A (auto)representação do negro no conto brasileiro contemporâneo

  • Samara Lima Universidade Federal da Bahia
  • Luciene Azevedo Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: autorrepresentação, Cidinha da Silva, Geovani Martins, Cristiane Sobral, literatura contemporânea

Resumo

ensaio tem como principal objetivo discutir a noção de autorrepresentação em produções da literatura brasileira recente. Tomando como fundamento teórico os estudos propostos por bell hooks em seu livro Olhares negros: raça e representação (2019) e as discussões empreendidas por Souza (2010), Rankine (2019), Gonçalves (2018), pretendemos discutir e analisar o posicionamento afirmativo cada vez mais recorrente na literatura brasileira por parte dos escritores afrodescendentes que buscam marcar um lugar de presença, por meio de diferentes recursos literários, para questionar os estereótipos que, por muito tempo, estiveram presentes no discurso literário brasileiro. Assim, pretende-se refletir sobre o elo entre o autor, sua etnia e seu projeto literário, caracterizando melhor diferentes estratégias de “autorrepresentação” do negro em três contos de autores negros da literatura contemporânea brasileira: “Metal-Metal” de Cidinha da Silva (2019), “Espiral” de Geovani Martins (2018) e “Elevador a serviço” de Cristiane Sobral (2016).}

Referências

Bloom, Harold. O cânone ocidental. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.

Deleuze, Giles; Guattari, Félix. Kafka: para uma literatura menor. Tradução de Cíntia Vieira da Silva. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

Duarte, Eduardo Assis. Estratégias de caramujo. In: Machado de Assis afro-descendente. Duarte, Eduardo Assis (Org.), Rio de Janeiro: Pallas; Belo Horizonte: Crisálida, 2009.

Duarte, Eduardo Assis. O negro na literatura brasileira. Navegações, Lisboa, v. 6, n. 2, p. 146-154, 2014. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/navegacoes/article/view/1678. Acesso em: 2 julho 2020.

Emicida. ‘A pior coisa é você perguntar as horas e a pessoa esconder a bolsa’, diz Emicida sobre o racismo no Brasil. {[Entrevista concedida à{] Júlia Dias Carneiro e Renata Mendonça. BBC Brasil, São Paulo, 1 de setembro de 2015. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/09/150824_entrevista_emicida_jc_rm. Acesso em: 8 março 2021.

Evaristo, Conceição. Da representação à auto-representação da Mulher Negra na Literatura Brasileira. Revista Palmares. Brasília, ano 1, n. 1, p. 52-57, 2005. Disponível em: http://www.palmares.gov.br/sites/000/2/download/52%20a%2057.pdf. Acesso em: 13 julho 2020.

Gonçalves, Ana Maria. Literatura dos povos que faltam. Revista Revera. Instituto Vera Cruz, v. 4, p. 102-122, 2019. Disponível em: https://site.veracruz.edu.br/instituto/revera/index.php/revera/article/view/95. Acesso em: 13 julho 2020.

Hall, Stuart. Cultura e Representação. Tradução: William Oliveira e Daniel Miranda. Rio de Janeiro: PUC- Rio: Apicuri, 2016.

Hooks, bell. Olhares negros: raça e representação. Tradução de Stephanie Borges. São Paulo: Elefante, 2019.

Lima, Samara. As escritoras mulheres de “cor”. Leituras contemporâneas – narrativas do século XXI, Salvador, 23 abril 2020. Disponível em: https://leiturascontemporaneas.org/2020/04/23/as-escritoras-mulheres-de-cor/. Acesso em: 8 março 2020.

Martins, Geovani. O sol na cabeça. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

Menezes Neto, Hélio Santos. "Exposições e críticos de arte afro-brasileira: um conceito em disputa". In: Histórias Afro-Atlânticas: antologia. 1 ed. São Paulo: MASP, 2018.

Mussa, Alberto. Rascunho, Curitiba, 22 dezembro 2011. Disponível em: http://rascunho.com.br/alberto-mussa/. Acesso em: 1 jun. 2020.

Proença Filho, Domício. A trajetória do negro e a literatura brasileira. Estudos Avançados. São Paulo. vol.18 n.50, p. 161-193, 2004.

Rankine, Claudia. Eu queria saber os que os homens pensavam de seu privilégio. Então perguntei. Revista Serrote, v. 33, p. 76-94, nov, 2019.

Silva, Cidinha. Entrevista ao Portal Geledés, 2016. Disponível em https://www.geledes.org.br/narrativas-de-um-lugar-de-fala/. Acesso em: 2 julho 2020.

Silva, Cidinha. Um exu em Nova York. Rio de Janeiro: Editora Pallas, 2019.

Sobral, Cristiane. O tapete voador. Rio de Janeiro: Editora Malê, 2016.

Sobral, Cristiane Sobral. “Quem não se afirma não existe”: Entrevista com Cristiane Sobral. Entrevista concedida a Graziele Frederico, Lúcia Tormin Mollo e Paula Queiroz Dutra. Brasília. Maio/Ago, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/elbc/n51/2316-4018-elbc-51-00254.pdf. Acesso em: 26 julho 2020.

Souza, Florentina. Autorrepresentação e intervenção cultural em textualidades afro-brasileiras. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), v. 1, p. 183-194, 2010. Disponível em: http://abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/2960. Acesso em: 27 julho 2020.

Souza, Lívia Maria Natália de. Literatura Adoxada: As formas de escrita poética da negritude na cosmogonia Afro-brasileira. fólio - Revista de Letras, UESB, v. 10, n. 2, p. 193- 204, 2019. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/4560. Acesso em: 27 julho 2020.

Publicado
2021-07-21
Como Citar
LIMA, S.; AZEVEDO, L. A (auto)representação do negro no conto brasileiro contemporâneo. Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 34, p. 153-167, 21 jul. 2021.
Seção
Artigos