Intermidialidade e (re)construção histórica no romance gráfico Independência ou mortos

  • Stanis David Lacowicz Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: D. Pedro I do Brasil, ficção histórica, romance gráfico, intermidialidade

Resumo

Partindo do campo de estudos sobre intermidialidade e ficção histórica, este trabalho analisa a reconstrução ficcional da personagem histórica D. Pedro I, no romance gráfico Independência ou Mortos (2012), de Abu Fobiya (roteirista, pseudônimo de Fabio Abu) e Harald Stricker (ilustrador e co-roteirista). Numa mescla de linguagem verbal e visual, essa obra narra desde a vinda da família real portuguesa ao Brasil (1808) até a proclamação e luta pela independência (1822). Entretanto, a fim de construir um passado alternativo, eventos históricos conhecidos são intercalados com um elemento sobrenatural, os zumbis devoradores de carne humana. Pretendemos, além disso, evidenciar a forma como algumas das relações intertextuais e intermidiáticas que se operam na obra são fundamentais para a produção de sentidos em torno da reencenação da história. Tomamos por base os estudos de Claus Clüver (2006) e Irina Rajewsky (2012a, 2012b) para tratar sobre os conceitos de intermidialidade, bem como de relações e referências intermidiáticas.

Referências

Clüver, Claus. Inter textos/ Inter artes/ Inter media. Aletria. Belo Horizonte, p. 9-39, jul. dez. 2006.Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/aletria/article/view/1357. Acesso em: 30 abr. 2019.

Eisner, Will. Quadrinhos e arte sequencial. trad. Luís Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

Esteves, Antonio Roberto. O romance histórico brasileiro contemporâneo. (1975-2000). São Paulo: Ed. Unesp, 2010.

Fobiya, Abu. Independência ou mortos. Ilustração de Harald Stricker. Curitiba: Nerdbooks, 2012.

Hutcheon, Linda. Poética do pós-modernismo: história, teoria, ficção. tradução R. Cruz; Rio de Janeiro: Imago, 1991.

Independência ou Morte. Direção: Carlos Coimbra. Interpretes: Tarcísio Meira, Glória Menezes. Produtora: Cinedistri. Brasil, 1972.

Lukács, Georg. La novela histórica. tradução Jasmin Reuter. México: Ediciones Era, 1966.

Rajewsky, Irina. A fronteira em discussão: o status problemático das fronteiras midiáticas no debate contemporâneo sobre intermidialidade. In: Diniz, Thaïs Flores Nogueira. Vieira, André Soares (org.). Intermidialidade e Estudos inteartes: desafios da arte contemporânea. Belo Horizonte, Rona Editora: Fale/UFMG, vol.2, p. 51-74, 2012a. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/site/e-livros/Intermidialidade%20e%20Estudos%20Interartes%20-%20Desafios%20da%20Arte%20Contempor%C3%A2nea%202.pdf. Acesso em: 30 abr. 2019.

Rajewsky, Irina. Intermidialidade, intertextualidade e “remediação”: uma perspectiva literária sobre a intermidialidade. In. DINIZ, T. F. N. (Org.). Intermidialidades e estudos interartes. Belo Horizonte: UFMG, 2012.

Rosenfeld, Anatol. Literatura e personagem. In: Cândido, Antônio (et al). A personagem de ficção. 11. ed. São Paulo: Perspectiva, 2007.

Setúbal, Paulo. As maluquices do Imperador. São Paulo: Geração Editorial, 2008.

Setúbal, Paulo. A marquesa de Santos. São Paulo: Geração Editorial, 2009.

Torero, José Roberto. Galantes memórias e admiráveis aventuras do virtuoso Conselheiro Gomes, o Chalaça. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

Publicado
2020-05-05
Como Citar
LACOWICZ, S. D. Intermidialidade e (re)construção histórica no romance gráfico Independência ou mortos. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 31, p. 99-115, 5 maio 2020.