Da desumanização à criação: a revolução no antropoceno em A nossa alegria chegou, de Alexandra Lucas Coelho

  • Margarida Rendeiro Universidade Lusíada de Lisboa
Palavras-chave: Alexandra Lucas Coelho, revolução, memória, utopia, Atlântico Sul

Resumo

A nossa alegria chegou (2018) de Alexandra Lucas Coelho é um romance que se posiciona num horizonte de expectativas face ao impacto negativo da ação humana no planeta na era do Antropoceno. Alendabar, espaço totalmente criado ab novo e que não corresponde a nenhuma área geográfica identificável, reifica o impacto da destruição ambiental a que se soma a desumanização resultante de um capitalismo antropofágico e voraz. Esta desumanização concretiza-se, por um lado, na coisificação dos trabalhadores e, por outro lado, na incapacidade de quem detém o poder de sentir empatia pelo seu semelhante. Este artigo discute que, em A nossa alegria chegou, esta violência apenas pode ser combatida por outras formas de violência que são, em si mesmas, essencialmente regeneradoras. A destruição infligida em Alendabar constrói-se literariamente sobre memórias da exploração, do colonialismo e da opressão que estão presentes na experiência do Sul Global, desenhado e intuído a partir da linha do equinócio. Nas reminiscências de visões ancestrais e de experiências de saberes vividos no sul, resgata-se o valor humano expresso em toda a sua plenitude através de uma revolução radical e violenta, mas regeneradora sob memória simbólica da antropofagia ritualística. Eduardo Viveiros de Castro (2002) afirmou que a antropofagia de Oswald de Andrade é uma reflexão metacultural que produziu uma teoria verdadeiramente revolucionária. Em A nossa alegria chegou, é através das imagens dos corpos devorados e libertos que se chega à ressignificação do antropos como parte da utopia do amor físico, real e inteiro.

Biografia do Autor

Margarida Rendeiro, Universidade Lusíada de Lisboa
Doutora em Estudos Portugueses pelo King's College London (2008). Professora da Universidade Lusíada de Lisboa.

Referências

Coelho, Alexandra Lucas. A nossa alegria chegou. Lisboa: Companhia das Letras, 2018.

Delanty, Gerard. Os desafios da globalização e a imaginação cosmopolita: as implicações do antropoceno. Sociedade e Estado. Brasília, v. 33, n. 2, maio/ago. 2018. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69922018000200373#fn6. Acesso em: 20 jun. 2019.

Deleuze, Gilles; Guattari, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. São Paulo: Editora 34, 1995.

Greenpeace Brasil. Desmatamento na Amazônia cresce 13,7%, o maior dos últimos 10 anos. 23 nov. 2018. Disponível em: https://www.greenpeace.org/brasil/blog/desmatamento-na-amazonia-cresce-137/. Acesso em: 20 jun. 2019.

Hardt, Michael; Negri, António. Império. Tradução de Berilo Vargas. Rio de Janeiro: Record, 2001.

Hardt, Michael; Negri, António. Multidão: guerra e democracia na era do império. Tradução de Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Record, 2004.

Natálio, Rita. Porquê antropoceno? – projeto antropocenas. Abuala, 22 out. 2017. Disponível em: http://www.buala.org/pt/a-ler/porque-antropoceno-projeto-antropocenas. Acesso em: 20 jun. 2019.

Patterson, Charles. Eternal Treblinka: our treatment of animals and the holocaust. Nova Iorque: Lantern Books, 2002.

Santos, Boaventura de Sousa. Construindo as epistemologias do sul: antologia esencial. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, 2018.

Viveiros de Castro, Eduardo. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosaic Naify, 2002.

Publicado
2021-05-05
Como Citar
RENDEIRO, M. Da desumanização à criação: a revolução no antropoceno em A nossa alegria chegou, de Alexandra Lucas Coelho. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 33, p. 88-101, 5 maio 2021.
Seção
Artigos