Trauma, memória e latência em Diário da queda, de Michel Laub

  • Rejane Cristina Rocha Universidade Federal de São Carlos
Palavras-chave: narrativa brasileira contemporânea, memória, Michel Laub

Resumo

O romance Diário da queda, de Michel Laub, coloca em pauta a memória da Shoah, narrando as ressonâncias do trauma em três gerações de uma mesma família. Os procedimentos narrativos mobilizados para a construção das memórias — narrador em primeira pessoa que narra as suas próprias memórias, cravejadas pelas memórias de outrem; movimento espiralar que embaralha passado, presente e porvir, sem definição clara das origens das diferentes dores tematizadas pelo enredo — permitem que se entreveja a maneira como as marcas do passado, estendidas ao presente por meio da escrita, são inescapáveis, embora, paradoxalmente, a própria escrita seja usada com o objetivo de expurgar o passado.

Referências

Brendler, Guilherme. Michel Laub se rende ao judaísmo pela primeira vez. Entrevista com Michel Laub. Folha de S. Paulo, São Paulo, 19 mar. 2011. On-line. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2017.
Chiara, Ana Cristina. Corpos em conflito e memórias extremas em Graciliano Ramos, Pedro Nava e Ferreira Gullar. In: Fukelman, Clarisse (Org.). Eu assino embaixo: biografia, memória e cultura. Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 2014.
Deleuze, Gilles; Guattari, Félix. Kafka: para uma literatura menor. Tradução de Rafael Godinho. Lisboa: Assírio e Alvim, 2003.
Gagnebin, Jeanne Marie. Lembrar, escrever, esquecer. São Paulo: Ed. 34, 2006.
Genette, Gérard. Discurso da narrativa. 3. ed. Tradução de Fernando Cabral Martins. Lisboa: Vega, 1995.
Gumbrecht, Hans Ulrich. Depois de 1945: latência como origem do presente. Tradução de Ana Isabel Soares. São Paulo: Editora da Unesp, 2014.
Gumbrecht, Hans Ulrich. Nosso amplo presente. Tradução de Ana Isabel Soares. São Paulo: Editora da Unesp, 2015.
Hidalgo, Luciana. Autoficção brasileira: influências francesas, indefinições teóricas. Alea, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 218-231, jan./jun. 2013.
Klinger, Diana. Escrita de si como performance. Revista Brasileira de Literatura Comparada, n. 12, p. 11-30, 2008.
Klinger, Diana. Escritas de si, escritas do outro: o retorno do autor e a virada etnográfica. 2. ed. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2012.
Lafetá, João Luiz. O mundo à revelia. In: Prado, Antonio Arnoni (Org.). A dimensão da noite. Rio de Janeiro: Duas Cidades; São Paulo: Ed. 34. p. 72-102.
Laub, Michel. Diário da queda. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. (E-book).
Paraná. Secretaria de Cultura. Biblioteca Pública do Paraná. Michel Laub encerra carreira de romancista após trilogia. Curitiba, 7 nov. 2013. On-line. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2017.
Pereira, Rogério. Merecido descanso. Entrevista com Michel Laub. Rascunho, Curitiba, n. 133, maio 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2017.
Miranda, Wander Melo. Corpos escritos. São Paulo: Editora da USP; Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1992.
Sarlo, Beatriz. Tiempo pasado: cultura de la memoria y giro subjetivo. Una discusión. Buenos Aires: Siglo Veintiuno, 2005.
Publicado
2018-05-23
Como Citar
ROCHA, R. Trauma, memória e latência em Diário da queda, de Michel Laub. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 26, p. 118–134, 23 maio 2018.
Seção
Artigos