Transformações do literário quando a leitura que importa é feita pelos fãs

Palavras-chave: fanfiction, leitura, instituição literária, cânones

Resumo

O presente artigo aborda o modo pelo qual uma cultura dos fãs produz novas modalidades de produção e de enunciação do saber literário na atualidade, à revelia dos critérios de leitura especializados e legitimados junto ao campo instituído da literatura. A discussão enfoca o universo das fanfictions e suas práticas de leitura na cultura massiva e midiática contemporânea. Considera-se que este universo constitui hoje um campo literário alternativo, criado pelo (e para o) público, com direito a cânones e terminologias próprias.

Referências

Barthes, Roland. O rumor da língua. Trad. Mário Laranjeira. São Paulo: Brasiliense, 1998.

Benjamin, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: Magia e técnica, arte e política; ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 165-196. (Obras escolhidas, v. 1)

Bloom, Harold. Crítico diz que popularidade de Harry Potter é "desesperante" — entrevista concedida a Rodrigo Moura. Folha de São Paulo — (caderno Ilustrada), 25, jan 2003. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u30244.shtml. Acesso em: 25 mai. 2018.

Calvino, Ítalo. Por que ler os clássicos? Tradução de Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

Campos, Roberto Rodrigues. Harry Potter e a institucionalização de um fenômeno cultural convergente. 86 f. Dissertação (Mestrado em Estudo de Linguagens) — Departamento de Ciências Humanas da Universidade do Estado da Bahia. 2015. Disponível em: https://slidex.tips/download/harry-potter-e-a-institucionalizaao-de-um-fenomeno-cultural-convergente. Acesso em: 25 mai. 2018.

Canclini, Néstor García. Culturas híbridas; estratégias para entrar e sair da modernidade. Tradução de Heloísa P. Cintrão e Ana Regina Lessa. São Paulo: EDUSP, 2003.

Certeau, Michel de. Artes de fazer; a invenção do cotidiano. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. Rio de Janeiro: Vozes, 1994. (v. 1)

Culler, Jonathan. Teoria da literatura — uma introdução. Tradução de Sandra Vasconcelos. São Paulo: Beca Produções Culturais Ltda, 1999.

Floreios e Borrões. Disponível em: http://floreioseborroes.net/. Acesso em: 24 mai. 2018.

Foucault, Michel. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

Lévy, Pierre. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. Tradução de Luis Paulo Rouanet. São Paulo: Loyola, 2007.

Jamison, Anne. Fic: por que a fanfiction está dominando o mundo. Tradução de Marcelo Barbão. Rio de Janeiro: Anfiteatro, 2017.

Jenkins, Henry. Invasores do texto: fãs e cultura participativa. Tradução de Érico Assis. Nova Iguaçu-RJ: Marsupial Editora, 2015.

Jenkins, Henry. Lendo criticamente e lendo criativamente. Tradução de Gabriel Morato. MATRIZes — Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade de São Paulo, vol. 02, jul./dez. 2012, p. 11-24. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/matrizes/article/view/48047/51801. Acesso em: 20 mai. 2018.

Jenkins, Henry. Cultura da convergência. Tradução de Susana Alexandria. São Paulo: Aleph, 2009.

Martín-Barbero, Jesús. Dos meios às mediações; comunicação, cultura e hegemonia. Tradução de Ronald Polito e Sérgio Alcides. 2. ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 2003.

Murakami, Raquel Yukie. O ficwriter e o campo da fan fiction; reflexão sobre uma forma de escrita contemporânea. 109 f. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária e Literatura Comparada) — Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade do Estado de São Paulo. 2016. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8151/tde-10042017-122630/pt-br.php. Acesso em: 22 mai. 2018.

Nyah! Fanfiction. Disponível em: https://fanfiction.com.br/. Acesso em: 20 mai. 2018.

Reis, Roberto. Cânon. In: Jobim, José Luís (Org). Palavras da crítica; tendências e conceitos no estudo da literatura. Rio de Janeiro: Imago, 1992. p. 65-91.

Shusterman, Richard. Vivendo a arte: o pensamento pragmatista e a estética popular. Tradução de Gisela Domschke. São Paulo: Editora 34, 1998.

Vargas, Maria Lucia Bandeira. O Fenômeno fanfiction: novas escrituras e leituras em meio eletrônico. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, 2015. Disponível em: http://editora.upf.br/index.php/e-books-free/132-o-fenomeno-fanfiction. Acesso em: 27 mai. 2018.

Publicado
2019-08-28
Como Citar
OLIVEIRA, S. Transformações do literário quando a leitura que importa é feita pelos fãs. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 30, p. 93–110, 28 ago. 2019.