“O monopólio da cabo-verdianidade”: A morte do ouvidor (2010), de Germano Almeida, e o desafio de recontar o passado

Palavras-chave: romance histórico, Cabo Verde, identidade, metaficção

Resumo

Analisando o romance A morte do ouvidor (2010), de Germano Almeida, este artigo propõe compreender o exercício de recontar o passado como resposta às demandas pós-coloniais de domínio e consciência sobre a história e como uma maneira de questionar e reformular as noções de identidade cultural em Cabo Verde. Ao observar os recursos historiográficos e metaficcionais mobilizados no romance para montar a trajetória do coronel António de Barros Bezerra de Oliveira, busca-se perceber como os dois eixos em que se articula o romance exploram o passado e o presente de forma crítica, irônica e fragmentada, e abrem caminho para afirmar o “ser cabo-verdiano” e a possibilidades de novos posicionamentos.

Referências

Almeida, Germano. A morte do ouvidor. Lisboa: Caminho, 2010.

Almeida, Germano. Estórias Contadas: crónicas. Lisboa: Caminho, 1998.

Bergamo, Edvaldo A. Mulheres atlânticas em movimento: o romance histórico pós-colonial de Ana Miranda e de José Eduardo Agualusa. Iberoamericana. América Latina – España – Portugal, Vol. XVII, n. 66, p. 55-72, 2017.

Cabral, Iva. António de Barros Bezerra de Oliveira, o Régulo da Ilha de Santiago. Portal do Conhecimento de Cabo Verde, 2012. Disponível em: http://www.portaldoconhecimento.gov.cv/handle/10961/362. Acesso em: 25/06/2020.

Cabral, Iva. Elites atlânticas: Ribeira Grande do Cabo Verde (séculos XVI-XVIII). Portal do Conhecimento de Cabo Verde, 2012. Disponível em: http://www.portaldoconhecimento.gov.cv/handle/10961/362. Acesso em: 25/06/2020.

Castelo, Cláudia. “O modo português de estar no mundo”: O luso-tropicalismo e a ideologia colonial portuguesa (1933-1961). Porto: Edições Afrontamento, 22011 {[1999{].

Dalley, Hamish: The Postcolonial Historical Novel Realism, Allegory, and the Representation of Contested Pasts. New York: Palgrave Macmillan, 2014.

Hall, Stuart. Cultural identity and diaspora. In: Rutherford, Jonathan (ed.). Identity: community, culture, difference. London: Lawrence & Wishart, p. 222-37, 1990.

Hamilton, Russel G.. Literatura africana, literatura necessária (Vol. Ii). Lisboa/Porto: Edições 70, 1984.

Hutcheon, Linda. Poética do pós‐modernismo. Trad. de Ricardo Cruz. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

Góis, Pedro. Emigração Cabo-Verdiana para (e na) Europa e a sua Inserção em Mercados de Trabalho Locais. Lisboa, Milão e Roterdão, Lisboa: Acime, 2006.

Laranjeira, Pires. A identidade “criola” e negro-africana e uma nova representação da mulher, com exemplos de Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. In: Ribeiro, Margarida Calafate; Jorge, Sílvio Renato (orgs.). Literaturas Insulares. Leituras e escritas. Cabo Verde e S. Tomé e Príncipe. Porto: Afrontamento, 2011, p. 17-31.

Laranjeira, Pires. Literatura africana de expressão portuguesa. Com I. Mata e E. Rodrigues dos Santos. Lisboa: Universidade Aberta, 1995.

Lopes Filho, João. Mestiçagem, emigração e mudança em Cabo Verde. África: Revista do Centro de Estudos Africanos. São Paulo: Usp, p. 129-140, 2010.

Madeira, João Paulo. A construção do Estado-Nação em Cabo Verde. In: Reis, Bruno Carriço (org.). Radiografia Crioula - Um diagnóstico político e social de Cabo Verde. Lisboa: Universidade Autónoma de Lisboa; Faro: Sílabas & Desafios, 2016, p. 49-82.

Pires, Maria do Carmo Martins. Escrever uma história libertadora sem rejeitar o borbulhar da modernidade: a busca impossível de Germano Almeida. Revista Cerrados, v. 25, n. 41, 2 ago. 2016.

Rattner, Jair. “Os portugueses acham que são donos da língua”, Germano Almeida, escritor cabo-verdiano. Pessoa, revista de literatura lusófona, 6 de agosto de 2010. Disponível em: http://www.revistapessoa.com/2010/08/os-portugueses-acham-que-sao-donos-da-lingua-germano-almeida-escritor-cabo-verdiano/. Acesso em: 22/06/2020.

Publicado
2021-07-28
Como Citar
ALVES LIMA DA SILVA, P.; WIESER, D. “O monopólio da cabo-verdianidade”: A morte do ouvidor (2010), de Germano Almeida, e o desafio de recontar o passado. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 35, p. 71-87, 28 jul. 2021.
Seção
Artigos