Narrativa e memória na Amazônia de Dalcídio Jurandir

  • Paulo Jorge Martins Nunes Universidade da Amazônia (UNAMA)
  • Maíra Oliveira Maia Universidade da Amazônia (UNAMA)
  • Thainá Oliveira Chemelo UNAMA
Palavras-chave: Dalcídio Jurandir, narrativa, memória, Belém, Amazônia

Resumo

A partir do conceito cultural e linguístico de lusografia, de Jean-Michel Massa, que reitera a diversidade de enunciados em uma única – embora diversificada – língua portuguesa, e das ideias de memória pessoal e memória histórica da região amazônica, o presente estudo pretende desvendar, através da análise dos romances Belém do Grão-Pará (1960) e Passagem dos Inocentes (1936), ambos de Dalcídio Jurandir, a sociedade paraense da primeira metade do século XX, já que o citado autor testemunhou esse mundo e construiu nos seus romances uma interpretação da sua experiência testemunhal, vista a partir das margens, das periferias, com os pés bem firmes no chão. Para demonstrar essa preocupação do autor em retratar as minorias, nos debruçamos sobre a análise da personagem “Mãe Ciana”, de Belém do Grão-Pará, que, embora aparentemente secundária na trama, constitui uma perfeita alegoria étnicocultural da Amazônia – fruto da mistura envolvente entre nativos ameríndios e negros filhos da diáspora africana no Norte do Brasil. Dalcídio, autor etnógrafo, tem como perspectiva principal a de romancista, embora também chame a atenção a sua prática jornalística, que brilhantemente faz par  com a outra, a de criador de romances. Nesse estudo, ressaltamos que o autor utiliza, além de sua memória pessoal, a memória histórica da região amazônica baseada em pesquisas e em testemunhos de amigos e parentes, fatos e pessoas que viveram em Belém na primeira metade do século XX, transformando os seus romances em verdadeiros “lugares de memória”, emaranhados à memória coletiva dos sujeitos amazônicos, priorizando os mais pobres, que ganham o leitor na mesma forma de identificação e significados. Dalcídio percebia a história como um campo de lutas e sua narrativa compromissada com a maioria explorada demonstra isso, escrevendo um romance politico capaz de contribuir com a transformação do mundo.

Referências

Benjamin, Walter. Sobre o conceito da História. IN: Barreto, João. Walter Benjamin: o anjo da história. Belo Horizonte: autêntica, 2012.

Dias, Maria Odila Leite da Silva. Quotidiano e poder em São Paulo do século XIX. São Paulo: brasiliense, 1995.

Halbwachs, Maurice. A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. 2 ed. São Paulo: Centauro, 2013.

Jurandir, Dalcídio. Belém do Grão-Pará. 2 ed. Belém/Rio de Janeiro: Edufpa/Casa de Rui Barbosa, 2004.

Leal, Luiz Augusto Pinheiro. A Política da Capoeiragem: história social da capoeira e do boi bumbá no Pará Republicano (1888- 1906). Salvador: EDUFBA, 2008.

Nora, Pierre. Entre Memória e História: problemática dos lugares. IN: Projeto História, São Paulo, n.10, dez.1993.

Nunes, Benedito; Pereira, Ruy; Pereira, Soraia Reolon. Dalcídio Jurandir – Romancista da Amazônia. Literatura e Memória. Belém: SECULT – FCRB – IDJ, 2006.

Nunes, Paulo; Torres, Vânia. ‘Negritude e protagonismo: um peixefritano modo de ser e estar no olho do furação’. Revista eletrônica Asas da Palavra, abril, 2018. Disponível em: http://revistas.unam.br/index.php/asasdapalavra/article. Acesso em março de 2019.

Seixas, Jacy Alves de. Percursos de Memória em terras de História: problemáticas atuais. IN: Bresciani, Stella; Naxara, Mércia (orgs.). Memória e (res)sentimento: indagações sobre uma questão sensível. Campinas-SP: editora da UNICAMP, 2004.

Publicado
2021-07-21
Como Citar
NUNES, P.; MAIA, M.; CHEMELO, T. Narrativa e memória na Amazônia de Dalcídio Jurandir. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 34, p. 54-64, 21 jul. 2021.
Seção
Artigos