Adeus, cavalo, de Nuno Ramos: quando o corpo vibra e o texto estremece um ato de leitura

Palavras-chave: Nuno Ramos, Adeus, cavalo, literatura e performance, leitura, teoria da recepção

Resumo

O presente artigo visa acompanhar de forma analítica o processo de um ato de leitura pessoal de uma produção literária brasileira contemporânea, Adeus, cavalo (2017), do escritor e artista plástico Nuno Ramos. Serão definidas as linhas norteadoras que guiarão o presente ato de leitura por meio do questionamento da ideia de paternidade da obra, crítica literária institucionalizada e leitura como interpretação hermenêutica. A uma ideia de linguagem como representação binária será contraposta a ideia de linguagem como forma de vida, visão consequentemente acompanhada por uma de leitura como energheia, força em ação que faz da experiência do corpo leitor a base de significação do texto, também partindo e considerando a natureza performática do texto escolhido.

Referências

Agamben, Giorgio. O fim do poema. Tradução de Sérgio Alcides. Cacto, n. 1, São Paulo, 2002. p. 143-149.

Barthes, Roland. Le Bruissement de la langue. Essais Critique IV. Normandie: Èditions du Seuil, 2015.

Culler, Jonathan. Em defesa da superinterpretação. In: Eco, Umberto. Interpretação e Superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

Derrida, Jacques. Mal de Arquivo. Uma impressão freudiana. Tradução de Claudia de Moaraes Rego. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

Eco, Umberto. Superinterpretando textos. In: Interpretação e superinterpretação. São Paulo, Martins Fontes, 1993. p. 53 -77.

Foucault, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Tradução de Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

Foucault, Michel. A ordem do discurso. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 2016.

Garramuño, Florencia. Frutos estranhos: sobre a inespecificidade na estética contemporânea. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

Martins, Helena. Três caminhos na filosofia da linguagem. In: Mussalim, F.; Bentes, A.C. Introdução à linguística. Vol. 3 Fundamentos epistemológicos. São Paulo: Corf, 2001. p. 448-474.

Nancy, Jean- Luc. Fazer, a poesia. Tradução de Letícia D. G. de França, Janaina Ravagno ni, Mauricio Mendonça Cardozo, Alea, Rio de Janeiro, vol. 15 n. 2, p. 414-422, jul./dez. 2013.

Ramos, Nuno. Adeus, Cavalo. São Paulo: Iluminuras, 2017.

Ramos, Nuno. Cujo. São Paulo: Editora 34, 2011.

Ramos, Nuno. Ó. São Paulo: Iluminuras, 2008.

Rancière, Jacques. O destino das imagens. Tradução Monica Costa Netto. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.

Rorty, Richard. A trajetória do pragmatista. In: Eco, Umberto. Interpretação e Superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes, 1997. p. 105-127.

Sontag, Susan. Contra a interpretação. Tradução de Ana Maria Capovila. Porto Alegre: L&PM, 1987.

Speranza, Graciela. Atlas portátil de América Latina. Arte y ficciones errantes. Barcelona: Anagrama, 2012.

Studart, Julia. Ciranda da poesia, Nuno Ramos por Júlia Studart. Rio de Janeiro: edUerj, 2014.

Zumthor, Paul. Performance, recepção, leitura. Tradução Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

Ramos, Nuno. Nuno Ramos. Catálogo. Rio de Janeiro: Cobogó, 2010.

Rodrigo Naves. Transformar a desmesura em liberdade [novembro 2011]. Nuno Ramos. Disponível em: http://www.nunoramos.com.br/portu/depo2.asp?flg_Lingua=1&cod_Depoimento=36. Acesso em: 09 dez. 2017.

Publicado
2019-08-28
Como Citar
CAPUTO, I. Adeus, cavalo, de Nuno Ramos: quando o corpo vibra e o texto estremece um ato de leitura. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 30, p. 56–75, 28 ago. 2019.