O manto de aporias: cultura, território e barroco na dinâmica socio-histórica do Estado de Minas Gerais

  • Anelito Pereira de Oliveira
Palavras-chave: Barroco, cultura, território, Minas Gerais, literatura

Resumo

Este artigo propõe uma interpretação da relação entre literatura e barroco em Minas Gerais, no período que se estende do século XVIII ao XX, a partir da elucidação do antagonismo evidente entre cultura e território, de que a obra atribuída a Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, diretamente vinculada à produção da cidade, é referência. Trata-se de exploração de base epistemológica, interessada numa teoria do conhecimento barroco, animada pela premissa de que a complexidade constitutiva do “barroco mineiro” deriva de seu estatuto histórico não exclusivamente artístico, de seu vínculo com a dinâmica social, com a questão urbana nas Minas coloniais. Pretende-se contribuir, sobretudo, para a superação de uma narrativa sobre o “barroco mineiro” esteticista, tanto quanto historicista, que o coloca como capital cultural resolvido, não como problema histórico inscrito na dinâmica sociopolítica brasileira, não apenas mineira.

Referências

Anastasia, Carla Maria Junho. A geografia do crime: violência nas Minas setecentistas. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2005.

Andrade, Carlos Drummond de. A visita. Planejamento editorial e gráfico de José Mindlin. Fotografias de Maureen Bisilliat. São Paulo: Digital, 1977.

Andrade, Carlos Drummond de. Carlos e Mário: correspondência de Carlos Drummond de Andrade e Mário de Andrade. Rio de Janeiro: Bem-te-vi, 2002.

Andrade, Francisco Eduardo de. A invenção das Minas Gerais: empresas, descobrimentos e entradas nos sertões do ouro da América portuguesa. Belo Horizonte: Autêntica; Editora PUC-Minas, 2008.

Andrade, Mário de. Aspectos das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Martins, 1965.

Arendt, Hannah. A vita activa e a condição humana. In: Arendt, Hannah. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

Argan, Giulio Carlo. História da arte como história da cidade. Tradução de Luigi Cabra. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Ávila, Affonso. Circularidade da ilusão e outros textos. São Paulo: Perspectiva, 2004.

Ávila, Affonso. Resíduos seiscentistas em Minas. Belo Horizonte: Centro de Estudos Mineiros, 1967. 2 v.

Bhabha, Homi. O bazar global e o clube dos cavalheiros ingleses: textos seletos. Organização de Eduardo F. Coutinho. Tradução de Teresa Dias Carneiro. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

Bhabha, Homi. O local da cultura. Tradução de Myriam Ávila et al. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998.

Bomeny, Helena (Org). Constelação Capanema: intelectuais e políticas. Rio de Janeiro: FGV; Bragança Paulista: Universidade São Francisco, 2001.

Boschi, Caio C. (Org.). Inventário dos manuscritos avulsos relativos a Minas Gerais existentes no Arquivo Histórico Ultramarino (Lisboa). Belo Horizonte: FJP, 1998. 3 v.

Bourdieu, Pierre. É possível um ato desinteressado? In: Bourdieu, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Tradução de Mariza Corrêa. Campinas: Papirus, 2014.

Bourdieu, Pierre. O mercado de bens simbólicos. In: Bourdieu, Pierre. A economia das trocas simbólicas. Organização de Sergio Miceli. Tradução de Sergio Miceli et al. São Paulo: Perspectiva, 2011.

Bourdieu, Pierre; Passeron, Jean-Claude. Fundamentos de uma teoria da violência simbólica. In: Bourdieu, Pierre; Passeron, Jean-Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Tradução de Reynaldo Bairão. Petrópolis: Vozes, 2008.

Campos, Haroldo de. O seqüestro do barroco na formação da literatura brasileira: o caso Gregório de Matos. Salvador: Casa de Jorge Amado, 1989.

Canclini, Néstor García. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. Tradução de Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão. São Paulo: Edusp, 1998.

Candido, Antonio. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. Belo Horizonte: Itatiaia, 1981. 2 v.

Carvalho, (Theóphilo) Feu de. Aleijadinho. Belo Horizonte: Edições Históricas, 1934.

Carvalho, José Murilo de. Ouro, terra e ferro: vozes de Minas. In: GOMES, Angela de Castro. Minas e os fundamentos do Brasil moderno. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2005.

Dias, Fernando Correia. Ouro Preto: território da palavra — Instituições e práticas intelectuais. Oficina do Inconfidência: Revista de Trabalho, Ouro Preto, ano 2, n. 1, 2001.

Egleaton, Terry. The idea of culture. Nova Jersey: John Wiley & Sons, 2013.

Fonseca, Cláudia Damasceno. Arraiais e vilas d’el rei: espaço e poder nas Minas setecentistas. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2011.

Foucault, Michel. Outros espaços. In: Foucault, Michel. Estética: literatura e pintura, música e cinema. Organização de Manoel Barros da Motta. Tradução de Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense, 2009. (Coleção Ditos & Escritos).

Freyre, Gilberto. Interpretação do Brasil: aspectos da formação social brasileira como processo de amalgamento de raças e culturas. Tradução de Olívio Montenegro. Rio de Janeiro: José Olympio, 1947.

Frieiro, Eduardo. O diabo na livraria do Cônego. São Paulo: Edusp; Belo Horizonte: Itatiaia, 1981.

Garcia, Juliane Martins. Traços hispânicos no processo de latinidade da arquitetura colonial em Minas Gerais. 2005. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) — Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2005.

Lévi-Strauss, Claude. Natureza e cultura. In: Lévi-Strauss, Claude. As estruturas elementares do parentesco. Tradução de Mariano Ferreira. Petrópolis: Vozes, 1982.

Libby, Douglas Cole. As populações escravas das Minas setecentistas: um balanço preliminar. In: Resende, Maria Efigênia Lage de; Vilalta, Luiz Carlos (Org.). História de Minas Gerais: as Minas setecentistas. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. v. 1.

Lima Júnior, Augusto de. O Aleijadinho e a arte colonial. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 1942.

Lima, Alceu Amoroso. Voz de Minas: ensaio de sociologia regional brasileira. Petrópolis: Vozes, 2000.

Lima, Lezama. A expressão americana. Tradução de Irlemar Chiampi. São Paulo: Brasiliense, 1988.

Lukács, Georg. Estética. Tradução de Manuel Sacristán. Barcelona: Grijalbo, 1967.

Machado, Lourival Gomes. Barroco mineiro. Organização de Francisco Iglésias. São Paulo: Perspectiva, 1991.

Maravall, José Antonio. A cultura do barroco. Tradução de Silvana Garcia. São Paulo: Edusp; Imprensa Oficial, 1997.

Maxwell, Kenneth. A devassa da devassa: a Inconfidência Mineira — Brasil e Portugal (1750-1808). Tradução de João Maia. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

Maxwell, Kenneth. Conjuração mineira: novos aspectos. Estudos Avançados, São Paulo, v. 3, n. 6, maio/ago. 1989.

Moraes, Fernanda Borges de. De arraiais, vilas e caminhos: a rede urbana das Minas coloniais. In: Resende, Maria Efigênia Lage de; Vilalta, Luiz Carlos (Org.). História de Minas Gerais: as Minas setecentistas. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. v. 1.

Oliveira, Anelito de. A condição mineira: Drummond e a cultura do barroco. Revista USP, São Paulo, n. 114, p. 159-170, 2017.

Panofsky, Erwin. Idea: a evolução do conceito de belo. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

Rancière, Jacques. O dissenso. In: Novaes, Adauto (Org.). A crise da razão. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

Resende, Maria Efigênia Lage de. Itinerários e interditos na territorialização das Geraes. In: Resende, Maria Efigênia Lage de; Vilalta, Luiz Carlos (Org.). História de Minas Gerais: as Minas setecentistas. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. v. 1.

Ribeiro, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

Rouanet, Sérgio Paulo. As Minas iluminadas: a Ilustração e a Inconfidência. In: Novaes, Adauto (Org.). Tempo e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

Santiago, Silviano. A construção de Aleijadinho. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 15 jan. 2017. Disponível em: <https://goo.gl/wH9nvw>. Acesso em: 13 nov. 2017.

Santos, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

Santos, Milton. Pensando o espaço do homem. São Paulo: Hucitec, 1991.

Silva, Joaquim José da. Tratado de geografia descritiva especial da província de Minas Gerais. Belo Horizonte: FJP, 1997.

Souza, Laura de Mello e. Cláudio Manuel da Costa: o letrado dividido. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

Teixeira, Ivan. Mecenato pombalino e poesia neoclássica. São Paulo: Edusp, 1999.

Williams, Raymond. A produção social da escrita. Tradução de André Glaser. São Paulo: Unesp, 2014.

Williams, Raymond. Cultura e sociedade. Tradução de Leônidas H. B. Hegenberg et al. São Paulo: Nacional, 1969.

Wölflin, Heinrich. Renascença e barroco: estudo sobre a essência do estilo barroco e sua origem na Itália. Tradução de Mary Amazonas Leite de Barros e Antonio Steffen. São Paulo: Perspectiva, 1989.

Publicado
2018-09-12
Como Citar
OLIVEIRA, A. O manto de aporias: cultura, território e barroco na dinâmica socio-histórica do Estado de Minas Gerais. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 27, p. 141-157, 12 set. 2018.