A tensão dialética entre o eu e o outro em Eu hei-de amar uma pedra, de António Lobo Antunes

  • Tatiana Prevedello Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS)
Palavras-chave: António Lobo Antunes, Paul Ricoeur, identidade, ipseidade, mesmidade

Resumo

A representação da identidade das personagens do romance Eu hei-de amar uma pedra, de António Lobo Antunes, mostra a instabilidade de indivíduos que não se fixam em uma imagem segura a respeito de si próprios e dos outros com os quais interagem na cena ficcional. A problematização apresentada por Paul Ricoeur em O si-mesmo como um outro (Soi-même comme un autre), relativa aos conceitos de mesmidade (mêmetè), que remete aos aspectos identitários mais estáveis do eu e sua relação com a permanência no tempo, e a ipseidade (ipséité), que abrange a condição mutável do ser, de modo que permaneça o “mesmo” sendo o “outro”, auxilia a compreender os mecanismos que  engendram a elaboração psíquica dos sujeitos projetados no texto. Nosso propósito é examinar as múltiplas e contraditórias formas de representações identitárias das personagens apresentadas no romance, cujos conflitos interiores auxiliam o desenvolvimento de uma contundente reflexão sobre a alteridade do ser diante da criação ficcional.

Referências

Antunes, António Lobo. Eu hei-de amar uma pedra. Lisboa: Dom Quixote, 2004.
Borges, Jorge Luis. Ficciones. In: Borges Jorge Luis. Cuentos completos. Buenos Aires: Sudamericana, 2012.
Cabral, Eunice. A concepção do romance em Dicionário da obra de António Lobo Antunes. In: Cammaert, Felipe (Org.). António Lobo Antunes: a arte do romance. Lisboa: Texto, 2011.
Cammaert, Felipe (Org.). António Lobo Antunes: a arte do romance. Alfragide: Texto, 2011.
Freud, Sigmund. Introdução ao narcisismo: ensaios de metapsicologia e outros textos (1914–1916). Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.
Hall, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 7. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.
Hatherly, Ana. O mestre. Lisboa: Quimera, 1995.
Magritte, René. La reproduction interdite. 1937. Óleo sobre tela. 65,5x79 cm. Rotterdam: Museum Boymans van Beuningen.
Ricoeur, Paul. O si-mesmo como um outro. Tradução de Lucy Moreira Cesar. Campinas: Papirus, 1991.
Rimbaud, Arthur. Poésies. Paris: Librairie Générale Française, 1984. p. 200.
Publicado
2018-05-23
Como Citar
PREVEDELLO, T. A tensão dialética entre o eu e o outro em Eu hei-de amar uma pedra, de António Lobo Antunes. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 26, p. 96-117, 23 maio 2018.
Seção
Artigos