shared methodologies, Politics and Translation. Barcelona, Universidad de Barcelona, 6-7 Sept. 2012. Disponível em: https://goo.gl/fxeyUV.
Morais, Fernando. João Hansen: livro de Michel Temer é um crime contra a linguagem. Disponível em: . Acesso em: 17 abr. 2018.
Lísias, Ricardo. O livro dos mandarins. Rio de Janeiro: Alfaguara; Objetiva, 2009.
Mansano, Sonia Regina Vargas. Medo e controle: traçados diagnósticos sobre a vida contemporânea. In: Seminário de Pesquisa em Ciências Humanas — Sepech, 8., Universidade Estadual de Londrina. Anais... Londrina: UEL, 2010. v. 1, p. 1.911-1.923. Disponível em: https://goo.gl/bxpm14. Acesso em: 8 out. 2016.
Mbembe, Achille. Necropolítica. Barcelona: Melusina, 2011.
Miranda, Paulo José. A doença da felicidade. Lisboa: Abysmo, 2015a.
Miranda, Paulo José. A máquina do tempo. Lisboa: Abysmo, 2014a.
Miranda, Paulo José. Exercícios de humano. Lisboa: Abysmo, 2015b.
Miranda, Paulo José. Filhas. Alfragide: Oficina do livro, 2012.
Miranda, Paulo José. Natureza morta. Lisboa: Cotovia, 1998.
Miranda, Paulo José. Todas as cartas de amor. Lisboa: Abysmo, 2014b.
Pelbart, Peter Pal. Vida e morte em contexto de dominação biopolítica. Conferência. In: Ciclo “O Fundamentalismo Contemporâneo em Questão”. São Paulo: IEA/USP, 3 out. 2008.
Salve Geral. Direção de Sérgio Resende. Rio de Janeiro: Toscana Audiovisual; Globo Filmes, 2009. 1 DVD (1h59 min).
Santaella, Lúcia. Pós-humano — Por quê? Revista USP, São Paulo, n. 74, p. 126-137, jun./ago. 2007. Disponível em: .
Schøllammer, Karl Erik. Cena do crime: violência e realismo no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.
Temer, Michel. Anônima intimidade. Rio de Janeiro: Topbooks, 2013.
Publicado
2018-05-23
Como Citar
THOMAZ, P. C. A máquina do mundo de Paulo José Miranda: a vertigem tanatológica de seus mecanismos. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 26, p. 48-59, 23 maio 2018.
Seção
Artigos