Dinâmicas urbanas endocoloniais: Luanda em Predadores, de Pepetela

  • Luca Fazzini PUC-Rio
Palavras-chave: estudos pós-coloniais, endocolonialismo, literatura angolana

Resumo

Em Predadores, romance publicado em 2005, o escritor Pepetela, ao encenar as práticas cotidianas da elite financeira angolana, propõe uma reflexão sobre o pós-independência do país destacando as continuidades das dinâmicas do poder, apesar das mudanças radicais que Angola sofreu nas últimas décadas, tanto no plano político como no econômico. Através da leitura crítica do romance mencionado e de uma mais ampla discussão sobre a construção ocidental do espaço colonial como espaço do impolítico, estritamente vinculado às demandas do capital, o presente artigo pretende investigar as continuidades na organização e nas práticas do poder na cidade de Luanda, destacando a persistência das lógicas coloniais no pós-independência. Tais persistências e continuidades, conjugadas à ação transnacional do capital, tornariam adequada a noção de endocolonialismo, para pensar a organização do poder na contemporaneidade angolana.

Referências

Abrantes, José Mena. A paz em Angola. In: Abrantes, José Mena (Org.). Angola em paz: novos desafios. Luanda: Edições Maianga, 2005.

Agamben, Giorgio. Stasis. Torino: Bollati Boringhieri, 2015.

Alliez, Éric. Lazzarato, Maurizio. Guerres et capital. Paris: Éditions Amsterdam, 2016.

Balibar, Étienne; Wallerstein, Immanuel. Race, Nation and Class: Ambiguous Identities. London/New York: Verso, 1991.

Cavalletti, Andrea. La città biopolitica: mitologie della sicurezza. Milano: Mondadori, 2005.

Domingos, Nuno; Pereira, Elsa. (Orgs.). Cidade e império: dinâmicas coloniais e reconfigurações pós-coloniais. Lisboa: Edições 70, 2013.

Fanon, Frantz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

Fernandes, José Manuel. Arquitectura e urbanismo na África Subsaariana: uma leitura. In: Mattoso, José (Org.). Património de origem portuguesa no mundo, África, Mar Vermelho, Golfo Pérsico. Lisboa: Fundação Gulbenkian, 2012, p. 204-216.

Filho, Alcides Goularti; Chimbulo, Avelino Euclides da Silva. Política econômica de Angola de 1975 a 2012: a trajetória da mudança de modelos. RDE ̶ Revista de desenvolvimento econômico, Salvador, n. 29, dez., p. 92-104, 2014.

Henriques, Isabel Castro. Território e identidade. A construção do Angola colonial (c. 1872- c. 1926). Lisboa: Centro de história da universidade de Lisboa, 2004.

Henriques, Isabel Castro; Vieira, Miguel Pais. Cidades em Angola: construções coloniais e reinvenções africanas. In: Domingos, Nuno; Pereira, Elsa. (Orgs.). Cidade e império: dinâmicas coloniais e reconfigurações pós-coloniais. Lisboa: Edições 70, 2013. p. 7-59.

Hobbes, Thomas. Leviathan. Cambridge/New York: Cambridge University Press, 1991.

Lenin, Vladimir I.. L’impérialisme, stade suprême du capitalisme. Montreuil-sous-Bois: Science Marxiste, 2005.

Macêdo, Tania. Luanda, cidade e literatura. São Paulo: Editora UNESP, 2008.

Marx, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. Trad. J. Ranieri. São Paulo: Boitempo, 2004.

Mata, Inocência. Pepetela e as (novas) margens da “nação” angolana. Veredas. Revista da associação internacional de lusitanistas, Porto, n.4, p. 133-145, 2001.

Mata, Inocência. Ficção e história na Literatura Angolana: o caso de Pepetela.textbf{ Lisboa: Edições Colibri, 2012.

Mbembe, Achille. As formas africanas de auto-inscrição. Estudos Afro-Asiáticos, Ano 23, n. 1, p. 171-209, 2001.

Mbembe, Achille. Necropolítica. Arte & Ensino. Rio de Janeiro, n. 23, 2016. p. 123-151.

Meneses, Maria Paula G. O ‘indigena’ africano e o colono ‘europeu’: a construção da diferença por processos legais. E-Cadernos CES, Coimbra, n.7, p. 68-93, 2010.

Mourão, Fernando Augusto Albuquerque. Continuidades e descontinuidades de um processo colonial através de uma leitura de Luanda: uma interpretação do desenho urbano. São Paulo: Terceira margem, 2006.

Negri, Antonio; Hardt, Michael. Império. Trad. Berilo Varga. 3ª Ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, 2000.

Pepetela. Predadores. 8ª Ed. Alfragide: Edições Dom Quixote, 2012.

Rocha, José Manuel Alves da. Os limites do crescimento econômico em Angola: as fronteiras entre o possível e o desejável. Luanda: Editora Nzila, 2009.

Rodrigues, Cristina Udelsmann. Recomposição social e urbanização em Luanda. Centro de estudos africanos, Lisboa, p. 1-26, 2003.

Safatle, Vladimir. O circuito dos afetos: corpos políticos e o fim do indivíduo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

Viegas, Sílvia Leiria. Urbanization in Luanda: geopolitical framework. In: International planning history society (IPHS) Conference, São Paulo: FAUUSP, 2012. p. 1-20.

Weber, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. Trad. José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

Publicado
2021-07-21
Como Citar
FAZZINI, L. Dinâmicas urbanas endocoloniais: Luanda em Predadores, de Pepetela. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 34, p. 65-82, 21 jul. 2021.
Seção
Artigos