A licenciosidade possível em Enervadas (1922), de Mme. Chrysanthème

  • Ana Paula A. dos Santos Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Palavras-chave: narrativa, século XX, pornografia, literatura brasileira, Mme. Chrysantème

Resumo

No presente trabalho procuro investigar as marcas pornográficas que podem ser encontradas no romance Enervadas (1922), de Mme Chrysanthème, pseudônimo da escritora Cecília Bandeira de Melo Rebelo de Vasconcelos. Meu intento não é o de afirmar que a Chrysanthème escrevia pornografia de fato, mas, em vez disso, considerar que, tal como outros escritores que lhe eram contemporâneos, ela estava a par das convenções dessa literatura e fez uso delas em seus romances como forma de atrair o leitor e de cativar o seu público.

Referências

Almeida, Júlia Lopes de. Sob as estrelas. In: Ânsia eterna. 2ª edição (refundida pela autora). Rio de Janeiro: S. A. A Noite, 1940.

Campos, Humberto de. Crítica: primeira série. Rio de Janeiro: W. M. Jackson, 1951.

Chrysanthème. Enervadas. Rio de Janeiro: Leite Ribeiro, 1922.

Correio Da Manhã. “A Pátria”. Rio de Janeiro, 8 de novembro. 1921.

Duarte, Aline Moreira. “Alfredo Gallis, o pornógrafo esquecido”. Revista Graphos, João Pessoa, UFPB, vol. 19, n° 2, p. 7-20, 2017.

El Far, Alessandra. Páginas de sensação — Literatura popular e pornográfica no Rio de Janeiro (1870-1924). São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

Fiedler, Leslie A. Love and death in the American novel. Estados Unidos da América: Dalkey Archive Press, 1997.

Gazeta de Notícias. Acaba de aparecer... “MATAR”, por Chrysanthème — Edição da Livraria Francisco Alves. Rio de Janeiro: 17 de fevereiro, 1927.

Gens, Rosa. “Cecília Vasconcelos e as modernas mulheres: a figuração de Chrysanthème”. In: Encontro Associação Brasileira de Literatura Comparada (ABRALIC), 15., 2016. Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: Dialogarts, p. 1112-1119, 2016.

Grieco, Agripino. Evolução da Prosa Brasileira. Rio de Janeiro: Ariel, 1933.

Ladenson, Elisabeth. “Literature and sex”. In: Lyons, John D. (ed.) The Cambridge companion to French literature. Cambridge: Cambridge University Press, p. 222-240, 2016.

Mendes, Leonardo. “Biblioteca do Solteirão: o livro pornográfico nas conexões Brasil-Europa no final do século XIX”. In: Abreu, Márcia. (ed.). Romances em movimento: A circulação transatlântica dos impressos. Campinas: Ed. Unicamp, 2016.

O Paiz. Três livros novos. Rio de Janeiro: 3 de abril. 1922.

Pinto, Maria de Lourdes de Melo. Memória de autoria feminina nas primeiras décadas do século XX: a emergência da obra periodística de Chrysanthème. Tese de Doutorado. Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2006.

Singer, Ben. “Modernidade, hiperestímulo e o início do sensacionalismo popular”. In: Charney, Leo; Schwartz, Vanessa (org). O cinema e a invenção da vida moderna. Tradução de Regina Thompson. São Paulo: Cosac & Naif, p. 115-148, 2001.

Vieira, Renata Ferreira. Uma penca de canalhas: Figueiredo Pimentel e o naturalismo no Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Letras, 2015.

Publicado
2020-05-05
Como Citar
SANTOS, A. P. A licenciosidade possível em Enervadas (1922), de Mme. Chrysanthème. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 31, p. 200-213, 5 maio 2020.