Tempo e narrativa no gênero charge: condensar para potencializar

  • Eveline Coelho Cardoso Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ)
  • Glayci Kelli Reis da S. Xavier Universidade Federal Fluminense (UFF)
Palavras-chave: semiolinguística, história em quadrinhos, charge, tempo, narrativa

Resumo

O rompimento da barragem construída pela mineradora brasileira Vale, que devastou a cidade de Brumadinho (MG) em janeiro de 2019, é o tema de seis charges que compõem o corpus do presente artigo. Sob a perspectiva de análise do discurso semiolinguística, as charges são gêneros discursivos oriundos de um contrato comunicativo midiático, equilibrado, como tal, entre duas intenções principais: informar e captar o leitor. Driblando, contudo, a objetividade e credibilidade típicas da mídia, as charges narram uma versão pessoal e crítica da realidade, expressa em uma verbo-visualidade “carregada” de opinião, humor e ironia. Veremos, pois, de que maneira tais textos manifestam a temporalidade por meio de mecanismos linguísticos e simbólicos das histórias em quadrinhos, que lhes permitem romper a aparente fixidez de sua estrutura.

Referências

Aumont, Jacques. A imagem. Tradução Estela dos Santos Abreu e Cláudio C. Santoro. 2 ed. Campinas, SP: Papirus, 1995.

Barbieri, Daniele. As linguagens dos quadrinhos. Tradução Thiago de Almeida Castor do Amaral. São Paulo: Pieirópolis, 2017.

Barthes, Roland. O óbvio e o obtuso: ensaios críticos III. Tradução Lea Novaes. Rio de Janeiro: Nova fronteira, 1990.

Cagnin, Antonio Luiz. Os quadrinhos: linguagem e semiótica: um estudo abrangente da arte sequencial. 1 ed. São Paulo: Criativo, 2014.

Campos, Maria de Fátima Hanaque; Lomboglia, Ruth. HQ: Uma manifestação de arte. In: Luyten, Sonia M. (org.). Histórias em quadrinhos — leitura crítica. São Paulo: Edições Paulinas, 1984.

Charaudeau, Patrick. Grammaire du sens et de l’expression. Paris: Hachette, 1992.

Charaudeau, Patrick. Une analyse sémiolinguistique du discours. In: Langages, 29e année, nº117, 1995. pp. 96-111. Disponível em: http://www.persee.fr/web/revues/home/prescript/article/lgge_0458-726x_1995_num_29_117_1708. Acesso em: 10 ago. 2015.

Charaudeau, Patrick. Linguagem e discurso: modos de organização. 1ª ed., 1ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2009.

Charaudeau, Patrick. Discurso das mídias. Tradução de Angela M. S. Corrêa. 1 ed., 1ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2010.

Chinen, Nobu. Linguagem HQ: conceitos básicos. 1 ed. São Paulo: Criativo, 2011.

Eisner, Will. Quadrinhos e Arte Sequencial. 4ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

Eisner, Will. Narrativas Gráficas. São Paulo: Devir, 2005.

Feijó, Mário. Quadrinhos em ação: um século de história. São Paulo: Moderna, 1997.

Fittipaldi, Ciça. O que é uma imagem narrativa. In: Oliveira, Ieda (org.). O que é qualidade em ilustração no livro infantil e juvenil: com a palavra o ilustrador. São Paulo: DCL, 2008.

Fontanella, F. O que é um meme na Internet? Proposta para uma problemática da memesfera. In: Simpósio Nacional ABCiber, 3., 2009, São Paulo, Anais. São Paulo, 2009.

Henrique, Beatriz Serrão Petri. Saudades do futuro. Classes de palavras e demarcadores temporais: uma proposta de ampliação conceitual. 2013. 228f. Tese (Doutorado em Letras) — Universidade Federal Fluminense, Instituto de Letras, 2013.

Mccloud, Scott. Desvendando os quadrinhos. Trad. Helcio de Carvalho; Marisa do Nascimento Paro. São Paulo: M. Books do Brasil, 2005.

Mccloud, Scott. Desenhando quadrinhos. São Paulo: M. Books do Brasil, 2008.

Nery, Laura. Charge: a cartilha do mundo imediato. In: Revista Semear. Rio de Janeiro, RJ. Vol 7. 2001. Disponível em: http://www.letras.puc-rio.br/unidades&nucleos/catedra/revista/7Sem_10.html. Acesso em: 22 ago. 2015.

Postema, Barbara. Estrutura narrativa nos quadrinhos: construindo sentido a partir de fragmentos. São Paulo: Peirópolis, 2018.

Quella-Guyot, Didier. A história em quadrinhos. São Paulo: Edições Loyola, 1994.

Ramos, Paulo. A leitura dos quadrinhos. São Paulo: Contexto, 2010.

Romualdo, Edson Carlos. Charge jornalística: intertextualidade e polifonia: um estudo de charges da Folha de S. Paulo. Maringá: Eduem, 2000.

Santaella, Lúcia; Nöth, Winfried. Imagem: cognição, semiótica e mídia. São Paulo: Iluminuras, 1998.

Teixeira, Luiz Guilherme Sodré. Sentidos do humor, trapaças da razão: a charge. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2005.

Vergueiro, Waldomiro. A linguagem dos quadrinhos: uma “alfabetização” necessária. In: Rama, A.; Vegueiro, W. (orgs.). Como usar as histórias em quadrinhos na sala de aula. 4 ed. São Paulo: Contexto, 2012. p. 31-64.

Publicado
2020-05-05
Como Citar
CARDOSO, E.; XAVIER, G. K. Tempo e narrativa no gênero charge: condensar para potencializar. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 31, p. 155-174, 5 maio 2020.