A arma da teoria: pensamento africano e literatura

  • Roberto Vecchi Universidade de Bologna
Palavras-chave: filosofia africana, pensamento nos países africanos de língua portuguesa, filosofia e literaturas, comunidade, Luuanda

Resumo

O artigo procura repensar alguma caraterísticas da filosofia africana no espaço da língua portuguesa em comparação com outros contextos africanos que foram atravessados pelo processo de colonização (em particular a África francesa e inglesa). Depois dos processos de independência que se fundaram sobre pensamentos ideologicamente fortes (nomeadamente o caso de Amílcar Cabral), os tempos pós-coloniais não parecem ser marcados por reflexões radicais como ocorreu em outros âmbitos, sobretudo a partir de um enxerte favorável de diferentes pensamentos radicais. Discutindo a diferença entre filosofia e pensamento no quadro da revisão do pensamento sobre a comunidade, que desconstrói a obra identitária e as narrativas de nação, propõe-se encontrar na literatura – e não na filosofia no sentido estrito, nos contextos da África de língua portuguesa – estilhaços deste pensamento radical que se encontram disseminados em numerosos textos. Partindo do caso da reconfiguração da comunidade no clássico Luuanda de Luandino Vieira, a perspetiva que se esboça é a de um mapeamento do pensamento africano no espaço da língua portuguesa disseminado em textos literários.

Biografia do Autor

Roberto Vecchi, Universidade de Bologna

Roberto Vecchi é professor titular de Literatura Portuguesa e Brasileira e de História da cultura portuguesa na Universidade de Bolonha. É diretor do Departamento de Línguas, Literatura e Culturas Modernas desta Universidade e coordenador da Cátedra Eduardo Lourenço. Em Portugal, é investigador associado do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. É Honorary Professor (2015-2018) of Lusophone Studies at the School of Cultures, Languages and Area Studies na Universidade de Nottingham. É presidente (2014-2017) da AIL, a Associação Internacional de Lusitanistas. 

Referências

Agamben, Giorgio. La comunità che viene. Torino: Bollati Boringhieri, 2001.

Agamben, Giorgio. Il sacramento del linguaggio: archeologia del giuramento. Bari: Laterza, 2008.

Cabral, Amílcar. National liberation and culture: return to the source. In: Eze, Emmanuel Chukwudi (ed.). African Philosophy: an anthology. Oxford: Blackwell, 1998. p. 260-266.

Cabral, Amílcar. Documentário. Lisboa: Cotovia, 2008.

Cannelli, Barbara. Un pensiero africano: filosofi africani del novecento a confronto con l’Occidente (1934-1982). Milano: Leonardo International, 2003.

Chakrabarty, Dipesh. Provincializzare l’Europa. Tradução de M. Bortolini. Roma: Meltemi, 2004.

Derrida, Jacques. Stati canaglia: Due saggi sulla ragione. Tradução de L. Odello. Milano: Raffaello Cortina, 2003.

Fanon, Frantz. Scritti politici: per la rivoluzione africana. Roma, DeriveApprodi, 2006.

Guerreiro, Antonio. Pensadores e filósofos. Público. 20 set. 2013. Disponível em: https://www.publico.pt/2013/09/20/jornal/pensadores-e-filosofos-27103296. Acesso em: 19 set. 2019.

Kagame, Alexis. La philosophie Bantu-Rwandaise de l’Etre. Bruxelas: ARSC, 1956.

Kagame, Alexis. La philosofie bantu compare. Paris: Presence Africaine, 1976.

Laranjeira, Pires (org). Negritude africana de língua portuguesa: textos de apoio (1947-1963). Coimbra: Angelus Novus, 2000.

Massoni, Marco. Tsenay Serequeberhan: un’ermeneutica della filosofia africana. In: Procesi, Lidia; NKemnKia, Martin Nkafu; Massoni Marco (eds.). Prospettive di filosofia africana. Roma: Edizioni Associate, 2001. p.150-169.

Matumona, Muanamosi. Filosofia africana na linha do tempo: implicações epistemológicas, pedagógicas e práticas de uma ciência moderna. Lisboa: Esfera do Caos, 2011.

Mbembe, Achille. Necropolitics. Public Culture, Durham, v. 15, n. 1, p. 11-40, 2003.

Mudimbe, Valentin Y. L’invenzione dell’Africa. Tradução de G. Muzzopappa. Roma: Meltemi, 2007.

Nancy, Jean-Luc. La comunità inoperosa. Tradução de A. Moscati. Napoli: Cronopio, 1992.

Nancy, Jean-Luc. Essere singolare plurale. Tradução de D. Tarizzo. Torino: Einaudi, 2001.

Rella, Franco. Miti e figure del moderno. Milano: Feltrinelli, 1993.

Serequeberhan, Tsenay. Theory and actuality of existence: Fanon and Cabral. In: Wiredu, Kwasi (ed.). A companion to african philosophy. Oxford: Blackwell, 2003. p. 225-230.

Tempels, R. P. Placide. Filosofia Bantu. Tradução de Amélia A. Mingas e Zavoni Ntondo. Luanda (Angola): Edições de Angola, Faculdade de Letras da UAN, 1944/2016.

Vieira, Luandino. Luuanda: estórias. Lisboa: Caminho, 2004.

Publicado
2021-05-05
Como Citar
VECCHI, R. A arma da teoria: pensamento africano e literatura. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 33, p. 5-15, 5 maio 2021.
Seção
Artigos